WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Democracia na rua, cultura em casa

Desenho de Malangatane
06
Set
2012

Este texto questiona o campo familiar, regido por um poder patriarcal, que nega a igualdade e defende hierarquias que justificam a existência de privilégios masculinos.

 

É irrefutável que a democracia é considerada, em todo o mundo, como indispensável para o desenvolvimento humano, porque constitui a base para a garantia das liberdades fundamentais dos indivíduos, dando oportunidade a todo o ser humano, de exigir a liberdade, a igualdade e a autonomia. Isto é, a democracia dá oportunidade para que homens e mulheres lutem pela defesa da sua cidadania.

O facto é que ao nível das relações familiares, já não se fala em democracia. Quando a questão é democratizar relações entre homens e mulheres, papéis e funções sociais, a democracia é silenciada ou posta de lado. O tipo de governação que rege as relações familiares é patriarcal: poder nas mãos do patriarca ou seja, do homem, quer seja pai, namorado, ou marido. O poder patriarcal é ditatorial e não democrático, portanto, nega a igualdade e defende hierarquias que justificam a existência de privilégios masculinos.

A vida na família é regida com base em status (posições, lugares) e papéis (comportamento esperados) socialmente elaborados e que, transmitidos de geração em geração, passam a ser percebidos como naturais. Às mulheres/meninas e aos meninos/homens é-lhes reservado uma posição bem definida na sociedade e, em função dessa posição, espera-se um certo tipo de comportamento. Qualquer comportamento que não condiz com o status do indivíduo é punido socialmente. Esta punição assume várias formas, podendo culminar em violência, como um mecanismo de controlo e de manutenção do status quo.

No quotidiano das relações sociais, é frequente ouvir expressões desta natureza: “a mulher pode ter estudado mas em casa ela é sempre mulher” ou “ela é chefe lá no serviço mas em casa o homem é que manda”. Estas e outras expressões são uma demonstração da fronteira social entre o espaço público e privado, demonstrando uma clara resistência às relações familiares baseadas no diálogo, nas decisões negociadas e consentidas e na partilha de trabalhos domésticos.

É verdade que há uma aceitação, pelo menos ao nível discursivo, da necessidade de igualdade de género no espaço público: acesso à educação, ao emprego, a posições de chefias, etc. Se já se olham com uma certa normalidade mulheres em posições de liderança como parlamentares, governadoras, se já há uma certa democratização dos papéis no espaço público, essa democracia é claramente recusada no espaço doméstico.

Infelizmente, o campo familiar é ainda caracterizado por situações flagrantes de violação de direitos das mulheres. A violência de género é chamada para repor a ordem em casos em que se registam situações que rompem com as delimitações de espaços, papéis, competências e responsabilidades atribuídas a mulheres, homens, meninas e meninos.

Embora possam não revelar a real situação de violência em Moçambique, uma vez que nem todas as mulheres que sofrem agressões denunciam, os dados estatísticos apresentados pelo Procurador-Geral da República, referentes ao ano 2011, mostram que a situação ainda é dramática. Em 2011 os Gabinetes de Atendimento de Mulheres e Crianças Vítimas de Violência atenderam 22.726 cidadãos (os dados não estão detalhados por sexo), dos quais resultaram 2.053 processos-crime (contra 643 de 2010). Algumas das denúncias deram origem a processos cíveis e outros procedimentos. Houve 338 processos-crime de violação de menores, atentado ao pudor e estupro, dos quais 158 foram julgados e os réus condenados a penas entre 2 a 16 anos.[1]

Estes dados mostram que ao nível dos Gabinetes há uma certa sensibilidade da polícia no atendimento às vítimas da violência doméstica uma vez que, pelo menos num universo de 22.726 casos atendidos, 2.053 resultaram em processos-crime e outros em processos cíveis, revelando uma certa melhoria no atendimento às vítimas. Contudo, em alguns Gabinetes, quando recebem casos de violência doméstica entre casais, normalmente encaminham-nos para uma resolução ao nível familiar, e só lavram autos dependendo da frequência da violência. Aliás, algumas agentes dos Gabinetes da Cidade de Maputo afirmaram que “os casos de brigas entre casais enviamos para o círculo do bairro”. Em outras situações, muitos casos de violência doméstica constam do livro de ocorrências como sendo que “a vítima desistiu do processo”, desconhecendo a agente que, tratando-se de crime público, a lei veda a possibilidade de desistência do procedimento criminal.[2]

Essa forma de olhar e tratar situações de violência doméstica, que infelizmente ainda persiste em alguns GAMC, pode revelar mais do que um simples desconhecimento da lei, mas a influência dos valores socialmente partilhados que remetem situações de violência ao espaço privado e a violência como legítimo mecanismo pedagógico para ensinar às mulheres a respeitarem os seus papéis e a reconhecer os seus limites no exercício de poder.

Em suma, a “democracia na rua”, pelo menos no discurso, não é contestada, mas para que essa democracia governe de facto as relações ao nível doméstico ainda há muita luta pela frente. Como se a família, a casa e as mulheres fossem o reduto da cultura.

Por Alberto S. Cumbi

 

Notas:

[1] Informação disponível em: Procurador revela estatísticas sobre violência de género (9 de Junho 2012).
[2] Informe sobre as actividades de monitoria e avaliação dos agentes da polícia em serviço em 11 GAMC, Cidade de Maputo, realizada em Fevereiro de 2012.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique