WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Sociedade civil denuncia processo de diálogo fantoche na Auscultação Pública sobre o Programa Prosavana

18
Jun
2015

Várias organizações da sociedade civil denunciam a fase nacional de “auscultação pública” do Programa Prosavana, que teve lugar no Centro de Conferências Joaquim Chissano, em Maputo, no dia 12 de Junho de 2015, dirigido e moderado pelo Ministro da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA), José Pacheco. Veja o comunicado a seguir, assinado pelo movimento “Não ao ProSAVANA”.

Aparente Auscultação Pública sobre o Programa Prosavana – Mais um processo de diálogo Fantoche

O Centro de Conferências Joaquim Chissano, em Maputo, acolheu no passado dia 12 de Junho de 2015 o encontro referente à fase nacional de “auscultação pública” do Programa Prosavana, à semelhança do que aconteceu nos meses de Abril e Maio ao nível dos distritos e capitais das províncias de Nampula, Niassa e Zambézia. O encontro foi dirigido e moderado pelo Ministro da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA), José Pacheco.

Ora, compulsados os preceitos sobre a consulta pública em apreço, incluindo a “Directiva Geral para o Processo de Participação Pública no processo de Avaliação de Impacto Ambiental” aprovada pelo Diploma Ministerial nº 130/2006 de 19 de Julho, é deverás notório que os mesmos não têm sido respeitados em todo este processo de auscultação pública do Programa Prosavana.

Importa destacar que pelo menos dois princípios fundamentais foram violados no contexto da sessão de auscultação pública moderada por José Pacheco:

  1. O Princípio de Independência, que defende que “no processo de auscultação e consulta devem ser criadas condições para que o resultado possa reflectir as preocupações reais dos afectados e interessados e não seja dominado por nenhum interesse particular alheio ao processo” e
  2. O Princípio da Responsabilidade, que defende que “o processo de auscultação e consulta públicas deverá representar de uma forma fiel e responsável as preocupações de todos os intervenientes no processo”.

Embora questionado pelos camponeses e representantes das organizações da sociedade civil sobre a legalidade da “auscultação”, o Ministro ordenou que a sessão prosseguisse e que os que não quisessem participar se retirassem.

O Sr. Ministro criou um ambiente tenso, desconfortável e de suspeição ao declarar de forma peremptória que a agricultura é um dos pilares de desenvolvimento do País que o governo prioriza, tendo sido nesta vertente que o Prosavana foi desenhado. “Estamos firmes nesta missão, qualquer obstáculo vamos atropelar e avançar” intimidou o Sr. Ministro.

Pior ainda, de forma arrogante e prepotente, o Sr. Ministro, em jeito de ameaça, ordenou aos participantes que fizessem apenas comentários patrióticos, declarando que não seriam tolerados comentários obstrucionistas ou agendas obscuras. Tal acto constituiu uma violação grosseira do Princípio Universal dos Direitos Humanos sobre o Consentimento Livre, que defende a participação livre de coerção e intimidações, e que integra quase todos os tratados e convenções internacionais de que Moçambique é signatário, incluindo as Directrizes Voluntárias para a Governação Responsável da Posse da Terra, Pescas e Florestas.

Assim iniciou mais um processo de debate sobre um programa polémico que tem dividido opiniões em todos os sectores da sociedade moçambicana, não só devido à forma secreta e irregular como tem sido levado a cabo, mas sobretudo pelo facto do programa não se adequar à nossa realidade e expectativas. Foi notória a presença de vários quadros seniores do MASA, fazendo vénias ao programa com discursos claramente ensaiados.

Não ao ProSavanaO modo como decorreu a sessão de Maputo fez, indubitavelmente, denotar que esta aparente auscultação pública foi orquestrada como se de uma encomenda se tratasse para, uma vez mais, tentar legitimar o Programa Prosavana, desprezando as opiniões, as expectativas e a efectiva participação da sociedade civil e das comunidades afectadas. Talvez seja por imperativo dos Governos Brasileiro e Japonês, cujas instituições democráticas, entre as quais os respectivos Ministério Público e Parlamento, têm exigido o cumprimento das mais elementares regras para a continuidade dos dois países nesta parceria triangular problemática. Por exemplo, sabe-se que o Ministério Público Federal do Brasil instaurou um inquérito à Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e à Empresa Brasileira de Pesquisa Agro-pecuária (EMBRAPA) – duas instituições através das quais aquele País participa de forma directa na execução do Prosavana – para apurar a veracidade de várias denúncias de irregularidades que têm vindo a ser feitas pelos camponeses e organizações da sociedade civil destes três países.

Apesar de criadas as condições para, uma vez mais, manietar o processo de auscultação pública, o plano não surtiu o efeito desejado, na medida em que os camponeses e a sociedade civil não se deixaram enganar, nem intimidar, tendo contestado vigorosamente tais pretensões. No entanto, face às infundadas ameaças do Ministro e em resultado deste ter restringido o direito à palavra a alguns participantes, os membros da sociedade civil, incluindo os camponeses, retiraram-se da sala em protesto às irregularidades em todo este processo. Assim, em bom rigor, não houve consulta pública nos termos agendados e em conformidade com a Lei.

O Programa Prosavana não tem legitimidade devido ao incumprimento da lei e pelo facto de ser fundamentadamente rejeitado por amplos sectores da sociedade moçambicana, sobretudo por comunidades e organizações de camponeses do Corredor de Nacala, e dadas as graves irregularidades e potenciais consequências negativas que o mesmo poderá causar em caso de vir a ser efectivamente implementado.

Lamentamos e repudiamos que o Governo moçambicano insista em violar a Lei, opondo-se de forma intolerante aos direitos e conquistas sociais e constitucionais e esteja agora a impor uma parceria triangular com o Brasil e Japão cujos graves impactos negativos atingirão, directamente, cerca de 4.5 milhões de moçambicanos, sobretudo as populações e comunidades camponesas.

Assim, vimos a público denunciar todo o processo de auscultações públicas do Draft Zero do Plano Director do ProSavana incluindo a violação dos direitos humanos dos participantes e

  • Denunciamos igualmente a forma perversa como o Programa Prosavana tem sido conduzido desde a sua concepção.
  • Condenamos a contínua e persistente violação dos preceitos de um processo de construção conjunta de um verdadeiro programa de desenvolvimento da agricultura.
  • Rejeitamos a importação de um programa inadequado à nossa realidade que coloca em risco a agricultura familiar camponesa, a soberania alimentar, o equilíbrio ecológico e os direitos das comunidades locais sobre a terra.

Portanto, exigimos que, por um lado, a auscultação pública em questão seja declarada nula e de nenhum efeito pelos fundamentos supra mencionados à semelhança das de nível provincial e distrital que já foram realizadas, e que, por outro, todos os documentos metodológicos que orientaram a concepção do Plano Director sejam colocados no domínio público em respeito ao direito à informação e aos princípios da transparência e participação pública nos termos da lei.

Resistiremos sempre!

Maputo, 17 de Junho de 2015

 

Acção Académica para o Desenvolvimento das Comunidades Rurais (ADECRU)

Associação de Apoio e Assistências Jurídica às Comunidades (AAAJC)

Comissão de Justiça e Paz da Diocese de Nacala

Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Nampula

Fórum Mulher

Justiça Ambiental (JA!)

Liga Moçambicana dos Direitos Humano (LDH)

Livaningo

Marcha Mundial das Mulheres

União Nacional de Camponeses (UNAC)

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique