WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Campanha contra o Despacho 39

14
Ago
2018

Conheça um pouco mais sobre a Campanha contra o Despacho 39, que obriga as meninas grávidas a saírem do turno diurno e a frequentarem as aulas nocturnas, razão pela qual muitas desistem de estudar. Informe-se e junte-se a nós pelo direito à educação.

Em 2003, o Ministério da Educação aprovou o Despacho Ministerial nº 39/GM/2003 que tem uma forte vertente punitiva: proíbe o envolvimento sexual dos professores com as alunas, determinando sanções, e estabelece que toda a aluna grávida deve ser transferida para o curso nocturno.

Esta medida foi tomada com intuito de combater a violência na escola e reduzir o número de gravidezes nas escolas e consequentemente o número de desistências. No entanto, ao aprovar e implementar este despacho (parcialmente), o Ministério da Educação não resolveu o problema da violência praticada contra a rapariga, apenas priva as crianças do direito à educação.

A aplicação foi parcial na medida em que a regra aplicada (não oficial, mas de todos conhecida) contra os professores pedófilos, que agridem sexualmente as alunas, foi de transferência para outra escola, onde com certeza ele continuou/continuará com a sua carreira de predador.

É dever do Ministério da Educação estabelecer sistemas de apoio e de prevenção que prestem às jovens informação para evitar gravidezes precoces, ao mesmo tempo que, para as raparigas já grávidas, as enquadrem e apoiem para que não desistam de estudar.

Ao transferir a rapariga grávida para o curso nocturno, não se percebe o que se está a punir: o ter engravidado? Ou as relações sexuais fora do casamento? Nenhuma destas situações configura um crime no nosso ordenamento jurídico. Até porque a sociedade tem tido uma grande tolerância com o “casamento” prematuro, em que crianças são entregues a homens mais velhos para os servirem sexualmente e muitas delas engravidam bastante novas.

Para as comunidades e pelos vistos também para a escola, a rapariga é que cria condições para ser engravidada, violentada e/ou assediada pela forma como se veste e se comporta. É importante que os agentes do Governo, especialmente o Ministério da Educação, percebam que a questão da violência contra as raparigas enquadra-se em um contexto mais amplo de discriminação contra as mulheres e de violência baseada no género.

O Despacho 39 continua, assim, a violar grosseiramente os direitos das raparigas e a expulsar as meninas para o curso nocturno, onde elas não permanecem por situações de segurança e por condições incompatíveis com a sua idade e estado de gravidez. Isto, num país em que a desistência escolar das alunas é grande: em Moçambique, apesar de 52% da população ser constituída por mulheres, apenas 47,3% do total das crianças matriculadas são raparigas e destas, cerca de 37% desistem antes de completar o ensino primário (PEE, 2012-2016).

Perante esta situação e os numerosos e inúteis esforços junto ao Ministério da Educação para eliminar o Despacho 39, organizações da sociedade civil, a maior parte das quais organizadas em torno do Movimento de Educação Para Todos (MEPT), decidiram lançar a presente Campanha Contra o Despacho 39, para sensibilizar as instituições do Estado e a sociedade, sobre a grande violação dos direitos das raparigas, sobretudo o direito à educação.

Visite então o FaceBook da Campanha

Veja também entrevistas e debates sobre o tema, promovidos pelo MEPT, nos seguintes links:

Leia também:

Cartaz da Campanha

 

3 comentários a “Campanha contra o Despacho 39”

  1. Rogério de Melo diz:

    Concordo com as fundamentos para impugnar o despacho.

  2. KULIMA diz:

    realmente é vergonhoso e a luta deve continuar e com força!

  3. Helena Chiquele diz:

    Este despacho está alinhado à ideia de que as meninas são culpadas pelo que lhes acontece e por isso devem ser punidas. Està igualmente alinhado com a ideia de que as meninas não mais devem o ser uma vez gravidas e que devem imediatamente ser graduadas para a idade adulta e por isso devem ser desprovidas dos direitos que lhes assistem como crianças. Abaixo o decreto 39! Abaixo já!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa

 

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique