WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

O direito à manifestação está a ser posto em causa!

01
Set
2016

Neste texto de opinião a autora defende que os direitos das e dos cidadãs/ãos de se manifestarem e de marcharem para se fazer ouvir está a ser reprimido, usando-se para isso vários meios, desde o aparato policial às mensagens nas redes sociais, que procuram denegrir os organizadores.

Nos últimos tempos, está cada vez mais difícil organizar manifestações. Primeiro, embora a lei seja muito clara e diga que basta cumprir os requisitos para se sair livremente para a rua, não é isso que sucede. Há um compasso de espera, há um ir e vir de documentos, e muito suspense. Já saiu ou não o documento? Perguntam-se organizadores e interessados em participar, pois ir para a rua sem papel é sujeitar-se a ser batido, a ir para a prisão e, pior ainda, a ser mordido por aqueles cães ferozes e enormes a quem se fez esquecer que são os melhores amigos das pessoas, e que em carros ou na mão de agentes também com ar feroz, escoltam todas as manifestações públicas. Isso já sem falar dos carros blindados com metralhadoras e gás lacrimogéneo.

Manifestação 27 de Agosto

Segundo, acompanhando a convocatória tanto nos jornais como nas redes sociais (whatsapp e facebook), há uma série de pessoas que se dedicam a elaborar relatos mais ou menos fantásticos, denegrindo os organizadores das marchas, atribuindo-lhes desígnios ocultos ligados a interesses estrangeiros. Estamos a falar da célebre mão externa, com a qual nos pretendem convencer que os moçambicanos e as moçambicanas não sabem pensar, são facilmente influenciados/as por gente que vem de fora, esses sim com cabeças pensantes. Mas será que os que escrevem não se dão conta de que estão eles mesmos a insultar todo um povo? Desde quando se precisa de mão externa para achar que a guerra é um mal que não se pode aceitar, que quem rouba deve pagar e devolver, e que quem não deve não deveria ter que pagar? Nós, moçambicanos e moçambicanas, não temos inteligência para formar a nossa própria opinião?

Em seguida, a acção de denegrir a marcha e os organizadores continua também na rádio pública (paga pelos contribuintes), às vezes com simulacros de entrevistas, para trazer um grande número de opiniões contrárias, pondo pessoas do sistema a falar, enquanto se apresentam como simples populares. A TVM, também um órgão de informação público, ou não falou das marchas, ou fê-lo de maneira parcial e deturpada.

Manifestação 27 de Agosto

Foi assim na marcha do dia 18 de Junho, chamada “Pelo direito à Esperança”, e foi assim também na Marcha pela Paz, que aconteceu a 27 de Agosto. Todas foram acompanhadas das manobras já acima descritas, bem como por um aparato policial que a tradição de marchas pacíficas tornava desnecessário se a intenção fosse de manter a ordem pública. Mas se se tratava de intimidação pura e simples, para quem foi à marcha e para quem não foi para não ter nunca vontade de ir, já faz mais sentido.
A marcha do dia 27 de Agosto teve inclusivamente direito a uma intervenção do Comandante da Polícia, que exortou os manifestantes a comportarem-se de maneira cívica. Qual o fundamento desta inédita intervenção? Como já se disse, a tradição de manifestações no país é pacífica, pelo que a fala do Comandante da Polícia mais não foi do que outra manobra intimidatória.

Na marcha do dia 18 de Junho, apareceram indivíduos nas residências universitárias da Universidade Eduardo Mondlane, avisando os estudantes de que quem fosse à marcha seria expulso. Num dos programas televisivos que se seguiram, um telespectador que telefonou e não se quis identificar, informou que manobras semelhantes, com ameaças de despedimento, aconteceram em algumas repartições públicas.

Manifestação 27 de Agosto   Manifestação 27 de Agosto

Com tudo isto, embora o desespero esteja a aumentar, as pessoas sentem-se paralisadas. O nível de vida está a encarecer de forma vertiginosa, o poder de compra esvai-se e aumenta o desemprego, com as empresas a fechar ou a diminuir o número de trabalhadores. A guerra continua a matar e interrompeu a circulação de pessoas e de mercadorias no país. Mas, por cima disto, há medo no ar. Às vezes de uma forma quase palpável. Fala mais baixo, toma cuidado com o que falas, atenção que os telefones estão sob escuta, e por aí fora. Desconfia-se dos colegas e até dos amigos, porque a denúncia e a intriga estão na rua, convivem connosco diariamente.

É por isso tempo de deixar que as pessoas se exprimam livremente, tal como já aconteceu no passado, antes destes últimos governos que foram progressivamente amordaçando as pessoas e cortando as liberdades.

Vamos falar, vamos escrever e vamo-nos manifestar. Não cedamos às manobras de intimidação e às acusações de antipatriotismo. Exigir justiça, paz e transparência é vital para que o nosso Moçambique floresça e, com ele, todos e todas nós.

Maria José Arthur

As fotos nesta página foram tiradas durante a Marcha pela Paz que teve lugar em Maputo a 27 de Agosto de 2016.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique