WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Comunicado da Frente Rio + 20 de Feministas e Mulheres

Desenho de Malangatane
24
Jun
2012

Está neste momento a decorrer a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável no Rio de Janeiro (Rio + 20), vinte anos depois da Cimeira da Terra que se realizou em 1992, na mesma cidade. Este evento conta com a participação de governos e de agências internacionais e de representantes de sectores privados e ONGs. A Rio + 20 tem uma importância fundamental para delinear estratégias de redução da pobreza e das desigualdades sociais, ao mesmo tempo que se assegura um desenvolvimento sustentável. Uma frente de organizações feministas e de mulheres emitiu um comunicado urgente.

 

Comunicado da Frente Rio + 20 de Feministas e Mulheres Convocadas no Território Global das Mulheres

Fonte: Varias organizações feministas e de mulheres

21/06/2012

Organizações feministas e de mulheres de diferentes países reuniram-se no Território Global das Mulheres na Cúpula dos Povos, para se manifestarem perante os governos que participam na Conferência do Rio + 20 a fim de denunciarem a violação sistemática dos compromissos mínimos assumidos na Conferência Eco 92 (Rio 1992) e as falsas soluções para alcançar um desenvolvimento sustentável baseadas na financiarização da natureza e o aprofundamento de um modelo de produção e de consumo que é injusto e insustentável. A urgência de limites naturais torna ainda mais dramáticas as decisões que os governos assumem para endereçar as causas estruturais da crise sistémica.

A crise global do sistema capitalista continua explorando os bens comuns, a privatização dos recursos naturais e a mercantilização dos direitos de acesso. Uma crise que tem as suas raízes na combinação perversa do capitalismo, patriarcado e racismo – sistemas que estruturam desigualdades e injustiças, a militarização, a divisão sexual do trabalho, o racismo ambiental, a violação dos corpos das mulheres, entre outras formas de dominação e exploração das mulheres no nosso mundo e nas nossas sociedades.

Esta crise é de civilização. Abrange elementos económicos e financeiros, mas também políticos, ambientais, culturais e sociais. Ela envolve a destruição da biodiversidade e dos recursos naturais, permitindo a consolidação de novas formas do patriarcado que incentivam e sustentam a criminalização da acção dos movimentos sociais.

Rejeitamos a imposição de um modelo económico e de desenvolvimento que gera e aumenta as desigualdades. Que destrói a natureza e a mercantiliza, inventando, cinicamente, uma “economia verde” que aumente as taxas de crescimento e o lucro dos mercados. Um modelo que prefere salvar os bancos e os banqueiros embora a precariedade e o desemprego deixem na rua milhões de pessoas. Um modelo baseado no lucro e na concorrência, onde mais importante do que a cidadania das pessoas é a sua qualidade de consumidores. Um sistema que se baseia em forças retrógradas e fundamentalistas para sair da crise que gerou.

O movimento de mulheres e feminista participou activamente na Conferência do Rio de 1992, lutou e está lutando todos os dias para efectivar os direitos humanos e, em particular, os direitos humanos das mulheres e questionar as bases do sistema capitalista. Os nossos movimentos não estiveram silenciosos durante todos esses anos, quando muitos governos e agências internacionais não cumpriram e não prestaram contas sobre os compromissos assumidos no Rio 92.

Rejeitamos a acção ilegítima do G20, que, reunidos agora no México, pretende trazer um pacote de medidas já definidas, sequestrando a democracia de um sistema internacional multilateral, estabelecendo uma agenda para o aprofundamento da financiarização do sistema económico e a mercantilização dos direitos, bem como o aprisionamento das corporações das Nações Unidas por multinacionais que procuram substituir os direitos que devem ser garantidos pelos Estados por serviços.

Exigimos que os governos e as agências internacionais presentes no Rio + 20 não retrocedam nos compromissos assumidos pelos Estados em termos de direitos humanos. Exortamos os Estados presentes nesta Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável para que tomem medidas eficazes e garantam os recursos necessários para implementar o que foi acordado em Viena 1993, Cairo 1994, Beijing 1995, Eco 1992 (Rio) e Durban 2001.

Exigimos a efectivação dos direitos humanos individuais e colectivos, dos direitos sociais, culturais e ambientais, dos direitos reprodutivos, dos direitos sexuais das mulheres e das meninas, dos direitos económicos, do direito à educação, do direito à segurança e à soberania alimentar, do direito à cidade, à terra, à água, do direito à participação política justa e igualitária.

Rejeitamos a falsa solução representada pela chamada “economia verde”, um instrumento que faz avançar e não retroceder o impacto predatório da mercantilização e a financiarização da vida, promovidos pelo capitalismo.

Finalmente, afirmamos que não reconhecemos a validade dos compromissos governamentais expressos na forma de programas mínimos, incapazes de cumprir com a responsabilidade pública que os governos e as agências internacionais deveriam assumir para assegurar os direitos humanos das mulheres. Não aceitamos paliativos, que se deixem intocadas as causas estruturais dos problemas sociais, económicos e ambientais, reproduzindo e agravando as múltiplas formas de desigualdade vividas pelas mulheres, bem como as injustiças socio-ambientais.

Não nos bastam nem objectivos reduzidos, tais como os ODM, nem aqueles propostos agora – os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável, que se propuseram fora do âmbito dos direitos humanos, abrindo caminho para a privatização e a participação de empresas multinacionais na sua concretização.

Exigimos a efectivação dos direitos de todos os povos do mundo aos seus territórios e aos seus modos de vida. Defendemos o direito das mulheres à igualdade, autonomia e liberdade em todos os territórios em que vivemos e especialmente aos nossos corpos, que é o nosso primeiro território.

Rio de Janeiro, 19 de Junho de 2012

 

Nota acrescentada em finais de Junho: Leia mais sobre o Rio+20.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique