WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Reforma legal

A revisão do Código Penal

Introdução

A partir de Março 2006 que está finalizada a primeira revisão do Código Penal elaborada pela UTREL – Unidade Técnica de Reforma Legal – e o primeiro encontro de consulta pública teve lugar a 13 de Julho. Estiveram presentes representantes de várias instituições do governo e em especial do sistema de justiça e representantes das organizações de mulheres filiadas no Fórum Mulher.

É preciso lembrar que a versão do Código Penal actualmente vigente data de 1886 e, se bem que tenham sido introduzidas algumas alterações, mantêm-se algumas disposições claramente discriminatórias, para além de todos os preconceitos implícitos. Por esta razão e pela importância de ter uma lei criminal justa e adequada às realidades actuais, este é um dossier a que se dá a maior prioridade.

Nesta reunião do dia 13 de Julho foram debatidas várias disposições da primeira proposta de revisão, entre outros:

  • Mantém-se a não criminalização da violação conjugal;
  • Mantém-se a possibilidade de isentar um violador de menor da sua pena, se este casar com a vítima; esta disposição mostra claramente que se valoriza mais a “honra” da família do que os direitos da menor em causa;
  • Reconhece-se o crime de violência doméstica, mas este é classificado como crime particular, contradizendo o anteprojecto elaborado pela sociedade civil;
  • Reconhece-se o crime de assédio sexual, mas o seu enquadramento é insuficiente para abarcar a realidade do que acontece nas escolas; ao mesmo tempo, as penas propostas são simplesmente simbólicas;
  • Não se despenaliza o aborto, tal como proposto por vários sectores, mas sobretudo pelo Ministério da Saúde, que tem vindo a demonstrar que as altas taxas de mortalidade materna são em parte devidas ao aborto inseguro.

Dada a maneira como decorreu a reunião, ficou-se com a impressão de que a sub-comissão encarregada da revisão não se encontra muito aberta a acolher as críticas recebidas, mesmo que algumas delas estejam firmemente sustentadas na Constituição ou nos instrumentos legais internacionais ratificados pelo governo. De qualquer maneira, está prevista a continuação dos debates, de modo a que todos os sectores tenham a possibilidade de intervir.

Por parte das organizações de mulheres filiadas no Fórum Mulher decidiu-se elaborar um documento reivindicativo a ser entregue ao governo, outras associações e parceiros.

Leia mais…

O documento acima referido, elaborado por um grupo de organizações e de instituições, está disponível no nosso site. Clique aqui para lê-lo.

O texto da proposta do Código Penal revista pode ser encontrado no website da UTREL como um documento em MS Word. Este website já não existe.

Se pretender intervir neste debate envie-nos as suas contribuições. Escreva para:

  • WLSA Moçambique – Rua Padre António Vieira, nº 68, Maputo
  • Correio electrónico: comunicar@wlsa.org.mz; Fax: +258 21 41 58 11
peneirando

Foto: Tineke Dhaese, Oxfam Bélgica

Pesquisa

WLSA Moçambique

 

WLSA

Mulher e Lei na África Austral - Moçambique