WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Vamos falar de aborto! (mesa redonda):

Mulheres Jovens sob Ataque (debate):

V Conferência Nacional da Rapariga:

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

MARCHAMOS: Conselho Municipal de Maputo volta atrás e autoriza a Marcha do Dia Internacional das Mulheres

08
Mar
2019

Este texto critica a tentativa de inviabilização pelo Conselho Municipal da Cidade de Maputo da marcha pacífica contra VIOLÊNCIA SEXUAL E DOMÉSTICA organizada pela Marcha Mundial das Mulheres em comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, e faz apelos para que, apesar das dificuldades, as mulheres não desistam de reivindicar os seus direitos.

Após negociações com a sociedade civil, o Conselho Municipal da Cidade de Maputo volta atrás e decide autorizar a realização da marcha pacífica de 8 de Março, hoje, na Praça da Paz.

Inicialmente prevista para começar as 07h00 e terminar às 09h00, conforme a primeira proposta da sociedade civil, a caminhada começou as 09h30 e terminou às 11h30, na Praça da Independência, em conformidade com as ordens do município.

Esta vitória é resultado do consenso que foi alcançado ontem, quinta-feira 7 Março 2019 às 11 horas nas instalações do município, num encontro marcado pela presença do responsável da área de segurança da Cidade, Filemone Simão, e da chefe do Gabinete do Presidente do município, Sra Luísa Matavele.

A escassos minutos de começar a marcha lamentamos as alterações de última hora, apesar de o pedido ter sido submetido no dia 12 de Fevereiro do ano em curso, e que teve o despacho indeferido no dia 04 de Março do mesmo ano, e a respectiva negociação para a alteração das horas ocorrido ontem, conforme acima mencionado.

Esse episódio triste que não deve nos desanimar, é apenas um vislumbre que a luta pelos Direitos Humanos das Mulheres ainda tem um longo caminho a percorrer na estrada da liberdade que está impregnada de várias tentativas misóginas.

Estamos cientes que num continente tórrido como o nosso, e em pleno verão, marchar da Praça da Paz à Praça da Independência não é fácil. Mas também estamos conscientes de que estes dois monumentos simbólicos são artefactos representativos que a luta pela liberdade das mulheres e dos homens deste país não foi um exercício fácil.

Tal como sucedeu nesta marcha, houve procrastinações, recusas e dilações de todo o tipo. É nestas circunstâncias que a perseverança é chamada ao de cima, para com coragem fazer valer a nossa luta que é mesma de todas as mulheres num mundo.

A começar pelas empregadas domésticas de Moçambique que, deixando de lado os seus afazeres, reservaram um espaço de tempo para estarem presente nesse dia; das funcionárias públicas que deixaram seus postos de trabalho; das estudantes e professoras que adiaram a presença na sala de aulas para mostrar que o activismo também é escola; das vendedoras informais que abandonaram os lucros de hoje, numa clara demonstração de que sem direitos iguais são pouco proveitosos.

Todas que hoje gritam, mesmo aquelas cujo silêncio representa grito de socorro, fazem parte desse eco mundial que compõe o Oito de Março celebrado em Moçambique sob o lema:

“QUEREMOS VIVER SEM MEDO: Por um Moçambique Livre de Violência Sexual”

Por: Kumenya

Marcha 8 de Março de 2019

Marcha 8 de Março de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Campanha CEDAW

WLSA oferece: papel de parede para computadores

Lançada Agenda Mulher 2019

Lançamento Agenda Mulher 2019

Novos livros

Silenciando a discriminação

Capa do livro

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique