WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Ministério da Saúde discute Mortalidade Materna

26
Jun
2015

Realizou-se a 13 de Maio de 2015, na cidade de Maputo, a I Reunião Nacional de Ginecologia e Obstetrícia, com o lema “Pela Saúde da Mulher em Moçambique”, que juntou profissionais de saúde e representantes de organizações como a Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos, o Fórum Mulher, a Coalizão da Juventude e a Pathfinder, para discutir a mortalidade materna no país e outros aspectos relacionados com a saúde das mulheres.

A Reunião, organizada pela Direcção Nacional de Assistência Médica do Ministério da Saúde, tinha por objectivos: i) analisar algumas temáticas relativas à saúde da Mulher, com foco em mortalidade materna (MM), violência sexual e sua abordagem, aborto (lei de despenalização, recolha de opiniões sobre o regulamento, visando a operacionalização da lei) sob o ponto de vista situacional, desafios enfrentados e recomendações para enfrentamento e melhoria de qualidade das intervenções em saúde da mulher; ii) avaliar o que se tem feito na especialidade de Ginecologia e Obstetrícia para o enfrentamento dos desafios à saúde das mulheres.

Elsa Jacinto, ginecologista/obstetra, fez uma apresentação que ilustrou a situação geral do país, salientando que Moçambique possui uma razão elevada de MM (408/100.000 nado-vivos) e mortalidade neonatal (MNN) (30/1.000 nado-vivos), segundo dados do IDS, 2011. Assim, não serão atingidas as Metas de Desenvolvimento do Milénio, que previam 250 para a MM e 20 para a MNN em 2015.

Segundo a OMS, uma taxa de MM aceitável estaria em 19 mortes maternas para cada 100 mil nascidos vivos; um índice médio – entre 20 e 49 mortes; um índice alto – entre 50 e 149 mortes; um índice muito alto – acima de 150 mortes. Considerando estes números, a MM em Moçambique está em índices inaceitáveis.

O país, com uma população estimada de 25.041.992 habitantes, possui uma rede sanitária constituída por 1.490 unidades sanitárias e 1.291 maternidades.

Jacinto referiu ainda que as taxas de MM não são uniformes, sendo Sofala, Nampula e Niassa as que apresentam os maiores índices. Como principais causas da MM, indicou: Hemorragia (36,6%), Infecção (11,5%), Transtornos hipertensivos (8,9%) e HIV/SIDA (5,8%), sendo que as mulheres com menos de 24 anos constituem 43,5% das mortes maternas.

Segundo a apresentadora, 67% destas mortes seriam evitáveis, referindo alguns problemas como falta de ambulância nas maternidades periféricas para referência, insuficiência de sangue e medicamentos, fracas habilidades das enfermeiras dos Serviços Materno-Infantis no seguimento durante o parto, pouca contribuição dos médicos de clínica geral nas maternidades, escassez de recursos humanos e desigualdade na distribuição, bem como gestão inadequada dos recursos aos vários níveis.

 

Um comentário a “Ministério da Saúde discute Mortalidade Materna”

  1. António Tuzine diz:

    considerando os indices de MM de 2008 e os de 2010, verifica-se que, apesar de progressos na sua redução, os desafios são ainda enormes, e, são realmente inaceitáveis os índices actuais. Para estancar o problema, há que atacar as suas fontes, nomeadamente a redução de casamentos prematuros, o acesso universal aos contraceptivos, a humanização dos serviços materno-infantis, etc. E inaceitável que mulheres jovens morram nas maternidades por falta de assistência; e inaceitável que as maternidades e as parteiras tenham mais fama por registar maiores índices de mortalidade materno-infantil e nada lhes acontece…

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Novos livros

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique