WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Organizações da sociedade civil emitem comunicado

15
Abr
2016

Um conjunto de organizações da sociedade civil, reagindo aos recentes acontecimentos que culminaram com a expulsão da activista Eva Anadón Moreno, questionam se o verdadeiro alvo desta repressão serão o pensamento crítico e independente face à actuação do governo e suas instituições.

COMUNICADO

O activismo pelos direitos humanos sob ataque?

Organizações da sociedade civil questionam a arbitrariedade e a repressão policial sobre defensoras dos direitos humanos.

Click here to read the translation of the press release  English

Os recentes acontecimentos, desde a repressão policial de uma acção de rua, até à detenção de cinco activistas, culminando com a expulsão de Eva Anadón Moreno (30 de Março), activista espanhola da Marcha Mundial das Mulheres, deixam-nos preocupados. Com efeito, não só se agiu de maneira totalmente ilegal, como também se caluniaram as intenções dos colectivos e pessoas que organizaram a acção de rua (teatro), que nem veio a acontecer.

O porta-voz da polícia apresentou uma versão dos factos que deixou de lado o essencial: o que está em causa é a violência que sofrem as raparigas na escola e a solução encontrada pelo Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, que consiste em tapar as meninas, obrigando-as a usar saias compridas.

As nossas colegas activistas foram retratadas como umas “desvairadas” (e isso para usar o termo menos insultuoso) que querem corromper as crianças da escola. Os ataques que choveram de todo o lado provavelmente tiveram origem na versão deturpada e difamatória veiculada pela polícia.

Esta escalada de repressão e calúnia atingiu o seu cúmulo com a mediática expulsão da companheira Eva, apresentada como a líder da acção de rua (que insistem em chamar manifestação) e corruptora de menores. Como se não bastassem as irregularidades cometidas no processo da sua expulsão do país e toda a violência envolvida no processo, foi preciso também denegrir a imagem de quem é uma pessoa íntegra, honesta e dedicada à causa dos direitos humanos.

A situação não é nem inocente nem parece ter acontecido por acaso e leva-nos a reflectir. Estando o país a viver momentos muito tensos do ponto de vista político e militar, será que a intenção é suspender os direitos civis e políticos dos cidadãos e das cidadãs? Será que todo este aparato e repressão policial tem por finalidade passar à sociedade civil o recado de que agora não podemos mais usufruir do nosso direito de discordar das decisões do governo e das suas instituições?

Nós, organizações da sociedade civil que actuamos ao abrigo da lei, conhecemos os nossos direitos e temos consciência dos nossos deveres como cidadãos e cidadãs: o dever de não calar perante injustiças, o dever de denunciar a corrupção e o dever de exigir justiça para todas e todos.

Mesmo se o país atravessa um clima tenso do ponto de vista político e militar, achamos que as autoridades políticas e de lei e ordem não podem arbitrariamente suspender ou cercear as liberdades constitucionais dos cidadãos e cidadãs. Ao assim agirem, violam todo o primado da lei e da Constituição que juraram defender e proteger.

Nós, organizações da sociedade civil, queremos dizer à nossa polícia que nenhuma ordem superior que viola preceitos constitucionais merece qualquer tipo de obediência. É necessário que todo o agente da Polícia da República de Moçambique (PRM) saiba que a obediência a decisões arbitrárias fragiliza o Estado de Direito que todos como moçambicanos e moçambicanas pretendemos edificar, para além de ser um duro golpe à nossa Constituição.

Por isso, nós, organizações da sociedade civil, prontificamo-nos a colaborar com todos os agentes do Estado no sentido de juntos edificarmos uma nação de Estado de Direito, onde reine a supremacia da Constituição e onde os direitos de todos os cidadãos e cidadãs são respeitados.

Nós, organizações da sociedade civil, queremos reconhecer o esforço de todos os cidadãos e cidadãs que desde a primeira hora se prontificaram a defender os direitos humanos das mulheres, e mostraram as suas caras para repudiarem os actos intimidatórios sofridos pelas defensoras dos direitos humanos.

Finalmente, nós, organizações da sociedade civil, queremos estender a nossa solidariedade para com a classe de juristas e procuradores que sofreram vilipêndios e desrespeito quando desempenhavam as suas funções, visando pôr cobro aos atropelos da lei e legalidade.

Por um Moçambique de justiça social e de Estado de Direito.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique