WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

As meninas que ninguém protege

18
Abr
2014

Moçambique está em 7º lugar no mundo no que diz respeito ao número de casamentos prematuros. E nós, vamos continuar a olhar para o lado, pergunta a Feminista Durona num comentário publicado no jornal @ Verdade.

Li noutro dia uma entrevista de 2013 sobre os casamentos prematuros no Sudão, e era citado um ancião que dizia: “As meninas nascem para que a gente possa comer. Tudo o que quero é receber o meu dote”. Ele tinha forçado a sobrinha, de menor idade, a casar-se com um homem mais velho.

Esta fala deu-me que pensar. Em Moçambique, nunca vi ninguém que falasse dos casamentos prematuros dessa maneira. Mas também é verdade que isso não impede que o nosso país seja um “campeão” desta prática horrível de obrigar meninas novas a unirem-se a homens adultos. Por exemplo, quem sabe que, a nível mundial, Moçambique está em 7º lugar entre os países com maior incidência? As estatísticas nacionais confirmam e dizem: mais da metade das mulheres casam-se antes dos 18 anos. Destas, cerca de 2 duas em cada 10 casam-se antes dos 15 anos. As regiões centro e norte do país apresentam maior prevalência de casamentos prematuros.

A Feminista Durona e o casamento prematuroPara além de todos os problemas de acesso à saúde e à escola, de desigualdades sociais entre áreas rurais e urbanas e entre províncias, as crianças de sexo feminino ainda enfrentam os casamentos prematuros.

Sabemos que há pais que prometem a filha em casamento mal nasce e, por conta disso, recebem dinheiro e bens para ajudá-los com as despesas de alimentação e outras. Quando a criança, já com 10 ou 12 anos (às vezes mais cedo) é reclamada pelo “noivo”, ela é entregue.

Há informações também de que mesmo sem promessa de casamento, se aparecer algum homem com dinheiro e posses, os pais ou os responsáveis pela criança podem entregá-la para casamento.

Estes dados não são novos. Todos nós sabemos disso, por ouvir falar, porque conhecemos alguém que foi obrigado a casar-se, porque temos na família casos desses. E o que fazemos? Fazemos pouco ou quase nada.

Essas meninas obrigadas a casarem-se tão novas normalmente deixam a escola, começam a ter filhos muito cedo, com prejuízo para a sua saúde, e viverão o resto das suas vidas sem muita esperança e sem muitas alegrias. Terão um marido a quem servir, vários filhos de quem cuidar e alimentar. E, muitas vezes, por se casarem com homens já com outras esposas, terão que trabalhar para toda a família.

E nós continuamos a olhar para o lado. Dizemos que é a nossa cultura e que temos de respeitar. Dizemos que os pais é que sabem o que é melhor para as filhas. Dizemos que as coisas são mesmo assim e que nada se pode fazer.

Portanto, a realidade é essa. Por esse país fora, há muitas meninas a serem forçadas a casarem-se contra a sua vontade, para enfrentarem vidas difíceis. O futuro delas está comprometido, sem poderem estudar e decidir por si mesmas o que é melhor elas. Quem fala por elas? Quem as protege?

Uma matrona da Zambézia afirmou: “Só isto é dito pelos pais: ‘tem um homem que quer casar contigo’. Gostar, não gostar, só cala, não pode negar.”

Talvez seja altura de dizermos não e de exigirmos que sejam tomadas medidas para acabar com estes crimes contra as crianças. Talvez também tenhamos que começar a falar mais sobre o assunto, para que as meninas saibam que podem e devem dizer não a esses casamentos e para que os adultos, que devem protegê-las, entendam que o casamento prematuro não é mais aceitável no Moçambique democrático.

Já agora, nem sequer devíamos chamar essa prática de “casamento prematuro”. Quando alguém se casa, expressa a sua vontade. Neste caso, não seria melhor dizer que são “uniões forçadas de crianças”?.

feminista.durona@gmail.com

WLSA Moçambique

Publicado no jornal @ Verdade, edição nº 283, 18 de Abril de 2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique