WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Assinalando o Dia Internacional de Acção Pela Saúde das Mulheres

28 de Maio
25
Mai
2015

A Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos comemora o 28 de Maio, Dia Internacional de Acção Pela Saúde das Mulheres. Esta é uma oportunidade para chamar à atenção para problemas de saúde e deficiências nos serviços sanitários que Moçambique ainda enfrenta. Várias actividade estão previstas em escolas, unidades sanitárias e associações. Veja a seguir o comunicado de imprensa.

Logo da Rede DSR

Comunicado da Rede de Defesa dos Direito Sexuais e Reprodutivos

Por ocasião do 28 de Maio, Dia Internacional de Acção Pela Saúde das Mulheres

“É preciso investir mais na saúde das mulheres”

 

Postal 28 de Maio 2015Nós, organizações da sociedade civil reunidas em torno da Rede de Defesa dos Direito Sexuais e Reprodutivos, não queremos deixar de aproveitar as comemorações desta efeméride para chamar à atenção para os graves deficits no âmbito da saúde das mulheres, que o nosso país ainda enfrenta. É necessário envidar mais esforços e garantir mais recursos, se quisermos melhorias substanciais a fim de ultrapassar estes problemas.

Os resultados do Inquérito Demográfico e de Saúde, referentes a 2011, revelam que certos indicadores são muito baixos e necessitam de um esforço concertado de vários sectores para a sua melhoria. Moçambique tem várias políticas e programas, mas muitas vezes não dispõe dos recursos nem humanos nem materiais para a sua implementação e monitoria.

Nesta data, queremos destacar os seguintes aspectos:

  • A taxa de mortalidade materna (expressa pelo número de óbitos maternos por 100 000 nascidos vivos) passou de 975 em 1997, para 408 em 2003. Este número não se alterou em 2011, mostrando que embora tenha havido melhorias entre 1997 e 2003, entre 2003 e 2011 a situação estagnou, e Moçambique continua a ser um dos países da SADC e do mundo com uma taxa alta de mortalidade materna.
  • Para esta situação concorre o facto de que em 2011, somente cerca de 1 em cada 2 partos ocorreu em unidades sanitárias, e, destes, menos de 3 em cada 100 tiveram assistência de um médico. Cerca de metade foram assistidos por uma parteira ou enfermeira do SMI, e os restantes por pessoal de saúde menos qualificado ou por parentes.
  • O uso de contraceptivos também ainda não responde às necessidades das mulheres: somente cerca de 1 em cada 10 mulheres vivendo em união e 3 em cada 10 mulheres solteiras sexualmente activas usam algum método moderno de contracepção. A situação varia muito entre as províncias, sendo a cidade e a província de Maputo com maior prevalência, enquanto as províncias de Cabo Delgado, Zambézia e Nampula apresentam os menores índices. Esta situação agravou-se entre 2003 e 2011, com a diminuição da prevalência do uso de contraceptivos (de 14% a 12%) e o aumento do nível de necessidades não satisfeitas de contraceptivos (a percentagem de mulheres que não gostariam de engravidar mas não usam nenhum método contraceptivo) de 18% a 29%.
  • As mulheres entre os 15-49 anos de idade apontam como problemas no acesso aos cuidados de saúde para elas próprias quando estavam doentes, por ordem de importância: a distância até à unidade sanitária, obter dinheiro para o tratamento, não querer ir sozinha e obter permissão para ir ao tratamento.
  • Uma em cada três mulheres entre os 15-49 anos relata ter sofrido violência física desde os 15 anos, referindo o marido ou parceiro íntimo como o autor em 62% destes casos, e 12% das mulheres relata ter sofrido violência sexual desde os 15 anos de idade. Isto tem efeitos marcantes na saúde das mulheres mas o silêncio e a ainda fraca existência de serviços de saúde adequados, impede o acesso aos cuidados necessários.

Perante esta situação, a Rede de Defesa dos Direito Sexuais e Reprodutivos insta o Governo e todos os sectores da sociedade a investir mais na saúde das mulheres, respeitando os compromissos assumidos internacionalmente e contribuindo, assim, para a sua plena participação no desenvolvimento.

Maputo, 26 de Maio de 2015

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Novos livros

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique