WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Texto 3

A aplicação da lei de violência doméstica em Moçambique: constrangimentos institucionais e culturais

(Síntese a partir dos slides)

Joaquim Nhampoca

(Departamento da Mulher e da Criança, Ministério do Interior)

 

Publicado em “Outras Vozes”, nº 41-42, Maio 2013

 

A experiência dos Gabinetes de Atendimento a Mulher e Criança (GAMC)

O que são?

  • Parte integrante do Departamento de Atendimento a Mulher e Criança;
  • Um órgão do Comando Geral da Polícia, criando em 2000, cujas iniciativas remontam de 1998 após a Conferência Mundial das Mulheres, realizada em 1995, em Beijing, na China.

Quais são as suas atribuições?

Segundo o Plano Estratégico da PRM 2003-2012, as suas atribuições são as seguintes:

  • Combate e Prevenção a Violência Doméstica;
  • Assistência as vítimas de violência doméstica, abuso sexual e tráfico de seres humanos;
  • Garantir a aplicação da lei e o acesso das vítimas à justiça legal;
  • Garantir a recolha e tratamento de informação;
  • Prevenir a delinquência juvenil.

Onde estão localizadas?

  • Nas Esquadras da Polícia;
  • Nos Postos Policiais
  • Nos Comandos Provinciais
  • Nos Comandos Distritais
  • Fora das Unidades Policiais acima indicadas, nas unidades sanitárias

Expansão da rede dos GAMC

Desde a sua criação, os GAMC conheceram uma larga expansão, que pode ser sumarizada nas seguintes etapas:

2000

  • Projecto-piloto, com apoio da UNICEF;
  • Criação de quatro (04) secções de atendimento: na Cidade de Maputo – 2 ª e 10 ª Esquadras da PRM; na Província de Maputo – 1ª Esquadra e Comando Distrital de Boane.

2001

  • O projecto estende-se para as Províncias de Gaza e Sofala com apoio da UNICEF, Save the Children Norway e da OSEO (Agencia Suíça)
  • Secção da 4ª Esquadra da Munhava

2003

  • Aberta a secção da 1ª Esquadra da cidade de Chimoio,  com o apoio da Save The Children Norway
  • Abertas as Secções de Nampula, Cabo Delgado e Niassa, com o apoio da Terre des Hommes da Alemanha;

2006

  • Construção do GAMC da cidade da Beira (Ponta Gêa) – apoio da Save the Children

2007 – 2012 – com apoio da UNICEF/Save the Children e da Cooperação Portuguesa, construção de Gabinetes modelo:

  • Cidade de Maputo (Alto – Maé)
  • Província de Maputo (Matola Santos)
  • Província de Gaza (Cidade de Xai-Xai e Chibuto)
  • Província de Sofala (Buzi, Caia, Gorongosa)
  • Província de Manica (Chimoio, Gurué, Barué, Mussorize)
  • Província de Tete (Cidade de Tete e Changara)
  • Província da Zambézia (Cidade de Quelimane e Maganja da Costa)
  • Província de Nampula (Cidade de Nampula)
  • Província de Niassa (Cidade de Lichinga)
  • Província de Cabo Delgado (Cidade de Pemba e Montepuez)

Em síntese, a situação actual da rede dos GAMC e sua localização pode ser visualizada através das seguintes tabelas:

 

Tabela 1: Gabinetes e Secções de Atendimento
Província Designação Local de funcionamento
Comando Provincial Gabinetes Secções nas Esquadras Secções nos Comandos Distritais Secções no Posto Policial Secções no Posto/ Hospital Total
Maputo Cid. 0 1 16 0 11 1 29
Maputo 0 1 9 8 13 1 32
Gaza 0 2 1 10 3 1 17
Inhambane 1 0 3 12 1 0 17
Sofala 0 5 1 9 2 1 18
Manica 0 4 2 6 0 1 13
Tete 0 2 3 11 1 0 17
Zambézia 0 3 3 15 1 1 23
Nampula 1 1 4 18 9 1 33
Niassa 0 1 1 15 0 1 18
Cabo Delgado 0 1 2 15 0 0 18
Total 2 21 45 119 41 8 236

 

Tabela 2: Gabinetes
Província Cidade Capital Comandos Distritais
Local
Maputo Cid. 1 Cidade
Maputo Prov. 1 Matola
Gaza 2 Xai-Xai Chibuto
Inhambane 0
Sofala 5 Beira Buzi, Caia e Marromeu, Gorongosa
Manica 4 Chimoio Barué, Gurro, Mussurize
Tete 2 Tete Changara
Zambézia 3 Quelimane Morrumbula, Maganja da Costa
Nampula 1 Nampula
Niassa 1 Lichinga
Cabo Delgado 1 Montepuez
Total 21

Casos de violência atendidos nos GAMC

Através de uma compilação com base no registo das denúncias, vejamos agora a Tabela 3, que mostra o número de casos atendidos nos GAMC em todo o no país.

 

Tabela 3: Casos de violência doméstica atendidos nos GAMC, de 2008 até Setembro de 2012

 

Tabela 3: Casos de violência doméstica atendidos nos GAMC

A tabela a seguir indica a tendência das queixas, segundo o sexo de quem denuncia.

Tabela 4: Tendência de evolução das denúncias, segundo o sexo das vítimas, de 2008 até Setembro de 2012

 

Tabela 4: Tendência de evolução das denúncias

No âmbito da violência doméstica, mas no que respeita às denúncias de crimes contra mulheres, os tipos de crimes mais frequentes são tratados na Tabela 5, enquanto na Tabela 6 se apresentam os casos criminais mais frequentes contra os homens.

 

 

Tabela 5: Violência contra mulheres, casos criminais mais frequentes, de Janeiro a Setembro de 2012
MC MP Ga In So Ma Te Za Na Ni CD
Violência física grave 35 44 10 33 7 15 24 34 80 19 21
Violência física simples 1687 318 205 284 413 98 202 204 515 152 71
Violência moral 127 43 28 17 51 118 27 7 114 20 3
Violência patrimonial 529 146 174 70 218 76 150 80 86 60 17
Violência psicológica 851 120 65 229 173 139 110 206 47 34 38
Violência social 58 45 8 9 252 25 9 19 19 1
Cópula não consentida 2 5 8 2 25 2 3
Copulação com transmissão de doenças 4 9 12 1
Violência sexual de mulher 9 5 2 4 21 2 18 12 5

 

Nota: MC – Maputo Cidade, MP – Maputo Província, Ga – Gaza, In – Inhambane, So – Sofala, Ma – Manica,
Te – Tete, Za – Zambézia, Na – Nampula, Ni – Niassa, CD – Cabo Delgado

 

 

Tabela 6: Violência contra homens, casos criminais mais frequentes, de Janeiro a Setembro de 2012
MC MP Ga In So Ma Te Za Na Ni CD
Violência física grave 7 5 6 5 31 1 1 19 6 8
Violência física simples 106 56 67 40 45 44 30 30 59 4 19
Violência moral 229 11 7 8 13 14 4 4 38 7 1
Violência patrimonial 103 34 40 14 51 220 42 42 27 17 7
Violência psicológica 215 58 26 61 43 101 37 37 25 22 11
Violência social 7 1 4 63 34 5 5 2

 

Nota: MC – Maputo Cidade, MP – Maputo Província, Ga – Gaza, In – Inhambane, So – Sofala, Ma – Manica,
Te – Tete, Za – Zambézia, Na – Nampula, Ni – Niassa, CD – Cabo Delgado

A Lei nº 29/2009, de 29 de Setembro

A Lei da Violência Doméstica praticada Contra a Mulher é o principal instrumento legal que orienta o funcionamento dos GAMC. Vejamos a seguir alguns problemas e obstáculos que influenciam o atendimento e a resolução dos casos.

Sob o ponto de vista da vítima:

  • A maioria das vítimas acorre à esquadra em momento de crises (em busca de socorro), aberto o processo, solicita a retirada da queixa (colidindo com a Natureza Pública da Lei);
  • A não comparência da vítima e do agressor, junto ao Ministério público, que não dá andamento ao processo por este motivo;
  • Em sede de julgamento as vítimas desmentem as declarações anteriormente feitas, por vezes mesmo com a sua assinatura nos autos de denúncia;
  • Nos casos em que há lugar a detenção do acusado, a vítima, juntamente com outros membros da família, manifestam descontentamento junto ao local de detenção;
  • Para os casos julgados com as penas comutadas em multa, as vítimas queixam-se de falta de assistência alimentar à família;
  • Recusa das vítimas em realizar exames médico-legais;
  •  Omissão das causas das lesões;
  • As vítimas que se apresentam nas Unidades Sanitárias, antes de virem à Polícia, raras vezes apresentam queixa, mesmo que recomendadas pelo profissional de saúde.

Sob o ponto de vista da legislação e das Instituições:

  • A natureza pública da lei parece colidir com a realidade sociocultural das nossas sociedades e os processos da constituição das famílias moçambicanas;
  • A não efectiva organização e preparação das instituições para fazer face aos procedimentos processuais, atendimento e assistência às vítimas de violência doméstica, conforme a lei;
  • A demora na resolução dos casos de violência doméstica, particularmente os sumários, agravando o sofrimento da vítima ou obrigando-a a uma reconciliação não pretendida;
  • O não domínio da lei e dos procedimentos inerentes ao atendimento as vítimas de violência dá lugar à preferência da modalidade “tradicional” de resolução de conflitos sociais;
  • A não aplicação de medidas cautelares em tempo útil e a ausência de serviços de apoio à vítima, acolhimento e assistência psicossocial, constitui um factor para as desistências;
  • A demora na emissão dos relatórios médico-legal, contrariando o princípio segundo o qual a violência doméstica é um caso de urgência médica;
  • Falta de espaços físicos apropriados, para o atendimento personalizado das vítimas de violência nas subunidades policiais;
  • A designação da lei, aos olhos do agressor e dos demais utentes, reduz a violência doméstica a um assunto da mulher e que visa protegê-la.

Desafios

Para terminar, considerando os obstáculos para a efectiva aplicação da Lei da Violência Doméstica praticada Contra a Mulher, e para a um combatente eficaz da violência contra as mulheres, lançamos alguns desafios:

  • Melhorar a qualidade de atendimento;
  • Desenvolver capacidade de respostas às solicitações de socorro;
  • Expandir os gabinetes modelos com prioridade para Cidade de Inhambane (em curso), Maxixe e Angoche (em processo);
  • Apetrechar as secções de atendimento junto às Esquadras da Polícia;
  • Consolidar a abertura de mais secções de atendimento junto aos hospitais e nas localidades;
  • Activação da Linha 111 (SOS);
  • Conciliar os aspectos socioculturais com os ditames da lei;
  • Aplicabilidade da lei, considerando o contexto específico das comunidades.

Pesquisa

Novidades

Campanha CEDAW

WLSA oferece: papel de parede para computadores

Lançada Agenda Mulher 2019

Lançamento Agenda Mulher 2019

Novos livros

Silenciando a discriminação

Capa do livro

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos publicados em "Outras Vozes" (entre 2002 e 2015).
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique