WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Pela descriminalização do aborto

Logo da Rede DSR
28
Set
2013

Por ocasião do 28 de Setembro, Dia Global de Acção para o Acesso ao Aborto Seguro e Legal, inserido na Campanha Internacional para o Direito das Mulheres ao Aborto Seguro, a Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos organiza uma reflexão sobre como intensificar a campanha por uma lei que descriminaliza o aborto.

AVISO À IMPRENSA

 

SEGUNDA-FEIRA, 30 de Setembro, Sede da Pathfinder International em Moçambique, Rua Eça de Queirós, 135 – Bairro da Coop – Maputo

 

Evento honrado pela presença de diversas personalidades incluindo da sociedade civil com destaque para as organizações filiadas na Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos (DSR)

QUEM?  Instituições Públicas e Organizações da sociedade civil moçambicana

O QUÊ?  Discutem estratégias de como intensificar acções de sensibilização e advocacia para a aprovação de uma lei que permita às mulheres e raparigas o acesso a serviços de aborto seguro, incluindo uma petição aos órgãos competentes para descriminalizar o aborto.

Sob o lema Descriminalizemos o aborto! Mantenhamos as Mulheres e profissionais de saúde provedores de aborto seguro, livres de prisão! As mulheres têm direito ao aborto seguro!”, a sessão de reflexão surge à luz do Dia Global de Acção inserida na Campanha Internacional para o Direito das Mulheres ao Aborto Seguro, uma efeméride comemorada anualmente a 28 de Setembro.

ONDE?  Na Sede da Pathfinder International em Moçambique (Bairro da Coop, Rua Eça de Queirós, Nº135)

QUANDO?  30 de Setembro, 2013 (Segunda-feira)

HORÁRIO:  15:30 – 17:30 horas

 

Sobre a campanha, importa referir que:

A 28 de Setembro comemora-se todos os anos em todo o mundo o Dia Global de Acção para o Acesso ao Aborto Seguro e Legal, inserido na Campanha Internacional para o Direito das Mulheres ao Aborto Seguro.

No presente ano, este dia comemora-se sobre o lema “Descriminalizemos o aborto! Mantenhamos as Mulheres e profissionais de saúde provedores de aborto seguro livres de prisão! As mulheres têm direito ao aborto seguro!”

Com efeito, em muitos países do mundo, incluindo Moçambique, o aborto é ainda considerado crime e, por isso não existem serviços de aborto seguro disponíveis, deixando as mulheres que estejam perante uma gravidez indesejada sem outra alternativa senão a de recorrer a um aborto inseguro, com todas as consequências para a sua vida e saúde.

Em Moçambique, o aborto inseguro é um problema de saúde pública, sendo considerado uma das 5 principais causas de mortalidade materna.

A título de exemplo, num dos hospitais cidade de Maputo, em 2011 do total de casos atendidos no serviço de urgência de ginecologia, 40% foram devidos a complicações de aborto inseguro.

Este triste estado de coisas é, em grande medida, resultado de uma lei arcaica, o Código Penal vigente, datado de 1886, que criminaliza o aborto. Por reconhecer o desajuste deste código à realidade actual, o mesmo se encontra em processo de revisão, esperando-se em breve a sua aprovação e almejando a Rede que o aborto seja uma das disposições revistas, de modo a proteger a vida e saúde das mulheres.

Estudos realizados em vários países que aprovaram leis que descriminalizaram o aborto, tais como a África do Sul e a Etiópia, mostram impacto positivo que esta medida teve na redução da mortalidade materna, que é aliás um dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM no 5).

Descriminalizar o aborto, aprovando leis que tornam os serviços de aborto seguro acessíveis a todas as mulheres não é apenas uma questão de saúde pública, mas também uma questão de respeito dos direitos humanos das mulheres e principalmente do seu direito à vida, à integridade física, aos mais altos padrões de saúde reprodutiva, à privacidade, à autodeterminação, à dignidade, à liberdade pessoal e a viver livre de violência e discriminação.

O direito ao aborto seguro como um direito humano foi já reconhecido ao mais alto nível, pelos chefes de Estado Africanos através da aprovação do Protocolo à Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos relativo aos Direitos das Mulheres em África, ratificado por Moçambique em 2005, e à luz do qual os Estados membros devem “adoptar medidas apropriadas para proteger os direitos reprodutivos das mulheres, particularmente através da permissão de abortos médicos em casos de agressão sexual, violação, incesto e quando a gravidez ponha em perigo a saúde mental ou física da mãe ou a vida da mãe ou do feto”. (Art. 14c).

É em reconhecimento a todos estes aspectos que as organizações da sociedade civil moçambicana filiadas na Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos se associam ao movimento global para a comemoração do dia 28 de Setembro, Dia Global de Acção para o Acesso ao Aborto Seguro e Legal.

A celebração desta data em Moçambique vai ser assinalada através de acções de sensibilização e advocacia para a aprovação de uma lei que permita as mulheres o acesso a serviços de aborto seguro, incluindo uma petição aos órgãos competentes a descriminalizar o aborto, debates televisivos e radiofónicos e um encontro de reflexão sobre esta questão com várias personalidades, a ter lugar no dia 30 de Setembro pelas 15,30 horas na Sede da Pathfinder International em Moçambique.

 

Maputo, aos 23 de Setembro de 2013

 

O Comité de Coordenação da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

 

Fórum Mulher – Graça Samo – Directora Executiva

Pathfinder – Rita Badiani – Representante

WLSA – Terezinha da Silva – Coordenadora

 

Campanha Internacional para o Direito das Mulheres ao Aborto Seguro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique