WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Ritos de iniciação: uma aprendizagem para “ser homem” e “ser mulher”

Desenho de Malangatane
12
Out
2012

Os ritos iniciam as e os jovens numa etapa do seu ciclo de vida, ou seja, no mundo dos adultos, com uma ordem e uma hierarquia socialmente determinadas. Com as grandes mudanças nos últimos anos, constata-se que, embora permanecendo muitos dos elementos estruturantes, há alterações nos conteúdos e nos meios de agenciamento dos ritos de iniciação.

De entre as instituições socioculturais que caracterizam parte significativa da sociedade moçambicana, figura o que na literatura especializada é conhecido como ritos, rituais de iniciação ou ritos de passagem.

Sendo uma instância de socialização, os ritos iniciam os jovens numa etapa do seu ciclo de vida, ou seja, no mundo dos adultos, com uma ordem e uma hierarquia socialmente determinadas e aceites pela maioria da sociedade.

Se tivermos em conta as mudanças havidas no país nas últimas décadas, constata-se que, embora permanecendo muitos dos elementos estruturantes, há, sob a influência dos novos contextos, alterações nos conteúdos e nos meios de agenciamento dos ritos de iniciação. A análise dos ritos como elementos estruturantes das identidades aponta para a necessidade de se estudar como o modo e os meios “utilizados” nos ritos a que mulheres e homens são sujeitos ao longo da vida, agenciam a construção das identidades de género. Os ritos de passagem de idade podem ser tomados, embora não independentemente de outros factores, como modelos legitimadores da desigualdade entre mulheres e homens.

Em contexto urbano[1], mesmo em comunidades que procuram preservar uma ordem tradicional que unia no passado os e as iniciandos/as em torno de significados que exaltavam os “antigos” saberes aprendidos, há factores como a frequência da escola, a circulação por outros espaços, a contaminação, mesmo que formal, do discurso público de direitos, que interferem na adopção de comportamentos, e que veiculam a adesão a novos elementos de identificação que resultam na procura da conciliação de mecanismos de convivência entre os dois mundos.

Assim, os e as jovens transitam entre espaços, entre aquilo que aprenderam a ser e a imaginar, mediados por outros elementos onde novas performances são exigidas, para o reconhecimento do eu e do outro, e onde se confrontam discursos e comportamentos. Um exemplo é a ruptura/combinação entre espaços e performances, em que ao mesmo tempo que os rapazes que andam com preservativo são socialmente aceites por que se identificam com o grupo (é informado, já iniciou vida sexual, etc.), nos ritos aprendem a importância que o sémen e o seu depósito no corpo da mulher tem para a sua virilidade.

O mesmo se passa com as acusações, que são recorrentes, ao papel negativo das novelas e dos filmes, no comportamento dos/das jovens e, com um pouco mais de ambiguidade, ao conhecimento que é transmitido na escola sobre o corpo humano e seu funcionamento que retira, por exemplo, aos conselhos sobre menstruação, grande parte da sua carga simbólica. O conhecimento evidenciado pelas meninas, associado a alguma perda de influência da tradição, em que a menarca exigia uma performance que se traduzia no passado por manifestações de medo, cria um desconforto também evidenciado em relação a dois fenómenos de carácter urbano: um é a diminuição do tempo dispendido nos ritos que garantiam um maior leque e fixação de ensinamentos e o acompanhamento (controlo) dos/as jovens antes e depois da realização dos ritos pelos padrinhos e pelas madrinhas. Outro é o espaço onde os jovens eram iniciados, espaço este inviolável a quem não pertencesse ao grupo e cuja destruição na fase de agregação correspondia à morte do infante e à sua passagem para adulto e que é, segundo alguns informadores, um dos grandes constrangimentos para que o rito cumpra a sua finalidade.

Estes dois factores mostram que estamos perante uma desconexão entre mundos, transferências, deslocações e trânsitos, cuja complexidade não permite a identificação categórica das mudanças existentes, nomeadamente nas finalidades, nos meios utilizados e na construção da masculinidade e feminilidade.

No que respeita ao papel jogado pelos ritos na construção do feminino é de assinalar que todo o cerimonial que os estrutura, mesmo quando aparentemente pode induzir a existência de fenómenos de transgressão, esses fenómenos têm lugar (e podem ter lugar), onde o caos se instala, a ordem social se suspende para novamente ser reposta e fortalecida, expondo finalmente a sua feminilidade ao grupo, o que significa “estarem prontas” na linguagem utilizada por muitos dos e das informadoras/es[2]. O quanto e como elas aprendem nos ritos sobre a sua sexualidade, não nos permite analisar essa aprendizagem de forma simples, exótica e linear, mas numa perspectiva, como afirma Rivière, dos ritos terem como função o estabelecimento da coesão da ordem “exprimindo relações sociais tornadas visíveis ao colocar em jogo a própria condição social daqueles que o realizam, num jogo de reconhecimento e oposições mútuas que supera os limites do tempo e do espaço ritual” (1996:70).

Por Conceição Osório

 

Referências:
Claude Rivière (1996). Os Ritos Profanos. Petrópolis: Vozes.
Victor Turner (1974). O Processo Ritual. Vozes. Petrópolis

 

Notas:

[1] Referimo-nos a um trabalho realizado na cidade de Maputo, em 2011, no Bairro da Mafalala e no Bairro Militar, onde predominam, respectivamente, pessoas de origem macua e maconde.

[2] Autores como Victor Turner (1974) fazem múltiplas referências a cerimónias em que os cantos de ambos sexos traduzem a depreciação do sexo oposto, fazendo alusões claras aos órgãos sexuais, sem que a ordem seja desestruturada.

4 comentários a “Ritos de iniciação: uma aprendizagem para “ser homem” e “ser mulher””

  1. Lili diz:

    Eu achei optimo e explicativo

  2. Reginalda da silvia diz:

    É um pouco explicativo mas não entendi nada.

  3. Gelindo Chambuquile diz:

    A explicaçao é perceptivel.Na verdade a Africa continua preservando os valores culturais que passam pelas etapas da vida.
    Por exemplo na Regiao do Norte de Moçambique entre os etnicos yao e Maconde levam os adolescentes(F e/ M)para um acampamento longe da zona residencial.
    O objectivo fundamental é transmitir as formas de convivencia entre os membros da mesma comunidade e no respeito que deve ser dado a outros grupos sociais.

  4. MESSIAS A M diz:

    FOI SUFISCIENTE PR MINHA IMVESTIGACAO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique