WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Qualidades de uma grande mulher

Desenho de Malangatane
13
Jul
2011

O sonho de muitos homens

Uma carta de leitor no jornal Notícias descreve o que continua a ser “a mulher ideal” para muitos homens: trabalhadora abnegada que “transmite amor” e “não se envolve em discussões”.

Folheando os meus velhos recortes de jornal, encontrei no Notícias, uma carta de Mateus Licusse, intitulada “Qualidades de uma grande mulher”, publicada a 27 de Julho de 2010. Basicamente o que este leitor faz é um elogio à mulher que distribui amor e tem a sua existência virada para os outros, que se entrega e que “perdoa”. Vejamos um dos mais significativos extractos:

“Uma grande mulher transmite amor aos seus filhos, aos desesperados, aos sofredores, aos amigos e à sociedade; ela luta pela causa da nação, usando a coragem, fé, força da alma e do espírito, aceita receber o marido mesmo que ele volte de madrugada à casa, não se envolve em discussões, tenta ficar forte e consegue! Mesmo magoada, ela fica firme e simples como se nada tivesse acontecido, porque o amor é mais forte”.

O resto da carta tem praticamente o mesmo teor: insiste-se que a mulher ideal deve trabalhar muito (“nos tempos livres cuida da sua família e da sua imagem”) sempre ao serviço dos outros (marido, filhos, família, sociedade e nação), nunca exigindo nada para ela própria, sendo a sua gratificação saber que faz felizes os que a rodeiam.

Ora o que este leitor nos apresenta aqui é o “sonho dourado” de muitos homens ou de muitos patrões nas suas empresas: ter quem trabalhe para eles e nunca levante problemas, discuta ou exija direitos. Faz parte, aliás, da ideologia em que as meninas são educadas e que inculca nelas a ideia de que a felicidade suprema lhes vem de ver/fazer os outros felizes, a começar pelo marido e filhos. Daí a insistência nas mulheres como esposas e mães e nunca como cidadãs de pleno direito. Daí também a ideia de que uma mulher sozinha, que não se casa ou que não tem filhos, não está a cumprir o seu destino e é um pouco menos mulher do que as outras.

Uma democracia constrói-se com mulheres e homens conscientes dos seus direitos, que convivam no respeito do outro. Esta carta, parecendo estar a tecer os mais rasgados elogios às mulheres, nada mais faz, afinal, do que chamá-las à ordem e lembrar-lhes os seus deveres e os papéis fundacionais das feminilidades e masculinidades hegemónicas.

Eu desde já afirmo categórica e contundentemente que não quero ser essa mulher ideal. Prefiro ser qualificada de qualquer outra maneira, mas não abdico dos meus direitos de cidadã. E você o que decide?

Maria José Arthur

publicado em “Outras Vozes” nº 31/32, Agosto-Novembro 2010

* * *

2 comentários a “Qualidades de uma grande mulher”

  1. nana caperuccita diz:

    Antes de tudo: mulher é um ser vivo, pensante, que contribui para a manutenção da espécie de muitas formas, não apenas com trabalho manual. Portanto necessita ser melhor tratada como pessoa, com direitos, não apenas deveres.
    Uma grande mulher, antes de amar aos demais, precisa amar-se a si mesma, como pessoa com dignidade, direitos, (inclusive o direito de não aceitar ser massacrada, pisoteada para “merecer” estar ao lado de um homem, que sequer a amará, se ela própria não souber amar-se), deveres e obrigações, ela terá como qualquer ser humano.
    Não é possível distribuir amor de verdade aos demais, sejam familiares ou não, quando não se ama a si própria. A mulher que se anula em favor dos outros, não é uma grande mulher, pode, no mínimo ser uma pessoa equivocada, que não se considera merecedora do espaço que ocupa no mundo, nem do amor e compreensão dos demais.
    A mulher que se anula, não terá condições de contribuir construtivamente para os que estão ao seu redor, para a nação, para o mundo.
    Evidentemente, não é brigando nem se anulando que alguém tornar o mundo melhor. Necessário se faz, que os homens compreendam o papel da mulher, seja ela grande ou pequena. Desempenhará um papel no lar, outro na política e na sociedade, mas sempre lhe agregando valor. Ela não tem que “pagar” para merecer consideração. Deve ser meiga e amorosa, sem ter que assim agir por obrigação, para merecer estar ao lado de um homem, ou ocupar um lugar no mundo e ser amada.
    Amor é um estado de espiŕito, e uma estrada de dupla mão, por onde trafegam homens e mulheres. Não convém ao homem, na era de mundialização, submeter-se a um papel tão mesquinho, como o de esperar apenas recebê-lo sem oferecer nada em retribuição. Esta mentalidade de se exigir sem retribuir, necessita ser reciclada por modalidade de vida mais contributiva, não apenas ao ser humano, como para o mundo em constante transformação.
    Significa que, é mister reciclar-se velhos costumes, aderindo à novas maneiras de viver, onde a mulher não perde sua identidade como pessoa, nem a capacidade de lutar por seus direitos. Ela tem o direito à dignidade e respeito como pessoa. Não é saudável manter-se apegado a velhos hábitos que maltratem os demais, principalmente quando estes demais, são mulheres. Reciclar o modo de pensar, de viver é preciso, se queremos desfrutar de uma sociedade mais justa e igualitária, como o desejava o grande estadista Machel.
    Ofereço-lhes a possibilidade de lerem mais sobre isto na minha página na Internet:
    nana caperuccita-textos.
    Obrigada,
    nana.

  2. andressa siqueira coutinho. diz:

    adorei esse site que encontrei

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique