WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Mulheres Jovens sob Ataque (debate):

V Conferência Nacional da Rapariga:

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Mulheres Excedentárias

Recortes de imprensa

Maria José Arthur

 

Publicado em “Outras Vozes”, nº 6, Fevereiro de 2004

A aprovação da Lei de Família pelo Parlamento suscitou reacções várias que vão desde manifestações de agrado até ao mais vivo repúdio, como não poderia deixar de ser. Porque esta lei intervém para regulamentar a vida familiar, a vida “entre muros”, que, no entender de muitos, está acima da lei, e onde não compete ao Estado intervir. Mas este é um debate que temos tido desde que se iniciou o processo de revisão da Lei de Família e que não cabe aqui desenvolver. O que importa, quanto a mim, é registar as várias críticas que se vão publicamente fazendo, para que possamos entender melhor a natureza das objecções e os fins que as guiam. Neste sentido, chamo à atenção para o comentário de Sheik Aminuddin Mohamad, publicado no jornal Savana de 30/01/2004.

O título do texto é “Excedentárias”, o que traduz admiravelmente o seu conteúdo, já que o raciocínio se desenvolve em torno do “facto” de haver um excedente de mulheres em relação aos homens, para justificar a poligamia e lamentar que os legisladores a tenham deixado de lado na Lei de Família.

Comecemos então pelos “factos”.

As projecções da população em Moçambique para 2003 indicam que, para cada 100 mulheres, há 92,9 homens (INE, 2003, Anuário Estatístico 2002), ou então, exposto de outra maneira, a cada homem corresponde 1,08 mulheres. Portanto, para que um homem se possa casar com uma segunda mulher, tem que juntar os excedentes que correspondem a 12,5 homens (0,08 x 12,5 = 1). Se a estes complicadíssimos cálculos juntarmos o factor humano, a situação fica tão fora de controle, que qualquer tentativa de antecipar o caos que daqui resultaria só teria interesse como paródia.

Se pegarmos em mais dois dos exemplos avançados pelo Sheik Aminuddin Mohamad, vemos que também eles não correspondem ao que nos é dito no artigo:

 

Alemanha – Sex ratio, 2002
À nascença: 1,06 Homens/Mulher
Menos de 15 anos: 1,05 Homens/Mulher
15-64 anos: 1,03 Homens/Mulher
65 anos e mais: 0,64 Homens/Mulher
total da população: 0,96 Homens/Mulher (2002 est.)
(Fonte: http://www.worldlanguage.com/Countries/Germany.htm)

 

Estados Unidos – Sex ratio, 2002
À nascença: 1,05 Homens/Mulher
Menos de 15 anos: 1,05 Homens/Mulher
15-64 anos: 0,98 Homens/Mulher
65 anos e mais: 0,72 Homens/Mulher
total da população: 0,96 Homens/Mulher (2002 est.)
(Fonte: http://www.worldlanguage.com/Countries/UnitedStatesofAmerica.htm)

 

Como se pode constatar, nalgumas faixas etárias, a proporção de homens em relação às mulheres é maior ou então a diferença é insignificante. Por isso, descartemos de vez o argumento demográfico para explicar a necessidade da poligamia. Aliás, ao longo do próprio texto, outros argumentos vão surgindo, em suporte da tese central e, estes sim, são mais reveladores das ideologias e dos valores que suportam a dominação masculina sobre as mulheres. Assistimos a mais uma apologia do essencialismo1 para explicar não só porque é que homens e mulheres são diferentes, mas também porque é que os primeiros devem controlar estas últimas.

Basicamente, ficamos a saber que homens e mulheres têm os comportamentos determinados pela sua própria natureza, ou seja, que a masculinidade e a feminilidade são construídas fora da ordem social. Por isso, contrariar os apelos que daqui resultam é pouco sensato.

As mulheres são apresentadas como tendo por único fito na vida o casamento e a maternidade (“qualquer mulher aspira a ser chamada de mamã”), enquanto os homens se retratam como sendo polígamos por compulsão (“por natureza o homem africano é polígamo”). De passagem, faz-se também a apologia dos casamentos combinados entre pais (“a ideia de encontrar um marido para uma filha torna-se recomendável e digna de louvor, pois, às vezes, uma mulher jovem, devido à sua pouca experiência e falta de discernimento pode ficar em ‘banho-maria’ dissipando-se o seu sonho de infância, ou então continuar eternamente à espera de alguma proposta”). E finalmente, para dar mais ênfase a esta tese essencialista, para deixar bem claro que é de natureza que se está a falar, vão-se buscar exemplos elucidativos: “[Um] ganadeiro explicava-me que, por norma, deve existir um touro para cada vinte vacas. Mesmo noutro tipo de criação, seja ovina, caprina ou outra, cada macho cobre um grande número de fêmeas” (sublinhado por mim).

Se calhar o Sheik Aminuddin Mohamad não se deu conta do alcance do exemplo que apresentou, mas, quanto a mim, deixem-me dizer que estou farta destas comparações redutoras e insultuosas. O casamento não é o início de uma “criação de humanos” (em vez de bovina ou caprina), nem o marido é um macho reprodutor, mas um companheiro para a vida. O valor dos homens e das mulheres não se mede pela sua capacidade reprodutiva, mas pela sua inteligência, pela sua capacidade de amar e de se entregarem aos outros. Nunca consegui entender que perversão é essa que, por um lado, nos leva a exaltar os grandes feitos culturais da humanidade, enquanto por outro se invoca uma natureza básica, instintos primitivos e bárbaros, quando se trata de justificar instituições sociais do patriarcado.

O texto conclui, enumerando algumas das consequências do não reconhecimento da poligamia, nomeadamente:

  • As mulheres excedentárias metem-se com homens casados, sendo chamadas de “nomes esquisitos”, por exemplo, “amante”, “concubina”, “alfa”, “namorada”, “mãe solteira”.
  • As crianças deste tipo de uniões ficam abandonadas, sem protecção e acabam por ficar na rua, aumentando a “criminalidade infantil, a SIDA e outros males”.

O grande apelo final é que se repense a situação e se reconheça a poligamia. São directamente interpeladas as mulheres, a quem se pede que não sejam egoístas (“As mulheres não podem ser egoístas. Devem pensar nas suas irmãs solteiras, viúvas ou divorciadas”) e os legisladores, acusados de quererem “contrariar a natureza, fazendo vista grossa a um grande problema que afecta a sociedade”.

Lembramos somente que um dos fundamentos legais da Lei de Família é a Constituição, que garante que todos os cidadãos, independentemente do sexo, religião, raça, etc., gozem dos mesmos direitos. E um dos direitos básicos é serem tratados com a mesma dignidade e o mesmo respeito. Todas as leis ou regulamentos que contrariem estes princípios são anti-constitucionais, tal como o seria o reconhecimento do casamento poligâmico. Por muito que nos queiram fazer crer que a poligamia é um bem para as mulheres, a realidade tem outra face mais sinistra, feita de desigualdades, de humilhações, de controle. Não é preciso procurar muito para encontrá-la.

Se excedentárias somos em termos populacionais, mais vale então reconhecer toda a verdade, isto é, que já há muito somos também excedentárias do poder e excedentárias em relação aos recursos, estamos de fora das partilhas. Por consequência, não aceitar a poligamia faz parte da nossa recusa global em nos conformarmos com este estatuto de excedentárias, de marginais, de “estar a mais”.

 

Nota:
  1. A teoria essencialista defende que existe uma “essência” feminina e uma “essência” masculina, que seria comum a todas as mulheres e a todos os homens, independentemente da época histórica, da classe social, da raça, da zona de origem, etc. O “género”, como instrumento de análise, já demonstrou que existem múltiplas maneiras de ser homem e de ser mulher, cujas variações ocorrem ao longo do tempo e entre sociedades.
* * *

Pesquisa

Novidades

Campanha CEDAW

WLSA oferece: papel de parede para computadores

Papel de parede

Lançada Agenda Mulher 2019

Lançamento Agenda Mulher 2019

Novos livros

Silenciando a discriminação

Capa do livro

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique