WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Que modelo de participação política das mulheres?

Desenho de Malangatane
10
Set
2012

A partir de uma reflexão sobre os programas dos partidos representados na Assembleia da República e as possibilidades de participação das mulheres, este texto debruça-se sobre o modo como as referências culturais são usadas para justificar a dominação masculina.

 

Género e democracia: como o modelo cultural condiciona o acesso das mulheres à política

No caso das eleições de 2009, quando nos referimos à relação cultura/género e democracia, torna-se incontornável evidenciar que embora a política de quotas seja um dos mecanismos mais rápidos para se atingir a igualdade quantitativa no campo político, é certo, também, que quando não se despoletam outros meios que permitam contribuir para uma maior equidade e inclusão da problemática dos direitos humanos das mulheres no discurso e na acção política, a igualdade de género se restringe e se esgota na distribuição de lugares nas instâncias de poder, constrangendo a participação política a um processo formal de acesso a posições de mando. Este facto estimula, na verdade, a ocultação de uma estrutura de desigualdade, resultando numa certa complacência masculina com o que se considera a incompetência das mulheres para aceder sem “ajuda” (como acontece com a “normalidade” masculina) a lugares de tomada de decisão. A situação de condescendência relativamente às mulheres reflecte-se por exemplo, na distribuição de recursos no seio dos partidos, com manifestações discriminatórias, em que a dimensão simbólica no exercício do poder se torna particularmente relevante, como acontece com a utilização de estereótipos sempre que está em jogo a distribuição do poder.

Se analisarmos as orientações programáticas dos três partidos, claramente expressas nos manifestos eleitorais, embora se diferenciem no seu cometimento com a igualdade de direitos entre mulheres e homens,[1] particularmente com a necessidade de transversalizar a inclusão de direitos nas propostas eleitorais, nenhum deles localiza a desigualdade de género no modelo cultural. E esta situação é tão mais interessante, quanto se constata que as organizações femininas dos partidos, que deveriam ter como objectivo a defesa dos direitos humanos das mulheres, se reconhecem e se identificam (e de forma mais assertiva que os documentos emanados dos órgãos centrais dos partidos) com um modelo que ao mesmo tempo que lhes confere igualdade no espaço público (tido como único produtor do político), as remete para a conservação da ordem social que na família as subordina.

Embora na selecção das e dos candidatos/as não tenham sido evidenciados critérios com fundamento no sexo, a verdade é que os discursos e as práticas na campanha eleitoral transmitem uma separação entre privado e público a que os homens, mas também as mulheres, recorrem para demarcar estratégias e espaços, ancorando a circulação e a distribuição de poder nos atributos classificatórios do feminino. É exemplo a subserviência manifestada por algumas mulheres que constrangem as suas intervenções políticas à caução dos seus colegas ou camaradas, que se constituem assim, em fonte de legitimação. Por outro lado, estas posições que parecem caucionar a hierarquização de funções e papéis no partido podem ser consideradas como um esforço de recuperação do campo político como lugar masculino de confronto e de mando.

No que se refere ao exercício democrático no seio dos partidos, embora todos os candidatos e muitas das candidatas afirmem existir igualdade na distribuição de recursos e poder no seio dos partido a que pertencem, quando se referem à articulação entre exercício de direitos na família e no partido e à interacção entre os dois espaços, a maioria das mulheres concilia a reivindicação de igualdade no partido, lutando por recursos e disputando posições, ao mesmo tempo que conservam, defendem e propagam as hierarquias e os valores em casa

O discurso da contestação ao modo como são distribuídas funções políticas e os lugares nas listas de candidaturas e sua percepção de ausência de direitos no espaço privado é expresso apenas por um pequeno grupo de mulheres que se situam na margens das lutas pelo poder (ou que pelo contrário aí conquistaram posições importantes) e que se referem, por exemplo, às organizações femininas dos partidos como mais um lugar de ressonância das directrizes partidárias, do que a um espaço de concertação de estratégias em prol da defesa dos direitos humanos das mulheres.

Portanto, se existem sinais de mudança que se traduzem no aparecimento de uma tendência que questiona os valores e o exercício do poder em função de um modelo cultural que estrutura a subalternidade, predomina ainda uma perspectiva de direitos que perpetua a desigualdade de género e que recorre às referências culturais para justificar a dominação masculina. É esta cultura que produzindo (e reproduzindo) a violência de género, se torna, principalmente nos últimos anos, em fonte de legitimação para travar a luta pela igualdade de género.

Por Conceição Osório

 

Nota:

[1] Por exemplo, sendo o Programa do partido FRELIMO o único dos três partidos que apresenta claramente uma perspectiva de igualdade em termos de desenvolvimento de acções para a promoção do acesso das mulheres a recursos e a direitos, não é contudo suficientemente explícito no que se refere à localização da desigualdade de género na estrutura sociocultural.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique