WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Conferência Nacional da Rapariga: “Apostar na rapariga é apostar no futuro”

21
Dez
2015

Entre os dias 15 e 16 de Dezembro, na cidade de Maputo, realizou-se a II Conferência Nacional da Rapariga, que contou com a presença de representantes de todo o país, com o lema: “Apostar na rapariga é apostar no futuro”. O evento foi organizado pela Coligação para Eliminação dos Casamentos Prematuros (CECAP), com o apoio do FNUAP, DFID e UNICEF e várias Organizações da Sociedade Civil, juntamente com as raparigas das várias associações, grupos comunitários e grupos de escolas, a nível nacional.

A Conferência Nacional da Rapariga teve como objectivo principal reforçar o diálogo nacional sobre os direitos humanos das raparigas a fim de construir alternativas mais eficazes de garante de um ambiente em que as raparigas gozem duma vida digna, sã e plena.

Veja a seguir a carta lida por uma jovem, em nome das raparigas de Moçambique.

 

Carta de intervenção da rapariga

Apresentada pela Associação Horizonte Azul

É um privilégio imensurável estar aqui e falar como rapariga. Sei que milhares de raparigas no nosso país não sabem o que é ser rapariga, porque esta palavra representa uma conquista, significa que existimos, que estamos continuamente visibilizando e dando nomes aos problemas, e acima de tudo significa que somos sujeitas de direito.

Talvez devamos começar por falar das uniões forçadas que muitas e muitos de nós, aqui nesta sala, chamamos de “casamentos” prematuros: “porquê suavizar e decorar algo que é tão prejudicial à rapariga, atribuindo o nome de “casamento”? Porque é que tememos tanto usar palavras que dão significado ao problema que queremos enfrentar? Estas são algumas das questões sobre as quais devemos reflectir nesta conferência, como dar nomes realísticos aos problemas e não procurar o politicamente correcto.

No nosso país, Moçambique, não há segurança para as raparigas, os problemas são enfeitados e atribuídos nomes que ofuscam a realidade. Ao abordarmos as uniões forçadas devemos conectá-las aos diferentes problemas que as raparigas enfrentam, tanto nas áreas urbanas assim como nas rurais, a maternidade precoce, as fístulas obstétricas, a mortalidade materna, as infecções pelo HIV e SIDA, a abstinência escolar, a violação sexual, a insegurança urbana, a prostituição infantil, o trabalho infantil e o tráfico de órgãos humanos.

Muitas de nós estudamos à noite, corremos riscos de sermos violadas, estupradas, assaltadas assassinadas nas ruas e becos onde a polícia não se encontra presente nem sequer representada, pois, no nosso país, a noite não pertence às raparigas, nem mesmo o dia.

E aí, Moçambique, se não temos o dia nem a noite, o que temos então?

Todos os dias assistimos a reportagens sobre violação sexual de bebés, crianças, adolescentes, jovens, e até as mulheres idosas não escapam. Afinal onde estamos? E os agressores continuam soltos e muitos deles ficam nas barracas a consumir 3-100 e depois nós é que sofremos.

Nós, raparigas, exigimos o direito de viver a nossa meninice em segurança. Não matem a nossa infância, a nossa adolescência, nós queremos construir memórias sobre as nossas brincadeiras, sobre as nossas leituras, sobre os nossos sonhos, para inspirar outras raparigas. Não queremos fazer parte das estatísticas das uniões forçadas ou da mortalidade materna.

Uma em cada quatro mortes, isto é, 24% das mortes que ocorrem dos 15 aos 19 anos é atribuída a causa materna. É inaceitável que continuemos a perpetuar esta injustiça no nosso país.

Devíamos estar na escola, mas somos parte desta triste realidade que pode ser evitada. Que desenvolvimento almejam? Se asfixiam o progresso da rapariga, não oferecem ambiente para que possa estudar e planificar o seu futuro.

O desenvolvimento do país não pode ser medido apenas pelo gás, carvão, algodão, petróleo. Realmente, não percebemos nada sobre esses assuntos da micro/macro economia, mas entendemos que as nossas vidas e a nossa infância devem ser vividas com respeito e dignidade. O desenvolvimento só será alcançado se cuidarem das raparigas, respeitando os seus direitos. Enquanto não reconhecerem e entenderem isso, não se pode falar em desenvolvimento e muito menos de direitos humanos no nosso país.

Em Moçambique faltam escolas, faltam hospitais, ruas iluminadas em boas condições, faltam habitações sociais, falta energia, falta transporte, mas em contrapartida não faltam carros de luxo, banquetes, mansões a perder de vista, dirigentes que alienam bens públicos e privatização dos espaços públicos.

Esta conferência deve ser um espaço para exigirmos um compromisso do Estado, não queremos soluções morais, que só estão no papel, que não geram responsabilidades. Queremos acções concretas que favoreçam a eliminação das uniões forçadas, da violência, da insegurança, da desistência escolar, da mortalidade materna, e, acima de tudo, que encarem os problemas como eles são e que parem de culpar as raparigas. Que esta conferência contribua para melhorar a situação das raparigas. Queremos ser visíveis, participar em tudo o que tem a ver com a rapariga, não queremos um país de ninguém.

 

Nada sobre nós sem nós

Nossas vozes, nossos sonhos, raparigas inspirando raparigas,

Pelas raparigas de hoje e de amanhã, seguiremos em marcha até que todas sejamos livres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique