WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

ONGs continuarão a luta pelos direitos humanos até à aprovação final do Código Penal

26
Mar
2014

Num comunicado de imprensa, ONGs denunciam manobras para desmobilizar a marcha do dia 20 de Março e anunciam que continuarão a lutar pelos direitos humanos no Código Penal, até que esta lei seja aprovada.

 

COMUNICADO DE IMPRENSA

Continua a luta pelos direitos humanos no Código Penal

Maputo, 25 de Março de 2014

 

A 20 de Março, na passada 5ª feira, mulheres e homens marcharam a exigir que se respeitem os direitos humanos no Código Penal e as ONGs estão dispostas a prosseguir a mobilização até à votação final desta lei.

Tentando descredibilizar e até quem sabe impedir a marcha, o Dr. Teodoro Waty, Presidente da Comissão Parlamentar dos Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e Legalidade da Assembleia da República, falou para vários órgãos de comunicação social informando que a referida marcha não fazia sentido, porque os artigos que diziam respeito às reivindicações das ONGs tinham sido eliminados ou reformulados.

 

Marcha Código Penal (foto da Lambda)

Foto da Lambda

Paralelamente, registaram-se manobras de desmotivação da participação na marcha, sob a forma de mensagens de e-mail e Facebook disseminadas pela rede, dizendo que essa manifestação tinha sido cancelada, por haver já uma resposta positiva às demandas que lhe deram origem. Outras mensagens informavam erradamente o dia em que se realizaria a marcha, tendo inclusivamente havido um deputado que na própria 5ª feira falou num programa da Rádio Moçambique, das 6 horas da manhã, informando que já não se realizaria a marcha, porque as reivindicações estavam satisfeitas. Desconhecemos quem terão sido os mentores e executores destas manobras de desinformação, mas queremos desde logo manifestar o nosso repúdio por estas formas ignóbeis de fazer política.

Ainda em relação à intervenção do Dr. Teodoro Waty, ficamos surpresas/os pois desconhecíamos as referidas alterações por ele mencionadas. Mas, como o Sr. Deputado tem conhecimento e nós também, apenas o plenário pode tomar decisões definitivas sobre as leis. Lembramos que desde 2012 estamos em contacto com a Comissão Parlamentar dos Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e Legalidade da Assembleia da República, e nunca se sentiu muita abertura, nem um clima de verdadeiro diálogo. As várias notas enviadas desde 2012 não foram tidas em conta na sua essência.

 

Marcha Código Penal (foto da Lambda)

Foto da Lambda

De salientar que os primeiros comentários que a sociedade civil fez sobre o Código Penal datam de 2006, e eram dirigidos ao governo.

Face a isto, nós, activistas dos direitos humanos, reafirmamos o nosso empenhamento em prosseguir com a luta para que os direitos humanos das moçambicanas e dos moçambicanos sejam respeitados no Código Penal, independentemente do seu sexo, idade, estado civil, orientação sexual, filiação política ou religiosa.

Agradecemos a oportunidade que o Parlamento nos dá de assistir às sessões das comissões parlamentares, ainda que sem direito à palavra, porque isso nos permite acompanhar os debates. Todavia, continuaremos a informar o público, as cidadãs e os cidadãos interessados sobre o conteúdo do Anteprojecto do Código Penal, até à sua aprovação na especialidade.

Prossigamos a luta por direitos e pela democracia, por uma lei criminal que proteja as moçambicanas e os moçambicanos!

 

Marcha Código Penal (foto da Lambda)

Foto da Lambda

Assinam:

ActionAid Moçambique, Associação Moçambicana das Mulheres de Carreira Jurídica, Associação Moçambicana dos Juízes, CECAGE, Centro Terra Viva, Fórum Mulher, Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM), Fórum da Sociedade Civil para os Direitos da Criança (ROSC), Fórum da Terceira Idade, LAMBDA, Liga Moçambicana dos Direitos Humanos (LDH), Mulher e Lei na África Austral (WLSA Moçambique), Mulher, Lei e Desenvolvimento (MULEIDE), Pathfinder, Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos, Rede Homens Pela Mudança (Rede HOPEM) – colaboração do Prof. Doutor Eugénio Zacarias, médico legista.

Contactos:

Terezinha da Silva – WLSA Moçambique

E-mail: coord@wlsa.org.mz – Celular: 82 313 8890

Albino Francisco – Rede ROSC

E-mail: binofrancisco@gmail.com – Celular: 82 427 6050

 

Um comentário a “ONGs continuarão a luta pelos direitos humanos até à aprovação final do Código Penal”

  1. Mano Go diz:

    Sobre mendicidade: proponho uma reflexão sobre os direitos e deveres dos progenitores, filhos e todos relacionados na árvore genealógica de sucessão… pois não acho com sentido e até acho urgente resolver o problema da mendicidade tanto infantil como a que todas sextas-feiras assistimos… São vovós com filhos na sua maioria e com muita gente na linha de sucessão mas que fazem pouco para protecção mátua… já é altura, acho eu, de criarmos centros de acolhimento de velhos e de crianças com financiamento compulsivo de todos os elementos na linha de sucessão… quando há riquezas pra herdar vemos guerras entre os membros mas para protecção mútua poucos fazem algo e por consequência as instituições de caridade ficam incapazes…

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique