WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Quando éramos meninas novas

Desenho de Malangatane
14
Dez
2006

Artigo de opinião

Quando éramos meninas novas, a um dado passo de nossas vidas sempre sentíamos que por um motivo qualquer não éramos iguais aos nossos irmãos e só lentamente fomos entendendo por que: porque enquanto os homens tinham sido feitos para viver no mundo, as mulheres tinham sido feitas para servi-los e permitir-lhes uma vivência ainda mais tranquila.

Porém, a mim o que mais me admirava, não era apenas essa constatação; o que mais me intrigava era como as coisas tinham sido construídas de forma tão perfeita de modo a justificar essa supremacia masculina. Actualmente quando os homens e mulheres afirmam que “sempre foi assim”, realmente se referem a um jogo de relações tão antigo e por causa disso tão enraizado nas nossas sociedades que a primeira vista parece que sempre existiu e existirá e que não há nada mais a fazer senão nos conformarmos.

Conformar! Toda a socialização feminina tem sido baseada em 3 conceitos: servir, ser paciente e conformar-se, isto é, reconhecer que as mulheres são seres fisicamente fracos e psicologicamente inferiores e portanto dependentes dos homens, que ao contrário delas são seres fortes e completos.

Esta ideia de homem completo faz-me lembrar que quando eu era criança sempre estranhei que o meu irmão mais novo tivesse um pénis e eu não, até que finalmente alguém me explicou que o meu pénis tinha sido amputado porque eu tinha sido desobediente. Desde então, com que inveja passei a olhar para o meu irmão, um ser completo, maravilhoso, enquanto que eu, que sempre tinha sido mais ajuizada do que ele, tinha sido tão toscamente castigada. E aquela cicatriz muito feia que a todo o momento me lembrava do quão desprezível e incompleta eu era!

Para reforçar isto, na minha adolescência aprendi na catequese que a mulher era um ser tão vil que tinha sido a causadora do pecado original. Além de ter pecado e arrastado Adão consigo, Eva tinha trazido o pecado para toda a humanidade e o seu castigo e o de todas as mulheres era sangrar todos os meses e sofrer até morrer. E assim nascia e vivia em mim uma mulher pecadora, um ser astucioso que ao pensar de forma autónoma fora capaz de causar a perdição de toda a humanidade.

Enquanto os nossos irmãos mais novos e mais velhos brincavam, a nós era-nos exigido que cumpríssemos primeiro com os nossos deveres de mulher, deveres que nos tornariam mães e mulheres perfeitas, capazes de cumprir religiosamente os três conceitos: servir, ser paciente e conformar-se.

Paralelamente a isto, à medida que vamos crescendo somos bombardeadas com tantos fenómenos como se a todo o momento nos quisessem informar que apesar de tanta luta, faça a mulher o que fizer, enquanto não possuir um lar, um marido e vários filhos para cuidar então ainda não é um ser completo (até onde pode ser um ser naturalmente incompleto, claro).

Por mais inteligentes que sejamos ainda somos preteridas pelos nossos pais para irmos à escola, para a carta de condução, na entrada para a Universidade, no curso de Inglês… Se o dinheiro só chega para um, claro que se sabe que o rapaz terá privilégios por melhor preparada que a menina esteja. Para muitos pais, tudo aquilo que saia do âmbito doméstico constitui perda de tempo e um desvio da verdadeira vocação das raparigas: “se fosses rapaz ainda vá que não vá, mas tu daqui a nada engravidas, casas e é o meu dinheiro que fica empatado”.

Para muitos pais, as raparigas não necessitam de se esforçar muito para ascender na vida porque o podem fazer facilmente através do casamento. Assim é natural que mais do que com os estudos, que as raparigas se apliquem em tarefas que lhes tornem “mercadorias de fácil saída”: Prender o homem pelo estômago, prendê-lo na cama. A submissão, a realização das vontades masculinas, são todas artes de sedução que lhes permitem conseguir um casamento mais ou menos estável.

Existe entretanto uma arma de sedução ainda mais forte do que essas: o corpo, essa coisa maleável, que precisa de ser continuamente moldado até ficar bem ao gosto masculino, essa coisa da mulher que é pertença do homem que como tal pode desfrutá-lo a seu bel prazer. Assim, o formato do nosso corpo, a preocupação com a nossa alimentação, com os pneus na barriga, com a celulite e a gordura acumulada não reflectem uma preocupação como nosso corpo e sim com um corpo que nós cuidamos ou deveríamos cuidar para que seja melhor desfrutado pelo homem.

Porém, desde tempos imemoriais (antes mesmo das lutas colectivas feministas) sempre houve mulheres e ainda as há, que mesmo sem noção dos Direitos da Mulher, isoladamente lutam por um papel que não a de dona de casa, que não a de dependência ao homem, mulheres que se questionaram porque a elas cabia fazer tanto e aos homens tão pouco. Quando a menina questiona o facto de a ela caber a lida doméstica, as mães respondem que ela precisará de tratar bem do marido senão ele vai mandá-la embora.

Sendo o papel das mães muitas vezes decisivo na educação dos filhos, a mim intriga-me o facto de justamente as mulheres serem as maiores guardiãs desse modelo patriarcal que as discrimina. As mães, que geralmente tem maior contacto com os filhos, são as maiores transmissoras destes valores que podem se expressar em frases como: “Joana, não sejas maria-rapaz”, ou então: “Fábio, não sejas menininha”. Isto é todo um discurso que visa colocar as coisas no seu lugar, manter a ordem das coisas. Eu imagino o terror profundo que um rapaz experimenta ao ser comparado a uma menina. Uma abominação!

É claro que é preciso frisar que ambos os pais transmitem valores que lhes foram inculcados, transmitem-nos inconscientes, como os aprenderam. Todavia, é preciso que o ser humano se interrogue, que questione as suas ideias tão bem enraizadas pois o que dizemos para os nossos filhos hoje, terá consequências no tipo de homens e mulheres que queremos/teremos amanhã.

O mais importante para as feministas é que nos consciencializemos de que a nossa luta hoje para que as mulheres ganhem mais espaço na sociedade passa não só pela consciencialização dos homens mas principalmente pela consciencialização das outras mulheres.

Valuarda Monjane

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique