WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

As Maxi-Saias – do Resgate da Decência à Feminização da Indecência nas Escolas

30
Mar
2016

Este texto de opinião discute os argumentos utilizados para justificar a agressão sexual dos professores contra as suas alunas, como resultado da “provocação” que advém do uso das saias curtas. A autora mostra como as crianças estão a ser responsabilizadas pelas agressões que sofrem, perante o descaso e negligência do Ministério da Educação.

Sobre as saias maxi não há como ser indiferente. Até porque é o tema de actualidade das conversas de rua, corredores, redes sociais e canais de informação. É compreensível que o tema divida opiniões, é ainda mais compreensível que muitos outros cidadãos não estejam clarificados sobre a natureza dos debates à volta das mini e maxi saias.

Compreenda-se de que as escolas já há muito que deixaram de ser um espaço seguro para as meninas, em particular as adolescentes, por várias razões, e dentre elas o abuso sexual – o que é uma gritante forma de violação dos seus direitos humanos. Poderia chamar a atenção para os inúmeros factores que obrigaram ao Ministério da Educação a dar a mão a palmatória e a aceitar que existem abusos sexuais nas escolas, daí a Campanha “Tolerância Zero”. Se ainda vigora, não está a funcionar como deve ser, de contrário, foi esquecida.

Recordem-se que desde sempre o tamanho da saia de uniforme se recomendou que fosse abaixo do joelho e não consigo compreender onde estávamos nós (escola, Sociedade Civil, pai e encarregado de educação) que permitimos que esta chegasse à mini saia. É verdade que o Ministério está de parabéns pela iniciativa de fazer uma revisão ao uniforme escolar, mas há que sublinhar que foi infeliz na argumentação/justificativa apresentada, a basearmo-nos pelas entrevistas dos quadros do Ministério (jornal Notícias, 18 de Março). O próprio Sr. Ministro, nos órgãos de comunicação, “só meteu água”.

A questão da educação no país é uma vergonha. A qualidade dos alunos que saem do ensino público deixa muito a desejar. O elevado número de reprovações, põe em causa não só a qualidade do aluno, mas a qualidade do professor. As condições de infra-estruturas das escolas são outro assunto a se ter em conta na criação de um ambiente favorável para um bom processo de ensino e aprendizagem. Lamentavelmente, segundo o discurso do Ministério da Educação, as saias maxi vão melhorar o ambiente de ensino para o professor e repor a decência nas alunas assim como devolver o valor as escolas. Serão estas as reais razões para a uniformização do tamanho das saias? O que é que pretende o ministério transmitir com estas palavras já que para mim fica claro, que mais uma vez, as adolescentes com as suas mini-saias tiraram o valor da escola, se tornaram indecentes e minam o ambiente de trabalho do professor. Para mim isto é uma vergonha sem igual. Mais uma vez a escola está a reforçar os estereótipos de que a saia curta é indecente, quem põe saia curta está a pedir para ser violada, a carne é fraca, ao mesmo tempo que foge do seu papel de educar, ensinar que as pessoas têm que aprender a saber ser e saber estar, saber conviver e se adaptar as regras e hábitos saudáveis, saber respeitar os outros e a si mesmas, e isto transcende qualquer proibição.

Preocupou-me no artigo de opinião, no Notícias, no dia 24 de Março, sobre as saias maxi:

«Ilustres, sempre temos vindo a abordar sobre as tendências da “bordelização” das escolas moçambicanas e uma das causas é a forma de vestir das nossas educandas. Antes de professor, o profissional da educação, passa a repetição, é um Homem.

Tem sido comum, ver algumas das nossas educandas desfilando daquelas mini-saias nos corredores das nossas escolas, sobretudo, nas proximidades das salas dos professores, ostentando sua voluntariedade em serem possuídas.

Sentimos que já é tempo de nos questionarmos sobre quantos professores perderam seus lares por causa das saias curtas e justas de suas alunas, quantos já perderam seus empregos, sobretudo, nas escolas secundárias de ensino-privado. De certeza, muitos!»

Até que ponto temos consciência do impacto destas afirmações que não só são escritas nos artigos de opinião, mas também ditas de forma irresponsável e inconsequente? Que sociedade estamos a querer construir e que modelos de educação estamos a reproduzir, com abono do Ministério da Educação?

É um insulto dizer que as mini saias ostentam a voluntariedade em ser possuídas. É um insulto maior ainda dizer que o professor além de profissional é homem. Ou será isto uma proposta a que voltemos para o debate de sexo e profissões, porque sim, estaríamos a dizer os gineco-obstetras que não abusam as suas pacientes têm a sua masculinidade em causa.

Verdade é que nem as saias maxi e nem as camisas de mangas compridas, fechadas até ao último botão (que já é proposta nas redes sociais) vão resolver o assunto dos abusos sexuais nas escolas e nem melhorar a qualidade de educação. Se alguma coisa precisa de revisão urgente nas escolas é a purificação dos quadros da educação, professores abusadores e pedófilos não podem ser vistos como vítimas porque não o são. Professores abusadores e pedófilos são abusadores e pedófilos e a Escola não é um lugar para eles e sim a cadeia. Nunca as adolescentes e as saias curtas devem ser vistas como responsáveis pelos lares desfeitos dos professores. Isto é desprezível. E lamentavelmente, a imposição das saias maxi só reforça este conjunto de insultos e expõe a figura das meninas adolescentes como um perigo para os homens e seus lares. Isto é para ser veementemente desmentido e desconstruído.

Convido a todos a vivenciar o ambiente desconfortável que as maxi-saias causam nas paragens na hora do chapa. Se já “apanhar” o chapa era uma confusão, as saias maxí reforçaram o caos. Já alguém pensou no desconforto das saias maxi nos dias de chuva? E nos de intenso calor? O que será que faz das escolas que impõem as saias maxi melhores que as que simplesmente exigem um palmo a baixo do joelho?

Construir uma sociedade que privilegia os princípios de respeito por si e pelos outros, independentemente da roupa, raça, etnia, religião, cultura, estado civil é um dever de todos, assim como é dever de todos repudiar acções, pensamentos, atitudes, valores que estigmatizam, discriminam, hostilizam, oprimem. A solidariedade entre as pessoas tem que ser parte de todos nós.

É hora de dizer aos rapazes, as meninas têm direitos ao lazer e circulação, tal como vocês, andam a noite e vão a espaços públicos, não as violem e nem abusem sexualmente, respeitem-nas. É hora de dizer aos professores, as alunas adolescentes são crianças e não mulheres, portanto, eduquem-nas e não as abusem sexualmente. É hora de dizer, somos seres humanos, racionais, e não animais. A consciência tem que apitar a todo acto errado que pretendermos fazer. É tempo de educar e não de punir e nem justificar o erro.

Maria Feliciana Velemo

Um comentário a “As Maxi-Saias – do Resgate da Decência à Feminização da Indecência nas Escolas”

  1. […] No início do ano lectivo, numa tentativa de resgatar a honra e valores de outrora, S. Excia. Senhor Ministro decidiu implementar a obrigatoriedade do uso das maxi-saias. […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Novos livros

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique