WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

5 de Julho: Marcha pela Paz

04
Jul
2014

No sábado dia 5 de Julho, o Movimento da Sociedade Civil para a Paz organiza na Cidade de Maputo uma marcha para exigir o fim da violência militar.

A concentração é às 8 horas na Igreja Metodista Wesleyana, na Av. 24 de Julho 986. A partida da marcha está prevista para as 9 horas. Por volta das onze horas a marcha chega à Praça da Paz, onde será lida a Mensagem que se segue.

PARTICIPE!!!

 

EXIGIMOS A PAZ, JÁ!

Mensagem do Povo Moçambicano Repudiando a Guerra e Exigindo o Restabelecimento da Paz

 

Caras cidadãs Moçambicanas e caros cidadãos Moçambicanos

Caras irmãs e caros irmãos

Desde há mais de um ano que o povo moçambicano tem estado a sofrer os horrores da violência militar, uma vez mais!

Nas nossas estradas e nas nossas matas, voltou a jorrar sangue dos filhos de Moçambique, derramado em nome de causas obscuras e desconhecidas de todos nós.

Uma vez mais, jovens de tenra idade estão enterrando seus sonhos e planos de um futuro radiante, junto das suas famílias e levando nos caixões esperanças de felicidade das suas mães, dos seus pais e demais entes queridos.

Mulheres e homens, crianças, pessoas idosas, estão sendo deslocadas das suas casas, das suas machambas, construídas com tanto sacrifício.

Em diferentes localidades da Província Central de Sofala, milhares de moçambicanos, nossas irmãs e nossos irmãos, pais, mães e seus filhos menores, pessoas idosas voltaram a abrir as feridas que estavam a sarar, do conflito terminado em 1992, ao abandonar – uma vez mais! – as suas casas e as suas machambas, voltando a viver em esconderijos ou em campos de deslocados, fugindo da morte, sofrendo do frio e passando fome e, consequentemente, agravando a sua saúde tão precária!

Escolas e unidades de Saúde foram atacados e ou encerrados; profissionais da educação e saúde abandonaram seus postos de trabalho, deixando as crianças sem o direito à educação e o povo sem o mínimo cuidados de saúde.

Na Estrada Nacional Número Um, principal via de ligação entre o Norte e o Sul do País, há muito que se instalou o pânico, o medo, a insegurança física, e a morte, impedindo que o povo viaje em paz, ao encontro de parentes e amigos, ou em busca de meios de vida e de sustento de suas famílias.

Cidadãs Moçambicanas e cidadãos Moçambicanos

No dia 04 de Outubro de 1992, o governo Moçambicano e a RENAMO assinaram em Roma, em nome de todos nós, e perante o mundo inteiro, o Acordo Geral de Paz, que pôs termo a 16 anos de uma guerra fratricida e destrutiva, cuja memória gostaríamos de apagar para sempre, repito, para SEMPRE, das nossas mentes e dos nossos corações.

A assinatura do Acordo Geral de Paz foi o culminar de mais de dois anos de duras negociações entre as duas partes, cujos representantes, no primeiro comunicado conjunto que assinaram, ainda em Junho de 1990, declararam reconhecer-se como irmãos, e nessa medida, dispostos a valorizar mais o que os une, do que aquilo que os divide!

Para nós, povo moçambicano, a assinatura do Acordo Geral de Paz simbolizou o fim de uma era e de uma cultura – o fim da Era e da Cultura da Violência e o início da Era e da Cultura da Paz. Para nós todos, povo moçambicano, a assinatura do Acordo Geral de Paz, entre o Governo e a RENAMO simbolizou o estabelecimento de um PACTO de IRMANDADE, entre todos os moçambicanos; um PACTO de IRMANDANDE, garantindo que jamais entre nós iriamos recorrer à força das amas para resolver diferenças políticas.

Por isso, vivemos 20 anos de Paz, crentes e confiantes de que a paz tinha vindo para ficar!

E se vivemos 20 anos de paz, isso é prova evidente de que somos capazes de viver em paz; isso é prova evidente de que podemos conviver no respeito das nossas diferenças políticas; de que, como dizia a declaração de Junho de 1990, nos reconhecemos como irmãos e tempos capacidade para reconhecer e valorizar mais o que nos une, do que aquilo nos divide!

Irmãs Moçambicanas e irmãos Moçambicanos

Enquanto este filme de guerra vai correndo em frente dos nossos olhos, as duas partes em conflito – o governo e a RENAMO – vão-se reunindo, em Maputo, segundo os calendários da sua vontade e conveniência, num diálogo feito de monólogos, ao mesmo tempo que se cumprimentam, nas salas climatizadas da Assembleia da República, onde dizem que estão convivendo democraticamente…em nosso nome! E nós perguntamos: Afinal a quem Vossas Excelências representam na Assembleia da República? Porque, nós, que vos elegemos, estamos a morrer, todos os dias!

Enquanto este filme de guerra vai correndo em frente dos nossos olhos,, com as suas imagens de sangue e de dor, as forças políticas do nosso país, em particular as duas partes em conflito, vão dizendo que estão a preparar-se para nos pedir votos, nas eleições gerais no dia 15 de Outubro próximo. E nós, o povo, perguntamos: Afinal a quem quereis pedir voto, em Outubro próximo? Porque nós, o povo, nós, os vossos eleitores, estamos a morrer todos os dias!

E por isso, nós, o povo, nós que vós todos dizeis representar condignamente; nós todos, em cujo nome vós todos falais; nós cujos votos vós todos esperais em Outubro, nós viemos aqui exigir o nosso direito legitimo de participar no processo eleitoral, em condições de plena paz, segurança e tranquilidade! Pois só em ambiente de paz, segurança e harmonia pode falar-se de eleições livres, justas, transparentes e credíveis!

Com efeito, se a guerra não pára imediatamente, restabelecendo-se a paz em todo o território nacional, nós vamos declarar o dia das eleições, o dia 15 de Outubro de 2014, Dia de Luto Nacional, em memória de todos os nossos irmãos mortos neste conflito!

Irmãs Moçambicanas e irmãos Moçambicanos

O conflito político-militar que assola a nossa Pátria Amada há mais de um ano já fez demasiadas vítimas humanas e não pode ser mais tolerado! Quantos mortos e quantos deslocados!?

Nos moçambican@s, acreditamos em nós, enquanto povo pacífico e amante da paz!

Nós moçambican@s, acreditamos em nós, enquanto povo inteligente e sábio, e capaz de resolver pacificamente os seus diferendos, e que ama a vida e odeia a morte!

Nós, moçambican@s, militares de ambos os lados; jovens ou adultos; camponeses e camponesas deslocados das suas zonas de residência; nós todos: queremos sair das matas e regressar, HOJE MESMO, para junto das nossas famílias, para junto das nossas aldeias e das nossas machambas! Nós queremos continuar a percorrer o País livre da violência, queremos continuar a fazer o nosso comércio sem ameaças de morte!

Nós, moçambicanas e moçambicanos, homens e mulheres, jovens e pessoas idosas; camponeses, trabalhadores e profissionais de diferentes ramos de actividade; intelectuais; comerciantes; vendedores; estudantes; de Norte ao Sul, de Este a Oeste, do Rovuma ao Maputo, do Zumbo ao Indico, dizemos e gritamos bem alto:

Não queremos a guerra!

Repudiamos a violência!

Basta de Violência Miliar!

Basta de Violência Politica!

E porque a Paz é Um Direito Humano e um Bem Precioso e Inalienável de Todo o Povo,

Nós Não Pedimos a Paz: Nós Exigimos a Paz!

Queremos a Paz, Já!

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique