WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Encontro de Reflexão sobre a Revisão ou Reforma do Código Penal

Desenho de Malangatane
01
Dez
2011

Realizou-se no dia 21 de Novembro de 2011 em Maputo, um encontro de reflexão sobre a proposta de revisão do Código Penal de 1886. Esta reunião foi organizada pela WLSA Moçambique e pela AMJ (Associação Moçambicana de Juízes), com o objectivo de analisar a proposta de revisão do Código Penal submetido à discussão na Assembleia da República, uma vez que, até à data, não foi dado espaço aos diferentes sectores da sociedade, incluindo às Organizações da Sociedade Civil de expressarem as suas posições.

Estiveram presentes no encontro várias organizações da Sociedade Civil e representantes de Instituições Públicas (TJCM – Tribunal Judicial da Cidade de Maputo, CTV – Centro Terra Viva, CFJJ – Centro de Formação Jurídica e Judiciária, FDC – Fundação para Desenvolvimento da Comunidade, FDUEM – Faculdade de Direito da Universidade Eduardo Mondlane, ROSC – Fórum das Organizações da Sociedade Civil, AMJ – Associação Moçambicana de Juízes, OAM – Ordem dos Advogados de Moçambique, MMAS – Ministério da Mulher e Acção Social, Procuradoria de Maputo, UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância, IBIS, IESE – Instituto de Estudos Sociais e Económicos, CIP – Centro de Integridade Pública, LAMBDA, LDH – Liga Moçambicana dos Direitos Humanos e a SCIMOZ – Save the Children).

A análise da proposta foi feita em dois momentos. Num primeiro reflectiu-se sobre aspectos gerais e num segundo momento a discussão centrou-se mais em aspectos específicos relativos aos direitos da mulher, criança, casos de corrupção e meio ambiente.

Algumas constatações resultantes das análises e discussões

Em relação aos aspectos gerais destacou-se que o proponente não fez uma profunda revisão do Código Penal e sim alterações superficiais.

Quanto aos aspectos específicos salientou-se que:

  • Prevalecem na proposta da revisão do Código Penal aspectos que são atentatórios dos direitos humanos das mulheres, como o uso de conceitos polissémicos podendo ter uma aplicação diferenciada para homens e mulheres, exemplo dos conceitos de honra/desonra e honestidade;
  • Nos crimes de estupro sublinhou-se que ainda se está, pura e simplesmente, a proteger a virgindade das crianças, deixando desprotegidas outras crianças não virgens. Protestou-se contra a virgindade como elemento tipificador e destacou-se essencialmente a sedução;
  • A proposta do Código Penal continua ainda fazendo alusão aos crimes de violação apenas contra mulheres, estando desactualizada em relação ao contexto actual em que existem casos de violação de crianças de sexo masculino ou através da prática do coito oral ou anal ou ainda através de utilização de instrumentos e outros objectos para fins de satisfação sexual;
  • O princípio de denúncia prévia do ofendido ou do seu representante constitui manifesto atentado à liberdade e direitos das crianças, principalmente nos crimes sexuais que são praticados pelos seus representantes e ou familiares. Nestes casos nem os representantes da criança, nem a própria criança estão em condições de denunciar. O poder reverencial que a criança tem pelo adulto impede-a de fazer a denúncia. Os familiares só denunciam quando fracassa a sua tentativa de negociar uma compensação monetária ou matrimonial do agressor com a criança, promovendo assim uniões forçadas;
  • Por outro lado, em casos de crimes de violação sexual de menores os pais e os familiares próximos não são considerados encobridores, em caso de não denúncia do crime e, portanto, são ilibados. Esta questão é muito importante já que a maioria dos crimes são cometidos no âmbito doméstico por pais, padrastos e tios.
  • Foi ainda visto que a definição de criança subscrita por Moçambique considera as idades entre os 0 e os 18 anos, pelo que os crimes de violação sexual, com carácter público, devem abranger crianças até aos 18 anos.
  • Também foi discutido que a moldura penal apresentada pelo proponente para os crimes de violação sexual (dos 2 aos 8 anos de idade) era menor que o crime de furto, tendo sido considerado isto uma aberração.
  • A proposta da revisão do Código Penal trata de forma indirecta os crimes ambientais. Criticou-se o facto de não fazer menção da necessidade do respeito dos recursos de subsolo, da poluição do habitat e indemnização pelos danos cometidos pelas empresas.

WLSA Moçambique

 

* * *

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique