WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Depois da feminização do SIDA, temos a feminização da culpa

Desenho de Malangatane
06
Jan
2007

Ao longo dos últimos anos, ficou clara a emergência do fenómeno da “feminização da SIDA”, o que significa que as pessoas contaminadas com o HIV são não só mais jovens, como também mulheres.

O reconhecimento desta situação, devido sobretudo à vulnerabilidade física das mulheres e à estrutura das relações de género que as privam de poder para decidir sobre o seu próprio corpo, tem estado na origem de um conjunto de iniciativas, entre as quais a criação de um grupo especial de trabalho a mando do Secretário Geral das Nações Unidas. Entretanto, internamente, ao longo das várias iniciativas governamentais, ao nível nacional e provincial, o problema da feminização da SIDA e a desigualdade de poder entre os géneros, não são sequer abordados.

Apesar de toda a proclamada preocupação com a expansão desta doença, nenhuma intervenção oficial pôs o dedo na ferida, para desvendar uma das razões da sua propagação descontrolada: a estrutura e os valores patriarcais, que valorizam uma masculinidade agressiva e a submissão feminina. Ao invés, nos últimos meses, os órgãos de comunicação social têm passado insistentemente a mensagem, vinda de vários sectores da sociedade, de que as raparigas e as mulheres contribuem para a rápida expansão da epidemia do SIDA, por causa da maneira como se vestem. Aliás, este tema já foi discutido na edição 14 do nosso boletim, através da divulgação de um comunicado público do Fórum Mulher.

Não é a primeira vez e provavelmente nem será a última, que em momentos de crise na sociedade as pessoas busquem culpados em quem atribuir a responsabilidade, ao mesmo tempo que denunciam a “degradação de valores morais e culturais”. É como acontece na caça às bruxas: a crença num universo moral, onde o mal é sempre merecido, dita a procura dos que violaram interditos ou faltaram com os seus deveres, dos estrangeiros ou dos oprimidos, que teriam motivos para se vingarem. E assim, numa altura em que a SIDA mata e afecta cada vez mais as sociedades em Moçambique, encontraram-se as culpadas: as mulheres/raparigas que usam roupas que deixam o corpo à mostra e que por esta via provocam os homens e fomentam a prostituição. Desta maneira se assiste à feminização da culpa, depois de já se ter consumado a feminização da SIDA.

E portanto, mais uma vez, as mulheres passam de vítimas a culpadas dos próprios problemas que as afligem. Isto não é nada de novo, já vimos que o mesmo se passa com problemas como a violência contra as mulheres: se uma mulher é violada sexualmente, foi ela que provocou, ou porque andava na rua “fora de horas” ou porque se vestia de “maneira imprópria”; se ela é agredida pelo marido é porque não o respeitou ou não cumpriu com as suas obrigações. Portanto, culpar as mulheres dos males que as afectam e afectam a sociedade, não é nada de novo. Assim como não é novo (aliás, é velho como o mundo) o controle sobre os corpos femininos, que tem a sua face mais visível no controle do vestuário, mas que se exerce sobretudo no campo da sexualidade e da reprodução.

E por que é que ninguém aponta o dedo aos homens que compulsivamente necessitam de ter várias parceiras, aos que corrompem menores (muitas vezes com menos de 12 anos), aos que violentam e violam as suas mulheres? Por que estes são comportamentos “legítimos”! A sociedade, a maioria dos homens e das mulheres, acham-nos “normais”.

Perante este debate público, o que fazem os órgãos de comunicação? Simplesmente reproduzem (e por vezes selectivamente!) o que é dito, mas ninguém educa. E o que fazem as autoridades? Também não vimos ninguém aparecer em público a tentar contrariar estas opiniões preconceituosas sobre a maldade e a culpa das mulheres/raparigas na propagação da SIDA. Já se ouve falar de desacatos nos bairros, nas cidades e no campo, dirigidos contra mulheres e raparigas que as autoridades locais (às vezes são os indivíduos do policiamento comunitário ou então simples transeuntes) consideram estar “mal” vestidas. Se nada for feito, vamos assistir a um recrudescimento destes tipo de violações, criando-se um clima ainda menos seguro para as mulheres. Nós, como feministas e activistas dos direitos humanos das mulheres, temos o dever de não calar.

Maria José Arthur
Maio de 2006

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique