WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Sexual and reproductive rights

Sexual violence happens daily for Mozambican women and girls

Maputo, 25 March 2013 – Sexual violence touches the daily life of Mozambican women and girls in many forms, from groping in the crowded minibuses known as chapas, to sexual harassment of schoolgirls by teachers, and gang rape, journalists heard today at a media briefing organized by Women in Law in Southern Africa (WLSA/Mozambique), and N’weti in collaboration with IREX. Specialists in law, legal medicine and children’s rights described existing laws and their gaps: rapists of under-age girls escape punishment if they marry the victim; forced anal penetration is not defined as rape; and only sexual harassment in the workplace, not in schools, is penalized.

The health system often fails to provide prophylaxis against HIV infection and pregnancy to rape victims, and police is not helpful. A young man described the frustrating response to the rape and murder of his teenage sister in Maputo. Between the cost of transport, the request for bribes and the lack of police interest, the family stopped seeking justice.

Ana Cristina Monteiro, WLSAAmina Issa, Action Aid
Ana Cristina Monteiro, WLSA, and Amina Issa, Action Aid, spoke at the briefing

WLSA and the NGO Network for Sexual and Reproductive Rights and Health offer funding for in-depth reporting on sexual violence, with technical assistance from IREX, as part of the Mozambique Media Strengthening Program, funded by USAID.

More information about this initiative can be found here (in Portuguese only)

Briefing for journalists about sexual violence
From the media briefing on sexual violence co-organized by WLSA, N’weti and IREX

Pesquisa

WLSA Moçambique

 

WLSA

Mulher e Lei na África Austral - Moçambique