WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

16 Dias de Activismo Contra a Violência de Género 2020:

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

28 de Maio de 2003: Mais um dia de acção pela saúde das mulheres

Ximena Andrade

 

Publicado em “Outras Vozes”, nº 4, Agosto de 2003

 

Esta intervenção surge a propósito do 28 de Maio, Dia Internacional de Acção pela Saúde das Mulheres que, este ano, retoma o desígnio histórico da sua proposta, alertando para o problema que, já em 1988, se desejava destacar – a relação existente entre a subalternidade patente da mulher na sociedade e a extensão atingida no contexto da morbilidade e mortalidade materna, sintetizado no lema “uma morte materna devia e deve ser vista como a culminação de um processo que começa a partir do momento em que a mulher nasce”.

Caixa 1

Informação regional:
Mortalidade materna por ano, 1995
Região Nº de mortes
África 273 000
Ásia 217 000
América Latina e Caribe 22 000
Europa 2 000
Oceânia 560
América do Norte 490
Mundo Total 515 000

Fonte: Maternal Mortality in 1995: Estimates developed by WHO, UNICEF, UNFPA. World Health Organization, Geneva, 2001

Nesse ano, duas redes internacionais do movimento internacional de mulheres, a Rede Mundial de Mulheres pelos Direitos Reprodutivos e a Rede de Saúde das Mulheres Latino-Americanas e do Caribe, decidiram lançar uma campanha em prol da diminuição da mortalidade materna, perante a situação grave e in crescendo que se apresentava a nível global. Apelaram, assim, nesse dia 28 de Maio, para o início de acções de sensibilização para a falta de reconhecimento de direitos das mulheres: a mortalidade materna e a morbilidade materna.

Caixa 2

Complicações da gravidez e do parto:
estimativas para os países menos desenvolvidos
Complicações % Possíveis morbilidades maternas resultantes
Sangramentos profusos (hemorragia) 11%
  • Anemia aguda
  • Insuficiência pituitária e outros desequilíbrios hormonais
  • Infertilidade
Infecção durante ou depois do parto (septicemia) 10%
  • Doença inflamatória pélvica
  • Dor pélvica crónica
  • Lesões nos órgãos reprodutivos
  • Infertilidade
Parto prolongado ou obstruído 6%
  • Incontinência
  • Fístula
  • Prolapso genital
  • Ruptura uterina, desgarros vaginais
  • Lesões nervosas
Hipertensão provocada pela gravidez (pré-eclâmpsia e eclâmpsia) 6%
  • Hipertensão crónica
  • Insuficiência renal
  • Transtornos do sistema nervoso
Aborto de risco 16%
  • Infecção do canal reprodutivo
  • Lesões do útero
  • Infertilidade
  • Doença inflamatória pélvica
  • Dor pélvica crónica

% – Incidência (em percentagem dos nados vivos)

Fonte: C. Murray & A. Lopez, eds., Health dimensions of sex and reproduction (1998): capítulos 5 a 8

Qual é então a realidade que naquela altura se denunciava mas que, ainda hoje, se continua a denunciar? Segundo a OMS todos os anos se registam 210 milhões de gravidezes. Dos cerca de 130 milhões de nascimentos anuais, cerca de 15 a 19% requerem uma intervenção rápida por parte de pessoal qualificado para que a mulher possa sobreviver e não fique incapacitada para o resto da vida. Em aproximadamente 5% dos casos desenvolvem-se complicações mortais. Segundo dados disponíveis, em 1995 estimava-se que mais de meio milhão de mulheres teria morrido por complicações surgidas durante a gravidez, o parto ou o puerpério. Actualmente, estes trágicos registos têm aumentado, embora, em 1987, a OMS e outras agências das Nações Unidas e internacionais, directamente interessadas na situação da mortalidade materna, a tenham colocado no primeiro plano da saúde pública internacional e tenham proposto a iniciativa para uma maternidade sem risco.

Caixa 3

1998inseguroRisco

Aborto inseguro:
Estimativas regionais da mortalidade e o risco de vida,
Região
de mortes maternas devido a aborto de morte após aborto inseguro
África 33 000 1 em 150
Ásia (*) 37 600 1 em 250
América Latina 4 600 1 em 900
Europa (**) 500 1 em 1 900

* Exclui Japão, Austrália e Nova Zelândia.
** Primarily Eastern Europe/Newly Independent States (NIS)

Fonte: Abortion: A Tabulation of Available Information 3rd edition, World Health Organization, Geneva, 1998

Que comprovativos existem para esta situação?

  • Pelas complicações da gravidez, parto ou puerpério, morrem todos os dias 1.600 mulheres, isto é, quase 600.000 por ano. Destes óbitos, 99% ocorrem nos países subdesenvolvidos. Porém, estes dados sobre mortalidade materna são apenas a ponta do iceberg: “por cada caso de morte materna, existem pelo menos outras 30 mulheres que sofrem de lesões graves ou debilitantes” (Ashford: 2002)
  • Hemorragias, infecções, transtornos hipertensivos (eclâmpsia), parto obstruído e complicações por aborto inseguro constituem as principais causas de morte materna. Em vários países do Terceiro Mundo, o aborto inseguro é uma das primeiras causas da mortalidade materna (OMS/OPS: 2002). Neste sentido, é importante realçar o facto de que os abortos realizados por profissionais capacitados raramente apresentam complicações. “A OMS estima que se realizam 18 milhões de abortos de risco por ano nos países menos desenvolvidos, um por cada dez gravidezes ou por cada sete nados vivos” (Murray & Lopez: 2000)
  • Cerca de 40% ou mais das mulheres grávidas – ­50 milhões cada ano – apresentam morbilidades vinculadas à gestação, durante ou imediatamente após o parto. 15% sofrem sérias complicações, imediatas ou a longo prazo, como, por exemplo, prolapso uterino, fístula (abertura no canal do parto que permite que haja filtração da bexiga ou do recto para a vagina), doença inflamatória pélvica e infertilidade (Safemotherhood Initiative: 2003).
  • Cerca de 35% das mulheres, nos países subdesenvolvidos, não recebem cuidados pré-natais durante a gravidez. Nalguns países a percentagem de cobertura pré-natal atinge apenas 26%. (Safemotherhood Initiative: 2003).
  • Aproximadamente metade dos partos nos países do Terceiro Mundo faz-se sem cuidados de profissionais. Nalguns deles, esta taxa chega mesmo aos 85%. (Safemotherhood Initiative: 2003).
  • 70% das mulheres não recebe cuidados pós-parto nas seis semanas posteriores ao parto. (Safemotherhood Initiative: 2003).

Se observarmos esta realidade a nível regional, os dados sobre a mortalidade materna, fornecidos pela Organização Mundial da Saúde, assinalam as diferenças mais profundas entre o mundo desenvolvido e o subdesenvolvido.  Eles constituem a maior amostra de iniquidade na saúde, enfrentada pelas mulheres, apesar de ter aumentado o conhecimento sobre as suas principais causas e de se terem identificado as intervenções mais apropriadas para as evitar, na sua maioria simples de implementar e de baixo custo. Neste sentido, é necessário tomar em consideração o índice de risco reprodutivo, que inclui a razão da mortalidade materna (mortes maternas por 100.000 nados vivos) e a taxa de fecundidade total (média de nados-vivos por mulher), como indicadores, (Population Action International: 2001 e Population Reference Bureau: 2003) e o risco ao longo da vida, ou seja, as probabilidades de que uma mulher morra devido a complicações durante a gravidez, parto ou aborto de risco, ao longo da sua vida1 (cf. Caixa 4).

Caixa 4

RegiãoRisco

Informação regional:
Risco de Vida das Mulheres pela Mortalidade Materna, 1995
  de Vida da
mortalidade materna
África 1 em 16
Ásia (*) 1 em 110
América Latina e Caribe 1 em 160
Europa 1 em 2000
América do Norte 1 em 3500

* Exclui Japão, Austrália e Nova Zelândia.

Fonte: Maternal Mortality in 1995: Estimates developed by WHO, UNICEF, UNFPA. World Health Organization, Geneva, 2001

Esta grave iniquidade em saúde está relacionada, como se tem assinalado, com a posição de subalternidade que as mulheres ocupam na sociedade, no seio da qual carecem do poder necessário para tomar decisões livres e informadas em torno da sua sexualidade e reprodução. Também se relaciona com o grau de desenvolvimento dos sistemas de saúde, com a cobertura e a qualidade dos serviços, com a prioridade na locação de recursos para a prevenção da mortalidade materna e com a acessibilidade equitativa aos cuidados de saúde de boa qualidade. Isto significa que o nível de desenvolvimento económico dos países é importante, bem como as suas prioridades na locação de recursos para a prevenção e tratamento. È interessante referir que nalguns países cujo PIB não é necessariamente muito elevado se têm verificado baixas taxas de morte materna por terem sabido alocar eficazmente os seus recursos na saúde, priorizando as acções na promoção e prevenção da saúde materna (ISIS Internacional: 2002)2.

Extensão dos serviços de saúde materna - 1998Para se enfrentar esta grave tragédia sanitária e humana, têm-se traçado vários caminhos, todos eles confluindo num aspecto comum: o respeito pelos direitos humanos das mulheres e o compromisso para atingir mudanças culturais, económicas e sociais que melhorem o seu estatuto e permitam o seu empoderamento real. Por outro lado, do ponto de vista sanitário, o estabelecimento de cuidados qualificados no parto, o aumento do acesso e da cobertura dos serviços e a melhoria da qualidade dos cuidados, são os passos prioritários para avançar no exercício dos direitos das mulheres que vão ser mães. São, também, fundamentais, na luta contra a mortalidade materna, intervenções eficazes em função dos custos ao nível de cuidados primários.

Que direitos humanos das mulheres estão comprometidos com a mortalidade materna? Este tópico tem como objectivo abrir um debate para que se identifiquem propostas de acção para a reforma legal e para o melhoramento e/ou propostas de políticas públicas. A prevenção da mortalidade e da morbilidade materna incorpora várias áreas não hierarquizadas dos direitos humanos das mulheres, na medida em que, por definição, os direitos humanos são inseparáveis dentro de um todo sistémico. São elas: o direito à vida, os direitos sexuais, reprodutivos, de acesso à saúde e à educação e o direito a viver uma vida sem violência, entre outras.

Qual tem sido o alcance do movimento de mulheres e do feminismo, no que diz respeito à prevenção da mortalidade e da morbilidade materna?

Os direitos humanos das mulheres, ligados à prevenção da mortalidade e morbilidade materna, têm tido expressão em vários instrumentos legais internacionais desde que se passou a considerar a Saúde Materna: Um Direito humano. Deste modo, a necessidade de proteger a saúde materna tem sido reconhecida em diversos documentos internacionais como o Programa de Acção da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento do Cairo, em 1994, a Plataforma de Acção da Conferência Mundial da Mulher, em Beijing, em 1995, entre outros. Também os Objectivos de Desenvolvimento para o Terceiro Milénio, definidos pelas Nações Unidas e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), enfatizaram a urgente necessidade de reduzir as altas taxas de mortalidade materna. No objectivo 5, “Melhorar a Saúde Materna”, colocava-se como meta a redução desta em três quartas partes do globo, entre 1990 e 2015, e da taxa de mortalidade materna em todas as regiões.

Qual é a situação em Moçambique? É importante começar por referir que a cobertura à escala nacional dos serviços do sistema de saúde atinge, aproximadamente, 40% do território nacional. No que se refere à mortalidade materna existe apenas informação intra-hospitalar, o que equivale a apenas 28 a 40% do total de partos que se realizam anualmente.

Assim, a nível nacional e regional, durante 1999, 2000 e 2001 o comportamento da taxa de mortalidade materna correspondeu aos seguintes valores:

 

Territorial199920002001

Unidade  
Nacional 1 540 1 750 1 650
Norte 1 870 2 660 2 020
Centro 1 880 1 750 1 720
Sul 970 1 000 1 220
Valores máximos: Cabo Delgado 4 340 5 120 4 090
Valores mínimos: Cidade de Maputo 440 450 600

 

 

Comparando a posição de Moçambique, com a de outros espaços seleccionados, a partir de alguns indicadores ad-hoc, temos o seguinte quadro da situação:

 

TerritorialPrevalência

Unidade de anticoncepcionais (%) 1995 – 2000 % de partos assistidos por pessoal de saúde treinado 1995 – 2000
Moçambique 10 44
Países africanos ao Sul do Sahara 18 37
Oriente Médio e Norte da África 49 69
Ásia Meridional 40 29
Leste da Ásia e Pacífico 81 66
América Latina e Caribe 69 83
Países Industrializados 72 99
Países em desenvolvimento 59 52
Países menos desenvolvidos 24 28
Mundial 64 56

 

 

Finalmente, é preciso não esquecer que, além dos direitos reprodutivos e sexuais (que são os que estão em causa quando se fala de mortalidade e de morbilidade materna), há muitas questões que se interrelacionam com a posição da mulher nas relações de género e que vão em detrimento da sua saúde. Por exemplo, as mulheres apresentam maiores riscos do que os homens de serem infectadas pelo vírus do HIV nos encontros sexuais; as mulheres grávidas são mais susceptíveis de serem vítimas de violência doméstica; as mulheres tendem a pedir e a receber cuidados médicos apenas quando estão seriamente doentes. Nos últimos anos, o movimento feminista tem chamado a atenção para problemas ligados à mortalidade e à morbilidade materna, tais como: a violência contra as mulheres; o direito ao aborto e aos serviços correspondentes; as doenças de transmissão sexual; o HIV/SIDA e a necessidade de fornecimento de anticonceptivos seguros, efectivos e sensíveis às necessidades das mulheres, que não seja dirigido por políticas de controlo populacional, mas orientado a partir da visão dos direitos humanos daquelas.

 

Referências:


Notas

  1. O risco ao longo da vida de 1 em 3 000 mulheres representa um baixo risco e 1 em 100 mulheres considera-se como alto risco.

  2. Fonte: “Coverage of Maternal Care: A Listing of Available Information, Fourth Edition”. World Health Organization, Geneva, 1997.

Pesquisa

Novidades

Comemorando o Dia Internacional da Mulher

Postal da WLSA desejando feliz 2021Pelos direitos humanos!

16 dias de Activismo Contra a Violência de Género 2020

Crianças e Covid-19: jogos para brincar com as crianças

 

Novos livros

Mulher e democracia: indo além das quotas

capa do livro Concurso de Leitura

Silenciando a discriminação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

Clique aqui para ler os artigos publicados em "Outras Vozes" (entre 2002 e 2015).
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique