WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Implementação do CEDAW em Moçambique

Desenho de Malangatane
09
Mai
2007

Um grupo de ONG’s moçambicanas que trabalham na área dos direitos humanos das mulheres elaboraram um relatório sombra sobre a implementação do CEDAW, em paralelo ao relatório governamental.

No dia 23 de Maio de 2007 uma delegação do Governo moçambicano apresentou perante o Comité do CEDAW nas Nações Unidas, em Nova Iorque, o relatório sobre a implementação da Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres (CEDAW) para o período 2003-2006. O relatório alternativo da sociedade civil, que a seguir se apresenta, serviu de suporte à avaliação do Comité.

Em Junho de 2006, a WLSA Moçambique foi contactada pelo IWRAW (International Women’s Rights Action Watch Asia Pacific) com vista a elaborar o relatório sombra para o comité do CEDAW sobre o relatório governamental em Moçambique em relação à implementação do CEDAW. Após consultar os órgãos sociais da WLSA e tomando em conta que esta actividade seria um grande desafio para a sociedade civil, a WLSA aceitou o convite. A decisão de participar nesta actividade foi motivada pelo nosso desejo de contribuir para uma análise multifacetada do exercício dos direitos das mulheres em Moçambique do ponto de vista da sociedade civil, portanto tentando um levantamento de outras perspectivas e interesse das mulheres nas discussões, dentro de um marco de relacionamento com o governo moçambicano.

Em Julho de 2006, a WLSA enviou ao IWRAW as principais áreas críticas a serem integradas no relatório e começou por identificar parceiros para, colectivamente, participarem no relatório sombra. O IWRAW apoiou a WLSA enviando os principais documentos e linhas de orientação para seleccionar as ONG’s para elaborarem o relatório. Os principais assuntos de interesse ao nosso trabalho foram relativos a: i) passos a serem seguidos para elaboração do relatório sombra; ii) definir maiores obstáculos que impedem igualdade de género em Moçambique; iii) seleccionar e analisar informações alternativas; iv) coordenar todos os relatórios parciais; v) escrever o relatório sombra.

Baseamos o nosso relatório em estudos já realizados com informações da situação real da mulher, no impacto e progresso, nas lacunas em políticas e sua implementação. Nós acreditamos que este relatório sombra ajudaria membros dentro do comité CEDAW no levantamento de certos assuntos controversos que não estão apresentados no relatório oficial ou para avaliar a validade e veracidade dos relatórios governamentais, dada a informação alternativa proporcionada pelas ONG’s.

Não foi uma tarefa fácil, visto que não há ONG’s especializadas em algumas áreas, como saúde e mulher rural e informações alternativas foram escassas. O relatório ficou pronto em Fevereiro de 2007 depois da validação pelas ONG’s envolvidas e enviado ao IWRAW. Foi decidido publicar algumas partes do relatório no boletim “Outras Vozes” da WLSA em Abril de 2007, permitindo o público o conhecimento do nosso trabalho, sendo a primeira vez na nossa vida política, que ONG’s criticam o relatório governamental.

PARTICIPAÇÃO NAS SESSÕES DO CEDAW NAS NAÇÕES UNIDAS

Após duas semanas de formação sobre lobby e advocacia, em 15 de Maio, ONG’s de Serbia, Vanuatu e Serra Leoa apresentaram seu relatório oral aos membros do comité CEDAW. O comité do CEDAW é um corpo independente e técnico das Nações Unidas composto por 25 membros especializados em diversas áreas. O mandato do comité é monitorar a implementação do CEDAW em países membros das Nações Unidas. No fim de cada dia tivemos encontros sumários com o grupo de formadores para analisar o desempenho de cada delegação e compartilhar lições aprendidas que muito nos apoiou para a nossa apresentação.

INTERVENÇÃO ORAL DA DELEGAÇÃO MOÇAMBICANA

A delegação moçambicana era composta inicialmente por Cristina Hunguana da AMMCJ e Terezinha da Silva da WLSA Moçambique. Mais tarde juntaram-se à delegação a Dra. Alice Mabota da Liga Moçambicana dos Direitos Humanos e a Bridget Sleap da Help Age International em Moçambique (HAIM). Tivemos 12 minutos para a nossa apresentação oral no dia 21 de Maio e organizámo-nos em 4 intervenções. Foram distribuídos pelos membros do comité a intervenção da delegação moçambicana, o ‘statement’ do IPAS e do HAIM.

DIÁLOGO CONSTRUTIVO DO COMITÉ DO CEDAW COM O GOVERNO

No dia 23 de Maio de 2007, uma delegação do Governo moçambicano apresentou o relatório de implementação do CEDAW, durante o período 2003-2006. Esta apresentação foi seguida de uma sessão de seis horas de “perguntas e respostas” chamado de “diálogo construtivo”. Um mês depois, foi circulado no site das Nações Unidas os “comentários finais” do CEDAW (concluding comments) sobre a apresentação do CEDAW em Moçambique, resultado do diálogo construtivo entre o CEDAW e o governo moçambicano.

Disponível em PDF:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique