WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Quem são os autores morais dos ataques contra as pessoas com albinismo?

06
Set
2016

A Perita Independente das Nações Unidas sobre os direitos humanos das pessoas com albinismo comenta a situação de Moçambique. Veja a seguir o texto divulgado pelas Nações e respectivos links para se inteirar melhor sobre o assunto.

Genebra (2 de Setembro de 2016) – A Perita Independente das Nações Unidas sobre os direitos humanos das pessoas com albinismo, Ikponwosa Ero disse hoje que apesar de todos os êxitos na luta contra os crimes contra as pessoas com albinismo em Moçambique, a sua situação continua precária. As autoridades ainda estão por identificar e deter os autores morais por trás de tais crimes.

“Acredita-se que os autores morais operam numa rede secreta transfronteiriça, mas poderosa, semelhante àquelas dos narcotraficantes. Até à data, nenhum destes foi capturado ou julgado. As redes estão ainda a ser identificadas”, disse a Perita no final da sua visita oficial a Moçambique.

A Perita também alertou que “enquanto há uma crença de que os autores morais são de fora de Moçambique, não existem factos suficientes que sustentem esta afirmação. Por conseguinte, deve-se ter o cuidado ao se fazerem tais presunções para evitar a alimentação de sentimentos xenófobos, particularmente contra os refugiados e migrantes que Moçambique acolha”.

Ero acrescentou que a grande maioria dos autores que foram processados até à data são cidadãos de Moçambique.

Durante a sua visita a Moçambique, Ero visitou Maputo, Nampula e Beira e se reuniu com as famílias das vítimas dos ataques, com pessoas com albinismo e suas famílias, e os detidos acusados de crimes contra as pessoas com albinismo. Ela também testemunhou um julgamento em curso envolvendo a tentativa de venda de uma parte do corpo de uma pessoa com albinismo. Ela disse que estava profundamente impressionada com o medo real que ela sentiu que existe entre as pessoas com albinismo.

“As pessoas com albinismo, desde a nascença e toda a vida até a morte, são caçadas e partes de seus corpos, que vão desde a sua cabeça até os seus dedos dos pés, seus cabelos, suas unhas e até suas fezes, são recolhidas”, disse ela. “Existe, portanto, um medo real entre as pessoas com albinismo em todo o país, em particular nas províncias com ataques relatados.”

Ero parabenizou a actual resposta do Governo à crise enfrentada por pessoas com albinismo. Ela elogiou em particular o Plano Multissectorial de Acção para abordar os ataques e o uso dos mecanismos pré-existentes, tais como grupos de referência. Ela acrescentou que o País parecia ter o maior número de casos que foram julgados nesta matéria na região, e saudou o facto que a legislação nacional “não pune só o tráfico de pessoas e órgãos, mas também o tráfico de partes do corpo.”

No entanto, ela advertiu que o plano de ação precisaria ser implementado de forma total e escrupulosa para que possa ter um impacto duradouro.

A Perita também destacou a discriminação de longa data contra as pessoas com albinismo “incluindo os casos de cuspir no chão depois de ver uma pessoa com albinismo, de evitar ter crianças com albinismo, e de se recusar a apertar a mão ou tocar as pessoas com albinismo segundo o tabu para evitar o contágio.”

Outra área de preocupação foi o papel dos curandeiros ou médicos tradicionais, disse ela.

“Enquanto os médicos tradicionais desempenham um papel crucial na cura e outros serviços relacionados com os cidadãos, muitas vezes não é claro quais práticas são puramente na área da medicina tradicional e quais são que se envolvem na bruxaria e outras práticas que podem levar a danos contra as pessoas com albinismo”, disse a Perita, chamando pela supervisão reforçada dos praticantes da medicina tradicional.

A perita disse que também foi surpreendida pela falta de consciência de programas e serviços existentes fornecidos pelo Governo. As pessoas com albinismo, organizações da sociedade civil, e também funcionários do Estado muitas vezes não tinham conhecimento sobre os serviços de saúde, ainda que limitados; ou da quota obrigatória de cinco por cento do emprego no sector público para pessoas com deficiência; nem do Plano Multissectorial de Acção de prevenção e protecção das pessoas com albinismo contra ataques.

“Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas têm o objectivo fundamental de não deixar ninguém para trás. Isso certamente significa deixar nenhuma pessoa com albinismo para trás. Espero que a os avanços alcançado por Moçambique continuem de modo a proteger os direitos das pessoas com albinismo, mesmo diante dos desafios econômicos e políticos”, disse ela.

A Perita Independente, que visitou Moçambique de 21 de Agosto a 3 de Setembro, irá produzir um relatório completo assim como recomendações que serão apresentadas ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em Março de 2017.

 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique