WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Mulheres vítimas de assédio sexual nos chapas: “Ninguém é de ninguém”

30
Jul
2013

Pouco se fala do problema, mas as mulheres são assediadas sexualmente nos transportes públicos. Os homens tocam-nas e apalpam-nas. “Lá dentro ninguém é de ninguém, é o que dizem os homens”, afirma Felismina Zandamela, que se encontra no terminal do transporte da Praça dos Combatentes, vulgo Xiquelene.

Em resultado de uma parceira da WLSA Moçambique com o Jornal A Verdade, foi publicada no dia 27 de Junho esta matéria, que destaca como muitas das utentes, sobretudo dos “chapas”, temem pela sua integridade física, revelando a total violação dos direitos das mulheres neste meios de transporte.

Pouco se fala do problema, mas as mulheres são assediadas sexualmente nos transportes públicos. Os homens tocam-nas e apalpam-nas. “Lá dentro ninguém é de ninguém, é o que dizem os homens”, afirma Felismina Zandamela, que se encontra no terminal do transporte da Praça dos Combatentes, vulgo Xiquelene.

Maria de Lurdes, à espera do transporte no mesmo local, acrescenta: “Os my love (carros de caixa aberta que transportam passageiros) ajudam, mas também são desconfortáveis para nós as mulheres, que não usamos calças. Os homens tocam-nos, abraçam-nos, como se fôssemos suas esposas”. Carlota Tembe nunca viajou num my love, mas garante que o desconforto não só acontece naqueles carros de caixa aberta, mas também no transporte público (EMTRM).

“Aquele TPM estava cheio, mas é o único que me leva ao destino, e já eram 19 horas. Tive que apanhar, mas arrependi-me”, conta. “Nem conseguia ver o homem que estava atrás de mim, só sentia o seu suor, e ele deslizava a mão no meu corpo, até nas minhas nádegas ele tocou, e quando eu reclamava ele dizia que não tinha culpa, o chapa é que estava muito cheio”. Paulo Timana, gestor de projectos da Associação Nacional da Rapariga (ANARA), concorda: “Os homens aproveitam-se do facto de o carro estar lotado e encostam-se, abraçam e tocam nelas”.

A ANARA e a Associação Rede para Advocacia e Lobby Social Uthende (RUTH), realizam campanhas pela não-violência contra as mulheres nos transportes em Maputo e Matola. No Primeiro de Maio, Dia do Trabalhador, marcharam com cartazes que diziam Não ao assédio à rapariga no acesso ao transporte.

Não há denúncia

As mulheres reclamam mas não denunciam. “Nunca ouvi dizer que existe algum lugar para queixar”, disse Zandamela. “Aquele comportamento irrita-me. Ele tocava-me, segurava as ancas e encostava-se demais, sentia a sua respiração, desci do chapa antes de chegar ao meu destino e continuei a pé”, acrescenta.

Maria de Lurdes também passou por um conjunto de actos semelhantes. “Foi constrangedor entrar naquele carro. Eu estava de saia, mas não tive outra opção senão subir, e depois suportar o cheiro de cigarro daquele senhor, encostando-me até eu sentir que ele estava excitado”.

Maria Sopinho, chefe do Gabinete de Atendimento à Mulher e à Criança Vítimas de Violência, nunca recebeu queixas de mulheres sobre assédio nos chapas. “Não existe em Moçambique uma lei que protege as mulheres vítimas de assédio sexual nos transportes públicos”, explica Berília Cossa, jurista da Mulher e Lei na África Austral/WLSA.

Existe uma lei que protege as mulheres do assédio no local de trabalho, mas que não pode ser aplicada noutras situações. No entanto, como disse Cossa, “o crime de assédio sexual já vem incluído na proposta de revisão do Código Penal, divulgada pelo Parlamento a 01 de Julho de 2012”. A ser aprovada, permitirá um melhor enquadramento deste tipo de crime e incentivará as mulheres a denunciarem as situações por que passam.

As ruas perigosas de Maputo

No fim duma tarde de muito calor na capital do país, quando eu esperava por um chapa na paragem Vitória, na Baixa, presenciei um momento de tristeza. Passava pela Av. Guerra Popular uma jovem de saia curta e blusa com decote, quando um jovem, aparentemente um vendedor, avisou os colegas mediante um assobio. Atacaram aquela rapariga. Tocaram-na, apalparam-lhe os seios e levantaram-lhe a minissaia. Gritavam e insultavam- na, ela chorava, mas ninguém fez nada para a socorrer, inclusive os dois agentes da Polícia que ali estavam.

Numa manhã de sábado, no terminal dos transportes de Xiquelene, uma jovem foi despida, perante dezenas de pessoas, por vestir uma minissaia. Os “modjeiros”, ajudantes dos cobradores, pularam para cima dela, tocaram-lhe nas pernas e nos seios e tiraram-lhe a saia. Uma senhora solidária ofereceu a sua capulana à jovem para se cobrir.

Em Maputo, os lugares com maior frequência de ocorrência desse tipo de abuso são os mercados e terminais de transportes de Xiquelene, Xipamanine, Benfica e Baixa.

O cenário vivido nos chapas está a desgastar as mulheres. Não é nada agradável ser tocada e sentir a excitação de um homem desconhecido, e nalguns casos, a cheirar álcool. Para além de sofrer com o péssimo transporte público, aguardar em longas bichas, viajar expostas ao sol e à chuva, as senhoras estão sujeitas ao assédio de homens que não respeitam o seu corpo e o seu direito de circular em segurança.

“O nosso impulso sexual tem que ser sempre satisfeito”

Com Júlio Langa, coordenador nacional da Rede HOPEM (Homens pela Mudança).

A Rede HOPEM trata do assédio nos transportes públicos?

Não especificamente. Mas o assunto do assédio nos transportes públicos faz parte da criação de condições para que as cidades sejam seguras para as mulheres.

Por que é que os homens apalpam e assediam mulheres nos transportes públicos?

O que acontece nos chapas não é diferente do que acontece nas ruas, só que enquanto nas ruas há uma pequena separação, no chapa já não há essa separação. O homem tem essa vantagem de estar mais próximo, podendo abraçar.

Nos My love estão todos a pegar um no outro e pode haver aproveitamento. Isso tem a ver com o nosso hábito de pensarmos que o nosso pénis tem que ser sempre satisfeito, não importam as circunstâncias, e isso se revela nos nossos comportamentos.

Que outro fator incide neste comportamento?

A maneira como os chapas funcionam não é favorável para que as mulheres estejam livres dessas situações de assédio: ensardinhar, meter o maior número possível de pessoas, facilita esta tendência que os homens trazem consigo antes de subir no chapa.

Que diria aos homens que argumentam que as mulheres provocam com as minisaias?

Esse tipo de justificações é sempre esforço para as pessoas legitimarem o que elas fazem. O maior problema está na maneira como nós pensamos, nos relacionamos e como construímos os corpos das mulheres.

Clique aqui para ler o artigo no A Verdade online

Clique aqui para descarregar o artigo (em PDF).

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique