WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

93.5 FM: Rádio Muthiyana

12
Mai
2006

A primeira rádio comunitária feita por mulheres e destinada a mulheres.

A Rádio Muthiyana foi criada em 2001 pela Associação Moçambicana da Mulher na Comunicação Social (AMCS), com a frequência 93.5 FM. Esta é a primeira rádio comunitária feita por mulheres e destinada a mulheres. A sua estação está localizada no Bairro do Ferroviário das Mahotas e tem o alcance de um raio de 100 quilómetros, o que é suficiente para cobrir a província de Maputo e emite desde as 6 até às 19 horas, sendo 50 % da sua programação em shangana e 50% em português.

Os objectivos da Rádio Muthiyana

Os objectivos desta rádio são: dar voz às comunidades que não têm espaço nos grandes Órgãos de Informação, sobretudo às mulheres, ajudar que as comunidades participem no processo democrático e do desenvolvimento económico do país, dar oportunidade às comunidades de questionarem sobre o tudo o que está a acontecer à sua volta, informar e formar.

Assim, a sua grelha de programas inclui vários programas relacionados com os Direitos Humanos, o HIV/SIDA, a Saúde da Mulher, Programas de Desenvolvimento, Segurança Rodoviária, preocupações da comunidade, debates e entrevistas. A título de exemplo, veja a grelha:

HORA Domingo Segunda Terça
06.00 Kupfula Kuphula Kupfula
06.02 Bvi xile vayingiseti Bvi xile vayingiseti Bvi xile vayingiseti
07.00 Mahungu Mahungu Mahungu
07.05 Hikunavelela Sonto Yinene Vunanga bva Ntumbuluku Ta vu Dhahi
08.00 Rito ra Xitshungu Rito ra Xitshungu Rito ra Xitshungu
08.30 Vunanga bva Sonto A tinfanelo ta wena Vunanga bva África
09.00 Mahungo Mahungu Mahungu
09.05 Kutlulela ka xiputukezi Kutlulela ka xiputukezi Kutlulela ka xiputukezi
09.06 As Nossas Crianças Ponto Comercial Ponto Comercial
10.00
11.00 Nova Geração A voz da Comunidade A voz da comunidade
11.30 A Voz da Comunidade Os meus direitos Música moçambicana
12.00 Noticiário Noticiário Noticiário
12.15 Música para o seu almoço Divulgação/Um tema Divulgação/Um tema
13.00 Entretenimento Saudações Muthiyana Saudações Muthiyana
14.00 Noticiário Noticiário Noticiário
14.05 Desperta Juventude Informação Desportiva Nós e o desenvolvimento
15.00 Noticiário Noticiário Noticiário
15.05 Desperta Juventude (cont..) Segurança Rodoviária Segurança Rodoviária
15.58 Transição para Tsonga Transição para Tsonga Transição para Tsonga

 

A Rádio Muthiyana iniciou desde o ano 2004 o Projecto Desenvolvimento Através de Rádio (Development Through Rádio – DTR), que já criou 10 Clubes de Escuta nos distritos de Matutuíne, Magude, Boane, Namaacha, Manhiça, Marracuene e nos Bairros Albasine, Costa do Sol, Chiango e Zimpeto da Cidade de Maputo.

Os Clubes de Escuta consistem em grupos maioritariamente constituídos por mulheres que receberam da AMCS um rádio-gravador, cassetes e pilhas. Os Clubes de Escuta debatem os problemas que afectam as suas comunidades e gravam em cassetes que posteriormente são recolhidas para produção de programas radiofónicos divulgados pela Rádio Muthyiana.

A rádio opera com um quadro de pessoal de 24 pessoas, entre as quais, 10 efectivos e 14 voluntários.

O seu financiamento provém de duas fontes, a publicidade comercial (ínfima parte) e de patrocínios de alguns programas.

O que é a AMCS?

A Associação Moçambicana da Mulher na Comunicação Social é uma organização de mulheres que trabalham nos Órgãos de Informação, criada no dia 9 de Julho de 1998, como instrumento de luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres e pela mudança da imagem negativa da mulher veiculada pela informação no país. Os seus membros são jornalistas, fotógrafas, operadoras, locutoras, arquivistas, produtoras, etc.

A AMCS tem por missão promover e fortalecer o papel da mulher nos Medias para o desenvolvimento das comunidades marginalizadas, através do uso dos meios de comunicação social e de tecnologias de informação.

Objectivos

A AMCS tem por objectivos:

  • Lutar contra todas as formas de discriminação contra a mulher na Comunicação Social
  • Lutar pelo estabelecimento de relações de género equilibradas na Comunicação Social
  • Promover um maior envolvimento da mulher da Comunicação Social nas actividades sócio-profissionais
  • Defender os interesses específicos da mulher jornalista e de outras profissionais da Comunicação Social
  • Promover a elevação do nível académico e profissional da mulher da Comunicação Social
  • Incentivar a participação de um maior número de jovens mulheres nas diferentes especialidades da Comunicação Social.

Pretende-se também:

  • Sensibilizar a sociedade moçambicana através de programas educativos, de modo a mudar de mentalidade em relação ao papel da mulher no desenvolvimento do País
  • Promover o estatuto da mulher e lutar contra a violência doméstica e discriminação baseada no sexo, em todos os sectores de actividades
  • Informar as mulheres nas zonas rurais sobre os seus direitos e deveres, e sobre os mecanismos que devem seguir em caso de necessidade de recurso às instâncias jurídicas e judiciais.

Projectos da AMCS

A AMCS trabalha, desde a sua criação, em parceria com outras associações femininas moçambicanas e faz parte da Aliança para a Lei da Família, constituída pelas seguintes ONGs: AMMCJ, Fórum Mulher, MULEIDE, UNAC e WLSA Moçambique. O papel da AMCS nesta Aliança é de disseminar a informação através dos órgãos de comunicação social, bem como de sensibilizar os repórteres sobre a Lei de Família.

10 comentários a “93.5 FM: Rádio Muthiyana”

  1. Adelaide Come diz:

    Ola, sou da cidade da Beira, formadora na prevenção de HIV/SIDA e elaboração de projecto. Gostaria de saber as iniciativas da AMCS na área de HIV/SIDA.

  2. Maria José Arthur diz:

    Olá, mais abaixo envio o endereço de e-mail da Palmira Velasco, que dirige a AMCS, para que possa contactá-la directamente.
    Cumprimentos.

    velascopalmira@hotmail.com

  3. Carlos Mabombo diz:

    Bom,dizer que a iniciativa e muito positiva,continuem sempre assim batalhadoras para o bem das mulhres e sociedade em geral,parabens e sucessos uma vez mais.

  4. josue horacio diz:

    quero parabenizar a AMCS por esta iniciativa,e sobre tudo prabenizar pelos trabalhos que a radio tem vindo a fazer.sucessos para voces sao os meus votos

  5. Amarildo Chapamba diz:

    Sou estudante da UEM, tou aseguir o curso de jornalismo segundo ano.Tou afazer um trabalho de pesquiza na radio comunitaria muthiyana. Agradeco a dona Palmira por ter nos recebido na AMCS para fazermos a nossa pesquiza. Quero parabenizar a AMCS e o trabalho que a radio tem feito.

  6. CLEUSIA VALENTIM diz:

    ESTA RADIO E FANTASTICA

  7. Lemos J. Lemos diz:

    Continuem consciencializando os menos esclarecidos, o pais precisa de cidadãos e não povo!

  8. Luisa Suzana Sacala diz:

    Ola, sou estudante de ciencias de comunicacao social na area jornalismo. Gosto muito de ver iniciativas como esta para engrandecer o valor da mulher na nossa sociedade. Gostaria de receber se for possivel as vossas pesuisas sobre a participacao d a mulher nas radios comunitarias para juntar aos dados para a finalizacao da minha monografia.obraga.

  9. Webmaster WLSA diz:

    Cara Luisa. Já lhe mandámos uma resposta ao seu e-mail.

  10. Obed Alex Mapossa diz:

    Ola, É com todo o prazer que conheci a rádio. E de louvar a iniciativa apesar de já ter sido criada há bastante tempo e só agora é que conheci. Força na programação. Show

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique