WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Exigimos a Liberdade de Imprensa e de Expressão das Rádios Comunitárias

18
Out
2018

Num comunicado de imprensa emitido a 16 de Outubro de 2018, o Fórum Nacional das Rádios Comunitárias, FORCOM, reivindica mais liberdade de imprensa e expressão das rádios comunitárias, dado o recente aumento do número de ameaças sofridas pelos jornalistas durante as ultimas eleições autárquicas.

 

Logotipo da FORCOM

Exigimos a Liberdade de Imprensa e de Expressão
das Rádios Comunitárias

COMUNICADO

O clima de ameaça, intimidação e intromissão no trabalho das Rádios Comunitárias, por supostos membros e simpatizantes de partidos políticos, ganhou terreno nos últimos dias, com a realização das eleições autárquicas de 2018 no país, O que tem suscitado enorme preocupação do FORCOM, das Organizações da Sociedade Civil e do público em geral. Ora vejamos:

Ameaças a Rádio Catandica

Durante a campanha eleitoral, concretamente no dia 26 de Setembro de 2018, a Rádio Comunitária Catandica, localizada no Distrito de Barué, Província de Manica, sofreu ameaças e intimidações supostamente protagonizadas pelo cabeça de lista do partido FRELIMO na vila de Catandica, Sr. Domingos Cassuada Tuboi, que efectuou uma chamada telefónica ao coordenador da rádio em referência, Joaquim Mantrujar, pelas 9:37, manifestando o seu desagrado para com o trabalho jornalístico desta estação radiofónica, ainda que esta tenha actuado dentro dos princípios éticos e deontológicos do jornalismo, pautando pelo rigor e imparcialidade nas matérias em alusão.

O outro caso registou-se no sábado, dia 29 de Setembro, onde supostamente o porta-voz do partido FRELIMO ao nível da Vila de Catandica, Meireles Alfredo, ameaçou ao jornalista da rádio comunitária Catandica, Lucas Fopenze, por volta das 19:20, nos seguintes termos: “o seu nome está a circular muito lá no partido porque há notícias falando verdades da Frelimo, que não deviam ser publicadas…”. Uma das principais causas desta ameaça foi um alegado bloqueio das principais vias de acesso da vila, por parte da Polícia de Trânsito, para dar lugar a acções de campanha eleitoral do Partido FRELIMO, assunto que foi objecto de contestação por parte dos munícipes durante os programas produzidos pela rádio.

Ameaças a Rádio Encontro

Após a Rádio Encontro ter efectuado a cobertura do processo eleitoral autárquico na cidade de Nampula, no dia 10 de Outubro, estranhamente, depois da divulgação dos resultados intermédios, pela Comissão Provincial de Eleições, na tarde do dia 12 de Outubro, os jornalistas desta emissora católica, os padres Benvindo Tápua e Cantífula de Castro, começaram a receber ameaças de morte protagonizadas por desconhecidos, por meio de chamadas telefónicas anónimas, alegando que aquela Rádio inviabilizou a possibilidade de a FRELIMO vencer a eleição naquela autarquia. As chamadas foram efectuadas no dia 13 de Outubro por três (3) vezes. A primeira chamada registou-se pelas 8 horas, a segunda às 11:15 e a terceira pelas 17:47. No dia 14 do mesmo mês a insistência prevaleceu, por volta das 11:24, através de um número privado.

Ameaça a Rádio Parapato

O jornalista Momade Selemane, da Rádio Comunitária Parapato, localizada no distrito de Angoche, província de Nampula, foi encostado uma arma de fogo, por membros da PRM afectos ao posto de votação do Inguri, como forma de impedi-lo de entrevistar o delegado do partido Renamo que na altura denunciava a existência de boletins de voto ilegais na posse do presidente da mesa. A pressão exercida pelo agente da PRM contra o jornalista só foi mitigada com a intervenção popular que exigiu de imediato a libertação do jornalista.

Ameaças a Rádio Watana

Após a divulgação dos resultados intermédios das eleições de 10 de Outubro, pela Comissão Distrital de Eleições de Nacala-Porto, no dia 12 de Outubro, os jornalistas desta estação emissora católica começaram a receber ameaças por alegadamente terem influenciado na derrota do partido FRELIMO, uma acção encetada por indivíduos desconhecidos que insistiam no seguinte: “vocês devem tomar cuidado no que escrevem e dizem porque senão vão sair do mapa”.

 

Estas e outras situações não reportadas mostram que a liberdade de imprensa e de expressão em Moçambique está cada vez mais ameaçada. Os espaços de actuação dos jornalistas comunitários estão a ficar condicionados a compostura dos partidos políticos que procuram subterfúgios nas Rádios Comunitárias para justificar suas derrotas. Aliás, para o FORCOM, situações similares não são novas e caracterizam o “modus operandi” dos partidos e simpatizantes políticos, principalmente durante processos eleitorais.

O FORCOM entende que a cobertura isenta e imparcial de todo o acto político no quadro deste e de quaisquer processos eleitorais, só acrescenta valor ao exercício em curso no País, rumo à consolidação do Estado de Direito Democrático. As Rádios Comunitárias representam espaços de elevação da consciência dos cidadãos para com os processos políticos e democráticos e despertam o interesse na participação activa e informada dos cidadãos nos processos políticos e democráticos.

Desta forma, o FORCOM condena e considera estas ameaças e intimidações uma verdadeira afronta a liberdade de imprensa e de expressão dos jornalistas das Rádios Comunitárias e reitera que Moçambique é signatário de vários instrumentos regionais e internacionais que preconizam a liberdade de imprensa e de expressão, com destaque para: (i) a Constituição da República; a Declaração Universal dos Direitos Humanos e Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos; a Declaração dos Princípios sobre a Liberdade de Expressão em África; Declaração de Windhoek sobre a Promoção de uma Imprensa Livre, Independente e Pluralista em África; Carta Africana da Radiodifusão e o Protocolo da SADC sobre Cultura, Informação e Desporto.

Maputo, 16 de Outubro de 2018

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa

 

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique