WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

A violência no quotidiano de mulheres prostituídas em Moatize

Logo da Rede DSR
26
Ago
2014

Reunidas num treinamento sobre direitos humanos, mulheres que vivem da prostituição, moçambicanas, zimbabweanas e malawianas, testemunham o seu quotidiano de violência, protagonizada em grande parte pela polícia.

Por iniciativa da ICRH (International Center for Reprodutive Health), com parceria da WLSA, realizou-se uma capacitação designada de “Treino de grupo de alto risco sobre Direitos Humanos e Violência de Género”, em Moatize, na província de Tete. Na primeira parte, de 12 a 13 de Agosto, participaram polícias, agentes de saúde, da acção social, tribunais e algumas ONGs. Na segunda parte, de 14 a 15 de Agosto, o grupo alvo foram mulheres prostituídas, tendo-se reunido 26 participantes.

Durante os debates, foi tema recorrente a permanente falta de segurança e o clima de intimidação em que vivem as mulheres prostituídas, apontado como violação dos seus direitos humanos. O que torna a situação mais grave, é que a polícia é denunciada como a principal protagonista desta violência, ao mesmo tempo que não actua em sua defesa quando reportam agressões perpetradas por outras pessoas, que chamam de “bandidos”.

Invocando a ilegalidade da sua ocupação, agentes policiais com quem se cruzam extorquem dinheiro, violam individualmente ou em grupo, detêm-nas e obrigam-nas a fazer limpeza das esquadras de polícia.

As mulheres estrangeiras, normalmente em situação ilegal e sem passaporte ou visto, estão mais sujeitas a esta forma de chantagem e coerção.

Muitas mulheres desistem de buscar clientes nas ruas e atendem em casa, pois assim conseguem em parte fugir da polícia e dos “bandidos”. No entanto, denunciam que há “bandidos” que vão às suas casas e mesmo que estejam a dormir acordam-nas para pedir dinheiro ou para violá-las. Outras formas de extorsão é roubar-lhes o celular e só devolvê-lo mediante pagamento, ou então, depois de pagar, recuperar o dinheiro após o acto sexual.

A impunidade destes “bandidos”, afirmam, é maior pela inacção e indiferença da polícia.

Na primeira parte do treinamento, nos dois dias anteriores, os polícias, agentes de saúde, da acção social, tribunais e membros de ONGs, mostraram ter consciência deste problema e afirmaram que estão já a actuar. Foi dado como exemplo a condenação de um agente policial por violação e agressão de uma mulher prostituída. No entanto, os resultados desta acção ainda não se fazem sentir no terreno, como foi eloquentemente ilustrado pelas participantes na segunda parte do treinamento.

Uma participante declarou: “Direitos humanos é ser livre e ser feliz e também não ter medo de ninguém nem de nada; é também o desenvolvimento da comunidade”.

No final do evento, 9 de 18 participantes manifestaram que o que mais prezavam era o direito à liberdade.

Informe da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique