WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

CSW 56: Empoderamento da mulher rural

Desenho de Malangatane
05
Abr
2012

A CSW (Comissão Para o Estatuto das Mulheres) das Nações Unidas reuniu-se na sua 56ª sessão anual, em Nova York de 27 de Fevereiro a 9 de Março de 2012. O tema foi o empoderamento da mulher rural. A WLSA Moçambique esteve presente.

 

A CSW (Comissão Para os Estatutos das Mulheres) foi criada com o objectivo de preparar recomendações e relatórios ao ECOSOC (Conselho Económico e Social das Nações Unidas) para a promoção dos direitos das mulheres nas áreas política, económica, civil, social e educacional e ainda para fazer recomendações aos Estados Membros sobre problemas urgentes que requerem atenção imediata no campo dos direitos das mulheres. O principal resultado das reuniões da CSW são as chamadas “Agreed Conclusions” (Conclusões Acordadas) sobre o tema prioritário anualmente definido.

O Comité das ONGs para o Estatuto das Mulheres é uma corporação sem fins lucrativos estabelecida em Nova York em 1972, como um comité da Conferência das ONGs, com estatuto consultivo nas Nações Unidas. Este Comité apoia a Comissão da ONU para o Estatuto das Mulheres e desenvolve acções para a promoção dos direitos das mulheres e o seu avanço no mundo.

Em 2012 o tema em debate foi “O empoderamento”[1] das mulheres rurais e o seu papel na erradicação da pobreza e fome: contribuição para o desenvolvimento e desafios do presente”. Participaram nesta 56ª sessão, que decorreu em Nova York, de 27 de Fevereiro a 9 de Março de 2012, cerca de 2055 pessoas, representando 429 ONGs (até ao dia 8 de Março).

A participação das organizações da sociedade civil em eventos paralelos tem por objectivo principal não só fazer lobby e advocacia junto das suas delegações oficiais dos Estados membros para as áreas de preocupação que ainda não estão sendo implementadas pelos Governos ou que não estão incluídas nos documentos oficiais, mas também desenvolver o networking e trocar experiências com outras ONGs de todo o mundo, sobre problemas comuns e partilhar experiências, lições aprendidas e boas práticas sobre vários temas.

Ao longo deste evento, tanto nas sessões da sociedade civil, como nas sessões oficiais governamentais, sublinhou-se que as mulheres são agentes e líderes das mudanças, mas que se torna necessário que os governos defendam e implementem políticas com orçamentos para o reforço do poder das mulheres rurais. As mulheres rurais têm pouco acesso à informação, à terra, aos insumos agrícolas, extensão agrária e novas tecnologias. Se as mulheres rurais tivessem acesso aos recursos produtivos, a produção agrícola aumentaria até 4%, o que diminuiria o número de indivíduos com fome no mundo em 17%. Seria um passo importante para reduzir a insegurança alimentar.

Três questões candentes estiveram também no centro do debate, podendo vir a integrar ou não o documento final:

  • Direitos Humanos das Mulheres versus Empoderamento das Mulheres
  • Direitos Sexuais e Reprodutivos
  • Usurpação de Terras

Os dois primeiros temas estão configurados numa linguagem de defesa plena de direitos e oportunidades (não apenas potenciar ou reforçar o poder) para as mulheres e minorias sexuais e visam a demanda de um espaço para que as suas vozes sejam ouvidas, tenham autonomia, possam decidir sobre o seu próprio corpo e participem nos processos de tomada de decisão. Denunciam e apregoam o fim da violação baseada na orientação sexual e identidade de género, que os coloca numa situação de vulnerabilidade, discriminação e abuso.

O último tema clama pelo fim da usurpação de terras dos camponeses em vários países, principalmente na região africana, asiática e latino-americana, por parte de investimentos estrangeiros, sob o pretexto de trazer desenvolvimento e novos postos de trabalho.

Mais informações sobre a 56ª sessão da CSW (em inglês): http://www.un.org/womenwatch/daw/csw/56sess.htm

WLSA Moçambique

 

Nota:

[1] Empoderamento: reforço do poder.

Um comentário a “CSW 56: Empoderamento da mulher rural”

  1. paulo john diz:

    quero concordar com o reforco do transpasse da responsabilidade do poder para a mulher que tao legitimo. sendo necessario que as politicas e ideologias do mercado liberalizado ou se quizer o neoliberalismo sejam claras, pelo facto destas encobertarem uma concorrencia injusta, isto, um pobre que concorre com o rico no mesmo espaco……….Facto que nos remete a indagacao, qual o espaco da mulher entre os pobres?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique