WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Do direito a lutar por uma vida sem violência

Desenho de Malangatane
14
Jul
2006

Nota escrita para ser publicada como direito de resposta. Como o assunto diz respeito à proposta de lei contra a violência doméstica, achamos importante divulgá-la.

No dia 21 de Maio de 2006, no jornal Domingo, foi publicado um artigo assinado por Mini Macatai Mathendja, obviamente um pseudónimo, onde:

  • Se defendia a imutabilidade do Direito;
  • Se procurava mostrar o erro que foi ter aprovado a Lei de Família, apesar da pressão das “meninas rancorosas do Fórum Mulher”;
  • Se procurava alertar para não se cometer o mesmo erro com a aprovação de uma Lei contra a violência doméstica.

Na verdade, muitas mais coisas neste artigo merecem discussão, mas, antes disso, esclareçamos alguma confusão sobre o Direito:

  1. O Direito é um conjunto normativo que responde às necessidades da organização social. Isto significa que a sua evolução corresponde às mudanças da ordem social. Acontece que é a sociedade com os fenómenos e os mecanismos que a estruturam, que permite a produção de reguladores que são (mais cedo ou mais tarde) reflectidos em leis adoptadas pelos Estados. Portanto, o Direito evolui como qualquer outro campo de conhecimento: tal como a matemática e a física é a reflexão sobre novas realidades empíricas que permite o avanço científico.
  2. Não se escreve hebeas corpus, mas sim habeas corpus.
  3. O Direito não contém nada que não se encontre na realidade social, pois é essa realidade que impõe a necessidade de uma regulação; por exemplo, se nunca tivessem existido roubos não haveria legislação sobre esse crime. No entanto, para que haja lei, não basta que os fenómenos existam: é preciso que sejam regulares, estáveis, e que a sua ocorrência careça de respostas que só o Estado pode dar. Para que haja nova legislação, não é contudo suficiente a existência dos fenómenos que ameaçam a estabilidade social, é preciso que os actores sociais se mobilizem e exerçam os seus direitos de cidadania.

Assim, se o Direito tem como função articular e dar corpo a novas situações e problemas, interrogamo-nos: a que novas realidades corresponde o surgimento da Lei da Família e do Ante Projecto da Lei Contra a Violência Doméstica?

O articulado do Código Civil que antes da aprovação da nova Lei de Família regulava as relações na esfera familiar, datava de 1966, incorporando no seu conteúdo disposições que contrariavam os princípios constitucionais. A grande novidade na nova Lei é a consagração da igualdade entre homens e mulheres na vigência do matrimónio. Haverá alguém que ache que a Constituição não deve ser respeitada? Exigir os direitos que a Constituição do país nos dá, é ou não é um dever de todos os cidadãos? Ou será que o Sr. Mini Macatai Mathendja nos está a tentar dizer que a Lei de Família foi aprovada para “ficar bem na fotografia”, mas que afinal ninguém concorda que as mulheres tenham os mesmos direitos que os homens?

Por favor, se esse é o caso, falemos claro. E que também fique claro que nós, activistas dos direitos humanos das mulheres, estamos cansadas de insultos. Nós não somos “as meninas” nem as mulheres de ninguém (“as nossas mulheres”). Somos cidadãs de pleno direito a exercer os nossos direitos de cidadania. E como tal exigimos respeito.

O ponto central do artigo é a proposta de lei contra a violência doméstica. E aqui podemos apercebermo-nos de que a posição do Sr. Mini Macatai Mathendja é a seguinte:

  1. As mulheres que propõem a lei são rancorosas (rancor, s.m. – Ódio profundo; grande aversão). Têm rancor a quê? Aos homens que voltam bêbados a casa e ainda gritam com a esposa ou parceira e lhe batem, forçando-as a ter relações sexuais. Perguntamos: haverá alguém que não tenha “ódio profundo” ou “grande aversão” a este tipo de comportamento? Aparentemente, o Sr. Mini Macatai Mathendja acha ser este um comportamento normal, ou não insultaria quem honestamente quer propor um instrumento legal para criminalizar e conter estas agressões.
  2. Esta proposta de lei abre espaço para a vigarice das mulheres. Mais outro insulto, embora não explicado.

Sr. Mini Macatai Mathendja, a legislação que actualmente é aplicável à resolução dos conflitos domésticos data do século XIX e revela graves lacunas conceptuais no que respeita a entender a natureza sociológica do fenómeno da violência de género e da violência doméstica. A necessidade de combate a esta forma de violência afirma-se cada vez mais e é até um compromisso assumido pelo próprio governo, expressando o nível de consciência de amplos sectores da sociedade. Como já dissemos, o direito não é uma abstracção, mas um produto de relações sociais, a expressão jurídica da distribuição de poder numa dada situação. Como tal, o direito deve estar ao serviço das necessidades e das perspectivas das pessoas, respeitando os seus direitos básicos.

Não é mais admissível que as mulheres tenham de suportar maus-tratos físicos, psicológicos e económicos por parte dos seus maridos ou parceiros, enquanto o Estado e todos os cidadãos viram a cara para o lado e fingem que nada acontece. Chega de agressões, chega de assassinatos! E este não deve ser um problema que preocupe só as mulheres. Todos os cidadãos conscientes dos seus direitos e deveres, deverão mostrar um salutar rancor, ódio profundo ou grande aversão à violação grosseira e ultrajante do direito das mulheres à sua integridade física, à sua dignidade e à sua segurança.

O Conselho de Direcção do Fórum Mulher

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique