WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Pemba: Enfermeiras falam sobre casamento prematuro

19
Ago
2016

Numa formação realizada recentemente, na cidade de Pemba, com vista a sensibilizar organizações da sociedade civil para o combate às práticas culturais nocivas às crianças, com particular ênfase nos casamentos prematuros, ficou evidente que a gravidez precoce e os partos prematuros conduzem as crianças à morte e as complicações no parto.

Em muitas regiões de Moçambique, práticas de controlo do corpo e da sexualidade feminina ainda se mantêm com muito vigor, configurando situações de violência e sofrimento exercidos sobre as jovens, sobretudo durante os ritos de iniciação. Uma vez que se apregoa que os ensinamentos que os mesmos veiculam as preparam para a vida adulta e para assumir papéis sociais inerentes ao casamento e à maternidade, muitos pais promovem uniões forçadas das suas filhas após estas práticas, numa clara violação dos direitos humanos das crianças.

Por outro lado, há um processo de construção de uma ordem simbólica patriarcal que explica que há necessidade de manter a virgindade da menina para salvaguardar a honra e bom nome da família, daí a premência de casá-la o mais cedo possível e testar a aprendizagem e as mensagens transmitidas nos ritos iniciáticos. Mas os casamentos prematuros geram impactos negativos na saúde destas crianças e os direitos reprodutivos são postos à prova.

Numa formação realizada recentemente na cidade de Pemba, com vista a sensibilizar organizações da sociedade civil para o combate às práticas culturais nocivas às crianças, com particular ênfase nos casamentos prematuros, ficou evidente que a gravidez precoce e os partos prematuros conduzem as crianças à morte e as complicações no parto. Uma das participantes, enfermeira de profissão, relatou o drama que vivem quando ao observarem e analisarem o corpo destas meninas nos centros de saúde constatam que, segundo as suas palavras, “os caminhos para o parto ainda nem existem”. Ou seja, a compleição física é fraca, não preparada para a maternidade. E questionam: “mas por onde poderá nascer este bebé”?

São situações onde o parto apenas pode ser realizado com recurso à cesariana, o que constitui um problema porque nem todas as unidades sanitárias nos distritos podem prestar serviços de cirurgia.

Informaram ainda que têm tratado muitos casos de fístulas obstétricas, infecções de transmissão sexual diversas, entre as quais o HIV/SIDA, em meninas entre 12 e 15 anos.

Nos últimos anos registaram-se no nosso país importantes avanços na defesa dos direitos das crianças, através da elaboração e aprovação de leis e políticas públicas, sendo de destacar, recentemente, a aprovação da Estratégia Nacional de Prevenção e Combate dos Casamentos Prematuros (2016-2019). Apesar deste contexto favorável, é necessário aumentar o apoio aos parceiros da Coligação para a Eliminação dos Casamentos Prematuros (CECAP) e outros actores do governo e da sociedade civil que trabalham na área de defesa dos direitos da criança, através de acções de capacitação e sensibilização para a transformação, a fim de se desenvolverem respostas adequadas e sensíveis a esta problemática.

Ana Loforte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique