WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

A Polícia da República de Moçambique contra o Direito à Manifestação?

12
Set
2016

Neste artigo de opinião, o autor discute as recentes atitudes da PRM nas últimas duas marchas públicas na cidade de Maputo e pergunta-se se a intenção é reprimir futuras acções de protesto.

As duas últimas manifestações realizadas em Maputo (18 de Junho e 27 de Agosto de 2016) trouxeram em evidência “o lado negro” da Polícia da República de Moçambique (PRM), na qualidade de agente principal de protecção pública.

Começando com a marcha de 27 de Agosto, organizada pelo Parlamento Juvenil (PJ), informações veiculadas pelo jornal mediax nº 6133, da Terça-feira 30 de Agosto de 2016, nas suas páginas 1 e 2, revelam o que de mais assustador caracteriza as nossas autoridades policiais: o abuso de poder e a intimidação.

Conforme avançou o jornal, baseando-se em supostas investigações, um dia antes da realização da manifestação pacífica, a PRM decidiu convocar os seus organizadores, Alice Mabota da Liga dos Direitos Humanos (LDH) e Salomão Muchanga, Presidente do PJ, na tentativa de “persuadi-los” a não realizarem a marcha. Segundo o jornal, a PRM argumentou que estava na posse de informações segundo as quais havia um grupo que estava a organizar-se para criar distúrbios e que, se isso acontecesse, os organizadores seriam responsabilizados.

Depois dessa afirmação, a polícia não pediu, mas exigiu que os organizadores abdicassem do seu direito constitucionalmente previsto de manifestarem-se, até que ela, quando bem lhe aprouvesse, indicasse uma data apropriada para o efeito. Ou seja, foi a PRM a violar o princípio de separação de poderes, pretendendo ir além do espírito da lei e do legislador, que reconhece o direito à manifestação como um direito subjectivo, próprio dos cidadãos e das cidadãs, enquanto membros do Estado-comunidade, não do Estado-poder (instituições e agentes públicos), do qual a PRM é parte.

Ao elaborar a lei, o legislador estava ciente que, a partir do momento que este direito ficasse resignado à estrita vontade do Estado-poder, os direitos, as liberdades e garantias dos cidadãos e das cidadãs estariam em risco. É daí que se deve extrair o entendimento e o sentido do nº 1 do artigo 3 da Lei que regula as manifestações, Lei nº 9/91, de 18 de Julho, quando preceitua que “todos os cidadãos podem, pacífica e livremente, exercer o seu direito de reunião e manifestação, SEM DEPENDÊNCIA DE QUALQUER AUTORIZAÇÃO NOS TERMOS DA LEI.

Mas infelizmente, esta não foi a primeira vez que as estruturas de poder e, inclusivamente, a polícia da República de Moçambique, através do Comando da cidade, procuram de forma expressa desencorajar o exercício do direito à manifestação. Durante a preparação da marcha que teve lugar no dia 18 de Junho de 2016 sob lema “Pelo Direito à Esperança”, organizada por um grupo de organizações da sociedade civil, para contestar a instabilidade política-militar, as dívidas ilegais e a violação da liberdade de expressão, a polícia agiu de forma a colocar os organizadores da marcha numa situação de incerteza quanto à protecção e de certeza quanto à repressão.

Depois de os organizadores terem recebido do Conselho Municipal da Cidade de Maputo (CMCM) o comunicado da marcha com as devidas assinaturas do Presidente do Município, decidiram, de boa-fé, apresentar ao Comando da Cidade o respectivo documento. Numa atitude, diga-se, sádica, nenhum funcionário da secretaria do Comando Geral da Polícia quis dar o visto de entrada ao documento, um formalismo simples, apenas confirmativo, exigido por lei a qualquer órgão de administração pública.

O mais caricato é que no meio do processo, dias antes da realização da marcha, um oficial da polícia ligou para um dos representantes das organizações informando que, caso não apresentassem o documento com as respectivas assinaturas do CMCM, a polícia iria reprimir com força e caninamente a marcha. Quer dizer, era a própria polícia a deitar cascas de banana para o cidadão infringir a lei.

Este comportamento da PRM demonstra um profundo desrespeito aos cidadãos e cidadãs que de bom grado e fazendo jus aos princípios da nossa República, fazem de tudo para respeitar a Constituição e a lei. E exclui a própria polícia do papel de agente principal na consolidação da paz, democracia e do Estado de Direito. Ademais, é necessário que se desculturalize a ideia equivocada de que a actuação da PRM é alheia à observância da lei e do respeito pelos Direitos Humanos; ao contrário, a sua existência é (ou deve ser) a prova viva da garantia da efectivação desses direitos.

Romão Kumenya

Um comentário a “A Polícia da República de Moçambique contra o Direito à Manifestação?”

  1. Mahiriri Osuka diz:

    É mesmo degradante ver a forma como a polícia se posiciona. Até parece que pode detrás daquela farda, daquele escudo de guerra, daquela arma de guerra, daqueles cães selvagens não reside um moçambicano que sabe que o seu salário poderia ter sido melhor se a hierarquia da sua corporação estivesse sobre uma gestão transparente.

    Enquanto isso, cumpre cegamente as suas obrigações e escusa-se de fazer o dever de casa que é o básico e simplesmente conhecer a constituição e as legislações de que regem o seu trabalho.

    Mas é óbvio que não paramos por aí.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Novos livros

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique