WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Contra a violação dos direitos das raparigas nas escolas

18
Mar
2016

O Fórum Mulher e outras organizações da sociedade civil emitiram no passado dia 17 de Março um comunicado em que se posicionam contra a violência contra as raparigas nas escolas, que tem vindo a aumentar e tornam o espaço escolar agressivo e hostil para as meninas. Veja a seguir.

Comunicado de Imprensa

17 de Março 2016

Mulheres e raparigas dão um Basta com a violação dos seus direitos nas escolas

Nos últimos anos, temos assistido a tendências de restrição dos direitos das mulheres e raparigas nas escolas. Referimo-nos concretamente ao Despacho nº 39, que obriga as estudantes grávidas a serem compulsivamente transferidas para o curso nocturno, aos castigos corporais insultuosos e degradantes impostos às meninas por alguns professores, ao aumento do assédio sexual, à afectação em massa de adolescentes de ambos os sexos para as classes nocturnas alegadamente por falta de vagas, com a consequente desistência escolar, e ao controlo do vestuário das raparigas.

Em relação a este último aspecto e mais recentemente, vimos a publicação no jornal Noticias, da quinta-feira, 10 de Março de 2016, de um texto escrito por Anabela Massingue sobre a suposta obrigatoriedade do uso de maxi saias (saias compridas até aos calcanhares) nalgumas escolas de ensino secundário da Cidade de Maputo. A notícia destacou o acolhimento e a celebração desta medida por parte de alguns professores, alunas e encarregados de educação pelo facto de se dar um basta às “saias curtas”. Aliás, o único contraponto na notícia apresentada foi o factor económico, na medida em que a maxi-saia teria um custo adicional para as famílias das raparigas. Ninguém questionou a violação dos direitos das raparigas.

Fazendo eco desta notícia, outro órgão de comunicação social, a TV Miramar, no seu noticiário do dia 10 de Março, saudou esta medida de controlo do vestuário, dizendo que “já vinha tarde” e seria importante para “devolver a moral na sociedade”.

Nossa perspectiva

Nós, Movimento de Mulheres e organizações da sociedade civil que lutamos pelos direitos humanos, pensamos que é preocupante que se estejam a coarctar os direitos humanos das mulheres e raparigas nas escolas, enquanto ao mesmo tempo as políticas oficiais defendem uma maior inclusão e têm como prioridade a redução do insucesso e desistência escolar.

Esta situação e mais concretamente esta medida de controlo do vestuário, é o reflexo do que ocorre na sociedade na medida em que existe uma aceitação e legitimação de práticas de controlo do corpo das mulheres e raparigas.

Convém lembrar que, de maneira não oficial, já existe um controlo do vestuário das mulheres que acedem às instituições públicas, que não podem, por exemplo, usar manga cava. Esta proibição é extensível mesmo às unidades sanitárias, onde é negada a assistência médica às mulheres se não vierem trajadas de “maneira conveniente”.

Se o controlo do vestuário é justificado pela segurança das raparigas, como é que se explica a ausência de responsabilização das instituições de educação e polícia pela insegurança vivida pelas raparigas dentro das escolas, no caminho de e para as escolas, de dia e de noite. Por outro lado, se a justificação tem a ver com a “desconcentração” dos professores nas aulas pela visão do corpo feminino (neste caso de crianças!), parece-nos que o problema está em ensinar os professores a respeitar as suas alunas e a lei e a penalizar os infractores.

Se o tamanho da saia da rapariga é defendido como um factor de protecção da mesma, então estranha-se o facto de que no curso nocturno não exista a obrigatoriedade do uso do uniforme, sendo este o período em que mais insegurança é vivenciada pelas estudantes.

É importante repensar toda esta situação e reverter as medidas, normas e práticas que discriminam as mulheres e raparigas, punindo os infractores de acordo com as leis nacionais. É inaceitável que a escola se mantenha como um lugar hostil e violento para a rapariga. O controlo do vestuário é só mais uma manifestação da violação dos direitos humanos que já existe.

Nossa Demanda

  1. Exigimos a responsabilização criminal dos professores perpetradores de violência contra as mulheres e raparigas, bem como dos cúmplices e encobridores destes crimes sexuais; estes casos, relativos à segurança pessoal, devem ter prioridade no sistema da justiça;
  2. Para além dos processos criminais, reclamamos que se estabeleçam processos disciplinares e, nos casos em que aplique, a expulsão dos professores perpetradore Condenamos a reiterada prática de transferência do professor incriminado, uma vez que neste último caso se garante a legitimação de práticas que constituem crime e violam os direitos das raparigas num outro espaço escolar;
  3. Responsabilizamos o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano na sua qualidade de guardião do direito constitucional à educação, pela fiscalização das escolas para assegurar o exercício dos direitos por parte das raparigas e evitar o abuso do poder das instituições de ensino, para que as escolas sejam um lugar acolhedor e seguro para todas e todos;
  4. Retirada imediata das normativas nas escolas que impliquem um controlo e limitação do exercício de direitos com base na indumentária das mulheres e raparigas.

Próximos passos nesta Campanha:

  1. Pedido de audiência ao Ministro da Educação
  2. Recolha de evidências nas Escolas
  3. Acção Pública e Conferência de Imprensa, na Escola Francisco Manyanga no dia 18 de Março pelas 11 horas.

Cartaz da manifestação

Em marcha até que nossos direitos humanos sejam respeitados!

Para mais contactos:

Unaiti Jaime: 823009959 e-mail: unaiti@yahoo.com.br Movimento das Jovens Feministas de Moçambique

Maira Domingos: 825809150 e-mail: mairalange@gmail.com ou maira@forumulher.org.mz

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Novos livros

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique