WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Violador condenado a cinco anos de prisão

11
Ago
2016

Depois de três anos, finalmente é condenado o violador de uma agressão relatada na primeira pessoa aqui neste website.

Decorreu no dia 8 de Agosto de 2016 na província de Maputo a leitura da sentença do caso de violação sexual de uma cidadã. O caso deu-se há três anos, por volta das 22 horas, quando a vítima regressava de mais uma jornada de trabalho e subitamente foi surpreendida por dois malfeitores, que a fizeram refém num lugar escuro e de difícil acesso (leia aqui o relato na primeira pessoa; veja o vídeo aqui). A vítima relatou que os indivíduos a ameaçaram de morte com recurso a uma arma branca e a forçaram a manter relações sexuais. No decurso da agressão e não satisfeitos com os seus actos, os criminosos concluíram que, além da dignidade, deviam tirar objectos de valor pertencentes à vítima, por sinal vizinha de um deles. Foi assim que os malfeitores forçaram-na a contactar a filha por telemóvel, informando a menor que viria alguém a casa levar o televisor e outros bens. Para evitar desconfianças, o malfeitor levou consigo uma capulana e as chaves da casa. Depois de lá chegar, o criminoso mentiu para a filha que a mãe estava presa em razão de uma dívida e que só seria libertada se ele levasse em troca o televisor e alguns bens. Conforme testemunhou no tribunal, por desconfiar da informação, ela pediu auxílio a um vizinho (uma das três testemunhas do crime presente no tribunal) antes de o criminoso chegar. Já no local, apercebendo-se da presença do vizinho, o malfeitor sentiu-se desencorajado, de tal modo que, depois de aquele ter dito que só libertaria os bens somente se juntos fossem a suposta esquadra onde a vítima encontrava-se detida, este decidiu fugir. Com ira, já no local do crime, o criminoso contou ao parceiro tudo o que passara em casa da lesada. Irados, forçaram-na de novo a manter relações sexuais, tiraram-lhe três mil meticais da carteira e de seguida mandaram-na embora.

Queremos ressaltar aqui o facto de já passarem três anos que isso tudo aconteceu. Entretanto um dos meliantes perdeu a vida. Em relação ao que se encontra vivo (por sinal ex-vizinho da vítima), não se sabe o seu paradeiro, por isso foi julgado à revelia. As últimas notícias que se tem é que o mesmo fazia cobranças numa chapa na rota Boane-Baixa. Outro dado a mencionar, é que este individuo já tinha sido condenado a uma pena de quatro anos por ter violado sexualmente uma menor de 14 anos de idade, portanto, não se trata de um novato neste tipo de crime.

Entretanto, fazendo jus ao caso e (des)considerando estes elementos, a juíza concedeu ao réu apenas cinco anos de prisão pelo crime de violação sexual, um tipo de crime cuja pena vai até oito anos no Código Penal antigo, vigente na altura em que ocorreram os factos. Na leitura da sentença, a magistrada judicial mencionou que, entre outros objectivos, a pena visa reintegrar o criminoso na sociedade. Correcto e partilhamos o mesmo ponto de vista da juíza, mas já não colaboramos da mesma ideia quando a um réu não primário lhe são atribuídos apenas cinco anos de prisão, pelo mesmo tipo de crime que cometeu no passado. Já não partilhamos do mesmo pensamento quando se sabe que o violador-reincidente no momento da agressão gozou da vítima, não mostrou nenhum traço de arrependimento do crime passado e que a obrigou a satisfazer todos os seus desejos absurdos. Não partilhamos ainda da mesma ideia que a juíza quando sabemos que o meliante se dirigiu à casa da cidadã e, mesmo ao longo do caminho, com tempo suficiente para indagar, reflectir ou recuar não o fez. O que seria da filha da lesada não fosse a presença do bom vizinho?

Continuando. Se é justo mencionar que a finalidade do Estado de Direito Democrático é proteger os direitos dos indivíduos perante toda e qualquer agressão, então é correcto afirmar que toda a infracção que atente contra a vida e a dignidade da pessoa humana constitui o tipo crime mais grave. Aliás, o brocardo latino é certeiro neste sentido ao afirmar: ubi homo ibi jus. Ou seja, onde existir o ser humano há Direito.

Ademais, desde o primeiro dia do julgamento até hoje, data da leitura da sentença, houve inúmeras falhas no cumprimento do tempo marcado para a audição das partes. No dia 3 de agosto, o julgamento tinha sido agendado para 9 horas, no entanto, só começou propriamente por volta das 10 horas. E como se não bastasse, o julgamento decorreu na presença de arguidos de outros processos que aguardavam na mesma sala o atendimento dos seus casos, sendo a vítima obrigada a relatar aspectos íntimos da sua agressão em público. No dia 8 de Agosto, dia destinado à leitura da sentença, repetiu-se a mesma proeza, os funcionários do tribunal chegaram tarde e os trabalhos começaram um pouco acima da hora programada. Cumpriu-se o velho ditado: a justiça é sempre a última a chegar.

Apesar destes constrangimentos, o julgamento e a condenação do violador representou um sinal positivo na luta contra a violação sexual, contra todas as formas de violência baseadas no género que, aliás, devem sempre encontrar resposta certa e adequada nas instituições do Estado. Vale mencionar aqui a força, a coragem e a determinação da vítima, que durante esses três e longos anos, jamais pensou em desistir do caso, nem perdeu a fé na justiça, mas sempre acreditou até ao fim na resolução do seu caso. Também é importante mencionar a veemência e a boa vontade do advogado da vítima, que em todo esse tempo, soube acompanha-la com cadência. E por último, que a justiça continue a única causa de luta e a liberdade, a razão da existência humana!

Romão Kumenya

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique