WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Gestão da higiene menstrual na escola

05
Jun
2015

O tema da menstruação, das necessidades das raparigas e da higiene menstrual tem sido sistematicamente ocultado, mercê de vários tabus a ele relacionados. Preocupadas com a questão, várias organizações da sociedade civil incluíram este tema na sua agenda. Veja a seguir um resumo das conclusões de um estudo realizado na cidade de Maputo.

A comunicação de Zito Mugabe, em 2012 (clique aqui para descarregar o documento) refere-se à situação em escolas na cidade de Maputo.

Em primeiro lugar, o autor destaca a falta de informação das raparigas sobre a menstruação:

  • 85 % das alunas afirmaram que as mães não lhes explicaram sobre o que fazer quando estiverem no período menstrual mesmo quando apresentam dores pré menstruais, limitando-se a dar respostas evasivas;
  • Cerca de 70% buscam informações sobre a menstruação junto às suas colegas e irmãs mais velhas que às vezes também não possuem dados fiáveis;
  • 15% têm recorrido a tias mais próximas.

A maioria das mães assume que é responsabilidade dos professores falarem sobre a menstruação na escola, enquanto estes, por sua vez, não se sentem na obrigação de apoiá-las, pois acham que é tarefa e obrigação dos pais falarem destes assuntos com as filhas.

Para a compra de absorventes higiénicos, 60% das alunas afirmaram que têm recorrido às irmãs mais velhas, pois as mães foram descritas como as que menos compram absorventes higiénicos para as filhas.

Em segundo lugar, o autor aponta as consequências da falta de informação:

  • Para a maioria das raparigas a menstruação é considerada como fonte de medo, preocupação e de stress, aliado a diferentes tabus culturais;
  • É tratada como um assunto vergonhoso e é abordado com timidez e num ambiente restrito e pré seleccionado;
  • Estes sentimentos (medo e stress) têm provocado problemas emocionais das próprias adolescentes e afectam o seu ambiente social e escolar.

Em terceiro lugar, Mugabe refere-se às instalações sanitárias escolares, que foram consideradas inadequadas, sem privacidade, em más condições de segurança e sem facilidades criadas para a higiene menstrual, e que o seu uso tem contribuído para a baixa auto-estima das alunas, o que afecta o rendimento escolar, e não as ajuda a enfrentarem os mitos e os tabus relacionados com a menstruação.

Por isso, entre as soluções adoptadas pelas alunas, uma delas é faltar às aulas durante período menstrual.

Aquelas que decidem ir à escola, visto a falta de condições dos sanitários, voltam muitas vezes para casa envergonhadas pelo seu próprio odor corporal causados pelo deslizamento ou má colocação do absorvente ou devido a manchas de sangue nos seus uniformes, fazendo delas motivo de troça dos outros alunos. Uma estratégia é usar muitas camadas de roupas escuras para ocultar o seu estado e sempre quando saem da aula tentam ser as últimas para saberem como se recompor se notarem que a roupa está manchada. Outras, porque são vistas de forma negativa pelos colegas, isolam-se ou escondem-se das suas amizades escolares diárias.

As recomendações vão no sentido de colocar a higiene menstrual como uma prioridade e criar condições para garantir que as raparigas se sintam seguras e vivenciem o período menstrual com dignidade, sem vergonha nem temor e sem que sejam afectadas no seu desempenho escolar. Outra recomendação é de garantir material de apoio para a sensibilização das crianças sobre a higiene em geral e em particular sobre Saúde Sexual Reprodutiva, incluindo a gestão menstrual.

É de lembrar que, sobre o tema, a OMS destaca que: “A gestão e higiene menstrual é uma questão que não é suficientemente reconhecida e muito pouco abordada, também não tem recebido a atenção adequada na saúde reprodutiva, no abastecimento de água, saneamento e promoção de higiene na África Sub-Sahariana. A sua relação e impacto no alcance dos objectivos/metas do desenvolvimento do milénio raramente são reconhecidos”.

A WaterAid, a ROSC, o MEPT e a WSUP organizaram em Maputo um debate aberto sobre a gestão da higiene menstrual na escola, no passado dia 28 de Maio, que também é o Dia da Higiene Menstrual, que “foi instituído por uma Plataforma Mundial de organizações como uma data para ajudar a quebrar o silêncio à volta dos mitos e tabus ligados à higiene menstrual, encontrar formas de superar os desafios e as dificuldades que muitas mulheres e raparigas enfrentam, bem como destacar soluções positivas e inovadoras”.

 
Leia mais sobre o tema:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique