WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Direitos sexuais e reprodutivos

Quem vai querer dar a luz aqui?

De acordo com o Inquérito Demográfico e de Saúde de 2011, a Província de Cabo Delgado tem a taxa de mortalidade materna mais alta do país e apenas 36% dos partos são assistidos por pessoal especializado de Saúde. Esta série de diapositivos mostra o estado em que se encontram alguns Postos de Saúde no distrito de Mueda.

Visitar os postos de saúde rurais no remoto distrito de Mueda, em Cabo Delgado, ajuda a compreender por que essa província tem a taxa de mortalidade materna mais alta de Moçambique. Vejam a maternidade da aldeia de Ngapa. A parteira abriu a porta e disse: “Quem vai querer dar a luz aqui? Isto deveria ser demolido e reconstruído de zero.” As mulheres da zona parecem concordar – quase a metade prefere ter o parto em casa.

O posto de saúde de Imbuo tem melhor aspecto, está limpo e recém pintado. Mas não tem energia nem água. À noite, uma parturiente deve trazer velas ou lanterna e baldes de água. Não há rede telefónica. Para chamar uma ambulância da sede do distrito, a enfermeira pede a um parente da paciente, como este pai, para pedalar em bicicleta 15 minutos até um lugar com recepção.

Mpeme é o pior posto. Sem energia ou gás, os instrumentos não são esterilizados entre uma paciente e outra. Medicamentos antimaláricos e antibióticos faltam com frequência.

Em Namatil, o enfermeiro Ismael Ossuman pode diagnosticar HIV mas não tem antiretrovirais para dar. Sente-se muito frustrado com isso. A parteira Fátima Amissi Usange precisa de luvas, sabão e água corrente.

Em Ngapa, vimos a Fátima Namangana sair do posto de saúde, dobrada de dores. Fátima tem 26 anos e três crianças pequenas. Três semanas atrás, ela teve um aborto espontâneo que derivou numa infecção generalizada, que poderia levar a peritonite e morte. Três vezes foi à clínica. Deveria ter sido evacuada para a vila de Mueda, a duas horas de distância. Mas apenas lhe receitaram um antibiótico ligeiro que não detem a infecção.

Fátima teve sorte. Levámo-la de carro a Mueda e salvou a vida.

Mas quantas outras jovens mães, como Fátima, continuam a morrer desnecessariamente em Moçambique?

Pesquisa

WLSA Moçambique

 

WLSA

Mulher e Lei na África Austral - Moçambique