WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Família, cultura e violência doméstica contra as mulheres

Desenho de Malangatane
24
Set
2012

A propósito do artigo 37 da Lei contra a Violência Doméstica, que trata da salvaguarda da família, este texto interroga-se sobre que tipo de família deve ser protegida: a família que ama e protege os seus membros, ou aquela em que as mulheres e crianças são violentadas?

Da aprovação na generalidade da Lei da Violência Doméstica Praticada Contra a Mulher, à sua aprovação na especialidade, foram introduzidas profundas alterações na proposta de lei. Uma delas diz respeito ao artigo 37, que foi acrescentado à última hora, pois não constava do projecto da lei, onde se estabelece que “A aplicação da presente Lei deve ter sempre em conta a salvaguarda da família”.

Este artigo suscita sérios problemas na sua interpretação, na medida em que não se consegue perceber o que é que o legislador quis dizer com salvaguarda da família. A questão que se coloca é: estaremos a salvaguardar a família tentando uma reconciliação entre a vítima e o agressor?

Começando por analisar a Constituição da República de Moçambique (que é a nossa lei mãe), no nº 1 do artigo 119 estabelece-se que “a família é o elemento fundamental e a base de toda sociedade”. Vai ainda mais longe ao afirmar, no nº 2 do artigo 120, que a família “é responsável pelo crescimento harmonioso da criança e educa as novas gerações nos valores morais, éticos e sociais”. Podemos perceber, com estes artigos, que a família tem um papel fundamental na sociedade, na educação e na socialização dos seus membros.

Aliada aos princípios acima referidos, a Lei da Família consagra no nº 2, do artigo 1, “a família constitui o espaço privilegiado no qual se cria, se desenvolve e consolida a personalidade dos seus membros e onde devem ser cultivados o diálogo e a entreajuda”. Outros artigos da Lei da Família dispõem ainda:

“À família incumbe, em particular: (…) d) Assegurar que não ocorram situações de discriminação, exploração, negligência, exercício abusivo de autoridade ou violência no seu seio” (Artigo 4, Lei da Família, 2004).

“Os cônjuges estão reciprocamente vinculados pelos deveres de respeito, confiança, solidariedade, assistência, coabitação e fidelidade” (Artigo 93, Lei da Família, 2004).

Ora, sabemos que muitas vezes a família não é o lugar calmo e pacífico que tanto se anseia e se idealiza. Conforme se vai conhecendo melhor a realidade e consoante se perde o medo de denunciar, vêm à tona muitas evidências de famílias que vivem em situações violentas e de grande perigo para as mulheres e, em consequência, para as crianças também. A violência doméstica contra as mulheres tem um profundo impacto nas vidas de todos os membros da família, atingindo especialmente as próprias mulheres, vítimas directas, mas também as crianças e outros membros.

Com toda a evidência, o Artigo 37 não pretende salvaguardar a família violenta, a família onde as mulheres sofrem quotidianas violências e por vezes encontram a morte, e onde as crianças não se sentem seguras e temem pela sua integridade física.

No entanto, apesar da violência doméstica contra a mulher ser agora um crime e de carácter público, quando as pessoas afectadas por esta violência procuram por ajuda e justiça por quem é de direito, os seus casos nem sempre são resolvidos, por vários motivos. Um deles tem a ver com a visão que os aplicadores da lei têm em relação ao papel da mulher na sociedade. Estas ideias e concepções sobre qual é o papel das mulheres na sociedade, marcadas por representações sociais próprias das culturas locais e patriarcais, interferem negativamente na interpretação e aplicação da Lei. Na sua perspectiva, a agressão do homem pode-se tornar “justificável” quando o comportamento da mulher foge do padrão daquilo que é culturalmente aceite.

Em nosso entender, os aplicadores da lei, porque são seres humanos, pertencem a uma determinada cultura e com ela se identificam. Têm, portanto, as suas próprias crenças, ideais e valores, transportando esse tipo de preconceitos para a resolução de casos concretos. No entanto, esta interferência entra em confronto directo com o próprio juramento que os magistrados fazem ao entrar em funções, que reza o seguinte:

“Eu (nome) juro por minha honra aplicar fielmente a Constituição e demais leis em vigor e administrar justiça com imparcialidade e isenção, no respeito pelos direitos dos cidadãos e na defesa dos superiores interesses do Estado moçambicano” (Artigo 21, Lei n.º 7/2009: Estatuto dos Magistrados Judiciais).

Concluindo, podemos afirmar que, a família deve ser um lugar onde a felicidade é para todos os membros. Só assim ela será a base de uma sociedade equilibrada, acolhedora e justa, onde todas/os nos sentimos amadas/os, seguras/os e felizes, tal como preconiza a lei no país.

Salvaguardemos a família que educa e protege os seus membros, mas lutemos contra situações familiares injustas e cruéis para mulheres e crianças.

Por Berília Cossa

 

Referências:

MOÇAMBIQUE, Lei nº 29/2009, Lei sobre a Violência Doméstica praticada contra a Mulher. BR, I SÉRIE, nº 38, de 29 de Setembro de 2009.
MOÇAMBIQUE, Constituição da República, revista em 2004, BR nº 51, de 22 de Dezembro de 2004.
MOÇAMBIQUE, Lei nº 7/2009, Estatuto dos Magistrados Judiciais. BR, I SÉRIE, nº 10, de 11 de Março de 2009.
MOÇAMBIQUE, Lei nº 10/2004, Lei da Família, 2004. BR, I SÉRIE, nº 34, de 25 de Agosto de 2004.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique