WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

A linguagem abusiva como “direito de profanar” das mulheres

16
Nov
2016

O autor deste texto provocador discute a irreverência como forma de contestar relações de poder e de defender direitos.

Há que ver no “direito de profanar” um sinal de ruptura com os modelos sociais que enformam a submissão feminina. E aqui, é preciso ter coragem para aceitar, até, as teorias de relações internacionais que advogam que a guerra é uma oportunidade para moralizar a sociedade. Não se trata de incitar ao uso propositado da maldade para justificar o bem, mas sim de ver nos simples “gestos selvagens”, o quebrar com um “sagrado” que demoniza a vida humana. Estamos a falar da linguagem abusiva que comummente é utilizada pelas mulheres nas relações afectivas, mas que para os homens é uma evidência de falta de respeito. “Vai à merda”, “Vai-te lixar”, “Vai passear”. São expressões que surgem no contexto afectivo, principalmente, no meio urbano, e que se enquadram num conjunto de comportamentos estratégicos utilizados pelas mulheres para “romper” com o ciclo de violação impregnada na ideia de respeito, este sagrado vilão utilizado para mantê-las submissas em casa. Se em determinados contextos como o asiático, o riso sarcástico, a simples promessa de fazer as tarefas de casa, feita com intenção deliberada não fazer, são utilizadas para escapar da agressão, aqui é a “linguagem abusiva” que ecoa para romper com o “establishment”.

Não se trata de profanar por profanar, muito menos de apelar para o uso de tal linguagem, mas sim de sair do ritual quotidiano que estranha, evita, deplora o uso dessa linguagem e observar nelas um recurso, um escudo, uma estratégia utilizada pelas mulheres para romper com o mundo sagrado dos homens, marcado por um respeito que demoniza a vida delas. É essa a função do cientista social que o filósofo francês Michel Foucault nos traz quando discute “Gaia Ciência” de Nietzsche e a ideia de Spinoza de que precisamos de nos abster de estranhar, evitar e deplorar os objectos se os quisermos realmente conhecer.

Portanto, não vamos na senda do historiador romeno, Mircea Eliade, que procurou entender as lógicas religiosas que demarcam determinadas sociedades, através do binómio sagrado/profano. Esse modo de olhar as coisas é, em certo sentido, demasiado funcionalista, pois não nos permite vislumbrar no sagrado a presença do profano. Por exemplo, quando se olha para determinadas sociedades ao ritmo de Mircea Eliade, não se notará com facilidade que o sagrado está profundamente tingido de valores morais que violam os direitos humanos das mulheres. E é precisamente aqui onde o recurso ao profano, ao desrespeito, à linguagem abusiva, é necessária para operar mudanças.

Na análise que fez sobre os ritos de iniciação em Moçambique, Conceição Osório (2013) chegou à conclusão que a noção de respeito que é transmitida às raparigas que passam pelos ritos, vai muito além da ideia geral que se tem de respeito. Neles, o ensino do “respeito”, da divisão sexual de trabalho e do prazer são utilizados como dispositivos que visam manter o corpo da mulher subordinado ao poder masculino.

É neste contexto que o uso da linguagem abusiva deve ser visto como estratégia de luta para pôr em questão as assimetrias de poder nas relações conjugais; para reafirmar a igualdade do género humano; para garantir direitos. Não é de menos que correram no mundo as imagens de Putin, Merkel, Papa Francisco, Obama todos sentados na privada. Esta forma de representar o poder, de profanar, num contexto de luta pelos direitos de modo algum pode ser considerado uma violação dos direitos de personalidade. Ela representa precisamente o seu sinónimo, uma simples recordação de que todos e todas somos iguais. Neste sentido, o excesso não significará o extravasar dos limites, mas o seu antónimo, a luta pela continuação de um processo que deve culminar no reconhecimento de direitos.

Com efeito, é preciso um olhar atento para não ver na profanação, no uso da “linguagem abusiva” a simples manifestação de comportamentos absurdos. Na maioria das vezes estes representam uma estratégia de luta com vista a restaurar o equilíbrio de poder, que se perdeu na consagração daquilo que se considera sagrado, na veneração da ideia de respeito.

Certa mulher uma vez fez a seguinte pergunta: “Se nós os dois trabalhamos, voltámos a casa à mesma hora e cansados, porque é que tenho que ser eu a cozinhar?” Esta é a pergunta que muitas mulheres fazem, mas que os paradigmas que a sociedade oferece sobre o respeito e da submissão ao marido pouco dá em termos de resposta, por nela estarem precisamente incorporados os artefactos de submissão aos homens que enformam os princípios de respeito. E é neste ponto que o sagrado é profano e como tal precisa de ser violado.

 

Romão Kumenya

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique