WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Chissano defende importância do empoderamento das mulheres e dos jovens

Desenho de Malangatane
07
Out
2013

Numa reunião de líderes africanos, reunidos em Adis Abeba, e ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano defendeu que o empoderamento das mulheres e dos jovens e a promoção dos direitos e da saúde sexual e reprodutiva para todos ajudarão África a reduzir a pobreza e a cumprir os seus objectivos de desenvolvimento.

Intervenção de Joaquim Chissano no encontro dos líderes africanos, realizado em Adis Abeba, 2013

As duras realidades não podem ser ignoradas quando em África se comemoram as realizações na área dos direitos humanos e empoderamento das mulheres, argumenta Joaquim Alberto Chissano, ex-presidente moçambicano.

Os líderes de governos Africanos encontraram-se na semana de 30 de Setembro a 4 de Outubro de 2013, em Adis Abeba, na Etiópia, para traçar uma agenda voltada para o futuro, baseando-se em compromissos assumidos no marco da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (ICPD, sigla da designação em inglês), realizada no Cairo em 1994. Nessa conferência, os governos colocaram os direitos humanos e o empoderamento das mulheres, incluindo os seus direitos e saúde reprodutiva, no centro das políticas de população e desenvolvimento sustentável.

“Como ex-presidente de Moçambique, associo-me aos meus colegas africanos no orgulho pelo progresso que atingimos. Políticas e programas inspirados pelo Cairo têm salvo e melhorado milhões de vidas em África. Eles têm sido as alavancas para o crescente dinamismo do nosso continente.

Mas mais precisa ser feito para garantir um futuro próspero — onde todas as pessoas possam desfrutar dos seus direitos, dignidade e saúde. O futuro de África está em jogo.

Duras realidades

Como co-presidente do High-Level Task Force para a ICPD, sei que se os nossos governos concordarem em defender os direitos e a saúde sexual e reprodutiva para todos, eles também ajudarão África reduzir a pobreza e a cumprir os seus objectivos de desenvolvimento, ao mesmo tempo que favorecem o crescimento económico actual.

Apesar dos nossos progressos recentes, terríveis realidades não podem ser ignoradas.

A África Subsaariana é responsável por mais da metade das 800 mortes maternas que ocorrem globalmente todos os dias. A taxa do aborto inseguro na região é a maior do mundo — mais de 5 milhões por ano – 25% dos quais é realizado em meninas adolescentes.

Mais de 45% de mulheres africanas e meninas sofreram violência física e/ou sexual ao longo da sua vida. Treze milhões de meninas africanas menores de 18 anos estão casadas, aumentando os riscos de engravidar cedo, de contágio pelo HIV, de persistente pobreza e violência doméstica. E mais de 4 milhões de jovens em África estão infectados com HIV.

Estes são problemas evitáveis com soluções de baixo custo. Resolvê-los é uma questão de liderança política, apoiada por recursos. Nenhum dos nossos países se pode dar ao luxo de ignorar oportunidades para fazer dos direitos e saúde sexual e reprodutiva uma realidade no século XXI.

Estas prioridades são chaves para libertar de forma cabal as energias e talentos do nosso povo, especialmente de mulheres e jovens. Eles devem ser os pilares de qualquer agenda de desenvolvimento global pós-2015 – para África e mais além.

citação J. Chissano

Quatro recomendações

A High-Level Task Force para a ICPD convida os líderes a considerar quatro recomendações políticas cruciais, para a transformação e desenvolvimento de África.

Primeiro, promulgar reformas legais e políticas que respeitem, protejam e providenciem direitos sexuais e reprodutivos para todos. Devemos revogar as barreiras jurídicas – incluindo restrições de acesso à contracepção e ao aborto seguro – que impedem as mulheres e as pessoas jovens de obterem os serviços sexuais e reprodutivos de que têm necessidade. Devemos rejeitar as normas sociais prejudiciais de controle sobre a sexualidade humana – incluindo aquelas relacionadas com a orientação sexual e identidade de género. Muitos dos nossos irmãos e irmãs enfrentam actos horríveis de violência e discriminação nesta base. Esta não é a África que queremos.

Em segundo lugar, acelerar o acesso universal a serviços de qualidade, a educação e a informação sobre saúde sexual e reprodutiva. Nenhuma mulher ou menina adolescente deveria morrer dando à luz, ou de complicações do aborto inseguro, um grande assassino das nossas mulheres e meninas. Esta é uma grave injustiça social: onde o aborto é ilegal, são as mulheres e meninas mais pobres que arriscam as suas vidas.

Em terceiro lugar, garantir o acesso universal à educação sexual abrangente para todos os jovens, tanto dentro como fora da escola. Serviços de saúde sexual e reprodutiva para a juventude e uma educação sexual abrangente, são chaves para capacitar 300 milhões de jovens africanos, prevenindo a gravidez precoce, parando a disseminação do HIV e promovendo a igualdade de género. Eles também são essenciais, conjuntamente com a educação de qualidade e decentes oportunidades de trabalho, para aproveitar ao máximo a janela de oportunidade demográfica de África.

Finalmente, é tempo de acabar com a violência contra mulheres e meninas e com a impunidade dos perpetradores. Devemo-nos concentrar na prevenção, colocando antes de mais um fim à violência contra mulheres e meninas. Para fazer isso, devemos envolver homens e meninos de todos os quadrantes. E temos que acabar com o casamento de crianças e a mutilação genital feminina no espaço de uma geração. Também é tempo de garantirmos o acesso universal a serviços críticos e acesso à justiça para todas as vítimas e sobreviventes da violência de género.

Os nossos líderes reunidos em Adis têm a oportunidade de adoptar um acordo que satisfaça plenamente as necessidades e direitos de todos — com o empoderamento de mulheres e jovens, e tendo os direitos e a saúde sexual e reprodutiva como enfoque. Isso colocará África no caminho certo para reforçar a resistência do nosso povo e das famílias, a vivacidade das nossas comunidades e o crescimento sustentável e inclusivo das nossas nações.”

Joaquim Chissano é ex-presidente de Moçambique (1986–2005) e co-presidente do High Level Task Force para a ICPD, um grupo de líderes do governo, da sociedade civil e do sector privado, trabalhando para garantir que os direitos e a saúde sexual e reprodutiva seja central para a agenda de desenvolvimento global.

 

Publicado a 1 de Outubro de 2013

 

Clique aqui para ler o artigo original (em inglês)

Um comentário a “Chissano defende importância do empoderamento das mulheres e dos jovens”

  1. Ximena Andrade diz:

    Isto chama-se liderança política! O saúdo com grande respeito e admiração Sr. Chissano

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique