WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Essas gajas são humanas, Ta Basily!

Desenho de Malangatane
18
Fev
2009

OPINIÃO

O artigo insultuoso que o Sr. Mabunda publicou no dia 30 de Janeiro não suscitou apenas uma reação das organizações de mulheres. No dia 12 de Fevereiro o jornal “O País” publicou na “Página do leitor” o artigo que reproduzimos aqui.

Essas gajas são humanas, Ta Basily!

Respeito o exame de consciência e o esforço que Lazaro Mabunda, autor de um controverso artigo com o título “Essas gajas são loucas, Ta Basily!”, saído na página de opinião do jornal “O País” do dia 30 de Janeiro de 2009, onde procurou demonstrar por artifícios de linguagem ao seu amigo Ta Basily a legitimidade da violência contra a sua mulher, por esta ter desobedecido a uma ordem sua, mas não posso deixar de manifestar a minha discordância em relação aos argumentos do articulista para fazer uma abordagem a um assunto extremamente complexo, “A violência doméstica”. É verdade que as organizações que lutam há bastante tempo contra a violência, não deixaram de manifestar o seu espanto em relação ao artigo em questão, pois o autor do mesmo, longe de procurar fazer uma análise exaustiva, caiu no lugar comum de afirmar que os que lutam contra a Violência Doméstica o fazem apenas por uma questão de sobrevivência estomacal ou capricho apenas.

Meu amigo Mabunda, o estudo de uma temática como “a Violência Doméstica” é central para a análise das relações de género, onde podemos entender as mutações históricas tanto na família, como na reprodução e na sexualidade. Numa época de grandes transformações sociais, como as que vivemos em Moçambique e no Mundo, importa perceber as modificações dos sentidos, dos hábitos e das mudanças subjectivas de género e analisar a constante transformação da ordem patriarcal, na qual a violência contra as mulheres se desenha como uma dimensão simbólica juntamente com a sexualidade e a maternidade, a violência contra as mulheres aparece como mais uma dimensão de controlo de seu corpo. Como tal, este fenómeno não se esgota com a ocorrência de episódios violentos, físicos, ou psicológicos, mas tem também expressão discursiva (do tipo Mabunda a Ta Basily) que vai no sentido de legitimar a ordem patriarcal e as suas instituições, justificar a violência de Ta Basily contra a sua mulher, como expressão legítima do poder masculino. Outro facto é que, a violência contra as mulheres tem um carácter estrutural. As lógicas de conduta dos agressores os discursos trazem implícito um sentido fundado num horizonte comum de ideias socialmente partilhadas. Homens e mulheres, nascendo, crescendo e vivendo numa sociedade patriarcal, incorporam a ordem dominante, o que significa não só aderir as normas, mas subscrever ideias, crenças e valores, que não se reconhece como fazendo parte de um sistema social específico, historicamente situado, mas sim como sendo da ordem natural. É esta “naturalização” da dominação de Ta Basily contra a sua mulher, que pode ser aferida pelo facto de que ela não precisa de justificação; as organizações feministas não devem lutar contra ela, a Assembleia da República não deve legislar sobre isso; a visão androcêntrica impõe-se como neutra e não tem necessidade de se enunciar, visando a sua legitimação. (….)

Uma relação de poder implica que aquele sobre quem é exercida, reconheça a sua legitimidade. Embora neste contexto a violência seja sempre uma possibilidade, uma relação de poder (…). Desta forma, se por um lado a dominação Basiliyana se mantém sobretudo porque tanto dominantes (Mabunda e outros…), como dominados partilham a mesma visão do mundo e da ordem que ele deve ter, por outro lado a possibilidade da violência esta sempre presente. Violência que surge em reacção ao que é percebido como desordem no comportamento feminino e que segundo “palavras” de Ta Basily, resulta do mandato moral e moralizador para reduzir e aprisionar a sua mulher na sua posição de subordinada, por todos os meios possíveis, recorrendo à violência sexual, psicológica e física.

Meu amigo Mabunda, um vasto leque de organizações da sociedade civil constituiu no dia 21 de Janeiro do corrente ano, a rede de “Homens pela mudança”, na qual desde já está convidado a participar, levando naturalmente consigo Ta Basily e sua esposa. Esta Rede congrega várias organizações e instituições que assumiram o compromisso de trabalharem juntas para a redução das desigualdades de género promoção da saúde, assim como o bem estar de mulheres, homens e crianças. A rede focaliza-se na construção de um compromisso, capacidade de implementação e documentação de intervenções efectivas em homens e rapazes, bem como desenvolver acções de advocacia no sentido de influenciar as políticas públicas para o alcance de tais objectivos.

As metas e objectivos da Rede “Homens pela mudança” são de entre outras, criar uma sociedade mais igualitária em que homens, rapazes, mulheres, raparigas partilham as mesmas oportunidades para a realização dos seus Direitos Humanos. Para concretizar esta meta, a rede “Homens pela Mudança”, pretende alcançar três objectivos, aumentar o grau de compromisso de organizações internacionais e governos e governos nacionais, bem como promover a igualdade de género, prevenir o HIV/SIDA e a violência; fortalecer as lideranças e capacidades técnicas de projectos existentes e novos Projectos no engajamento de rapazes e Homens na promoção da igualdade de género, apoiar sistemas de gestão de conhecimento que partilhem informação, recursos, instrumentos e melhores práticas de trabalho com rapazes e homens.

Com o recente crescimento de programas de saúde e direitos humanos na perspectiva de género focalizados no homem em Moçambique, estão criadas as condições para um crescimento harmonioso do país, onde todos são respeitados e são felizes nas suas vidas!

Nunca mais será como dantes!

Admiro Gama

* * *

Um comentário a “Essas gajas são humanas, Ta Basily!”

  1. stormbreaker diz:

    mozambique nunca vai densenvolver…olha so pra o site ….PRETO & BRANCO????!!!!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique