WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Prevenção de violações sexuais: ataquemos os violadores!

26
Jan
2018

Dados mostram que o número de violações sexuais aumentou durante a quadra festiva e a solução preconizada pelo MISAU continua a ser ensinar as mulheres a evitar serem agredidas. Artigo de opinião.

Uma notícia veiculada pelo jornal A Verdade de 5 de Janeiro* informa que compareceram 110 vítimas de agressões sexuais às unidades sanitárias em todo o país, embora a maioria tenha sido registada nas cidades de Maputo e Matola. A fonte é o Director Nacional de Assistência Médica no Ministério da Saúde, Dr. Ussene Isse.

A informação sobre as vítimas, desagregada por idade, é particularmente chocante pois mostra que 16 (14%) têm idades entre os 0 e os 4 anos, e que 50% das vítimas têm até 14 anos de idade.

Esta notícia deixa entrever uma situação extremamente preocupante, sobretudo se tivermos em mente que a maioria das mulheres e crianças que são vítimas de crimes sexuais não denuncia e só recorrem à saúde quando houver danos físicos graves. Aliás, embora haja falta de dados estatísticos credíveis, informações colhidas junto à polícia e à saúde e com organizações que trabalham na base, deixam entender que a violação sexual, pelo menos na cidade de Maputo, está a atingir enormes proporções, e não só nas épocas festivas, mas durante todo o ano.

Embora muito se possa dizer sobre esta situação, gostaria de começar por comentar em particular a perspectiva que transparece em relação à prevenção dos crimes sexuais, como mostra o jornalista, no final da matéria, quando refere o seguinte: “os pais e encarregados de educação não acataram de todo o apelo do MISAU, nas vésperas das festividades, no sentido de terem maior cuidado e resguardo das crianças contra eventuais predadores sexuais”.

Prevenir crimes sexuais através da protecção das potenciais vítimas é uma abordagem dominante em todo o mundo, mas distorce a própria natureza do crime e reforça os preconceitos contra as mulheres. Em última instância, leva à culpabilização das mulheres vítimas que usavam roupas consideradas provocantes ou dos pais que não vigiaram as suas crianças (como na notícia). É sempre possível dizer-se: “não se cuidou”, “provocou”, “não tomou cuidado”, etc. Ou seja, acaba por se culpar a vítima pela agressão que sofreu e não se trata das causas do estupro, que têm a ver com a maneira como a sociedade vê as mulheres: cidadãs de segunda categoria, que na família e na sociedade devem aceitar o seu papel de subordinadas. Tem a ver com uma estrutura de privilégios masculinos que recebe o nome de machismo.

Por isso é que quando se fala em acções de prevenção, estas não devem ser no sentido de avisar as mulheres e os pais que têm crianças para tomarem precauções, até porque o medo das violações já condiciona muito as suas vidas. É preciso tomar como ponto de partida uma verdade óbvia que muitas vezes é ignorada: não existe violação sem violador.

Os homens são educados, desde que nascem, para acreditar que têm uma série de privilégios, direitos e poderes sobre as mulheres em geral e sobre o corpo feminino em particular. Neste contexto, a violação pode ter vários sentidos: pode ser uma forma de afirmar a masculinidade, provando que se é macho, sobretudo quando se trata de violação em grupo, como acontece em algumas cerimónias dos ritos de iniciação de rapazes; pode servir para mostrar o poder sobre as mulheres – “mostrar quem manda”; pode ser um mecanismo de controlo social para manter as mulheres bem comportadas, sobretudo se se vestirem ou se comportarem de modo “não adequado”, como se pode ver, por exemplo, quando um agressor justifica o seu crime dizendo que “ela estava a pedir isso, pela maneira como estava vestida”.

Por tudo isto, a violação sexual está banalizada na nossa sociedade (e, já agora, em muitas outras também). Como refere G. Massonetto:

“Quando a violência sexual torna-se algo usual dentro de uma sociedade, podemos usar o termo cultura do estupro para nomear tal abuso. É um conceito usado para indicar o quanto a violência contra a mulher é normalizada dentro da sociedade. A tolerância e a normalização acabam incentivando ainda mais as atitudes violentas. Entre os exemplos de comportamentos associados à cultura do estupro estão a culpabilização da vítima, a sexualização da mulher como objeto e a banalização da violência contra a mulher”.**

Em nome da igualdade e da mais elementar justiça, a violência sexual deve ser combatida por todos os meios possíveis. A cultura de estupro (de violação, no caso moçambicano) deve ser desafiada por todos os meios possíveis.

A prevenção deve envolver os jovens e homens adultos, para educá-los no respeito pelas mulheres, no espírito da democracia e da igualdade e para que não violem as mulheres. Tem que haver campanhas nacionais e abrangentes, figuras do poder político têm que vir a público posicionar-se, devem-se fazer palestras nas escolas, nos locais de trabalho e nas unidades sanitárias, e não só.

Os polícias e magistrados devem ser abrangidos nas campanhas de sensibilização, mas se ignorarem os crimes sexuais, olharem para o lado ou inocentarem violadores, devem responder criminalmente. Porque a impunidade reinante tem que acabar. A criminalização não é só uma questão de justiça, mas também de prevenção: pode dissuadir futuros violadores.

A grande magnitude dos crimes sexuais exige uma intervenção consentânea com essa realidade. Não são precisos muitos meios, basta só ter vontade política. Basta só olhar para a Constituição e agir em conformidade!

Maria José Arthur

———

*  O artigo no jornal A Verdade está aqui.

** Blogueira, autora do texto “O silêncio que ecoa: a cultura do estupro no Brasil”, 05/10/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa

 

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique