WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Seita Johanne Marange promove casamentos prematuros

LeMuSiCa
23
Out
2014

A organização LeMuSiCa, que trabalha na área dos direitos humanos das mulheres em Manica, denuncia que a seita Johanne Marange promove casamentos prematuros entre os seus crentes, com total impunidade.


Esta denúncia da LeMuSiCa desvenda sérias violações dos direitos das crianças e exige uma pronta intervenção. Reproduzimos em seguida extractos da carta divulgada, em que pede que várias organizações se juntem a esta denúncia:

Caras Companheiras

Na segunda semana do mês de Agosto, a Seita Johanne Marange iniciou com a concentração dos seus crentes no Cruzamento de Tete para realização da Páscoa, conforme as suas crenças. Foto do encontro da seita Johanne Marange

A LeMuSiCa procurou inteirar-se do assunto com os praticantes da mesma Seita para melhor entender, mas não nos deram os dias certos da realização da Páscoa. Mesmo assim, (…) no dia 27 do corrente mês deslocamo-nos para o sítio onde pedimos autorização para entrarmos no local e entrevistarmos os pastores ou os Chefe desta Seita.

Não fomos aceites nem pelo menos ouvidas. (…) No local primeiro fomos obrigadas a tirar os sapatos e a ajoelhar para falar com os que nos atenderam. (…) Estes rejeitaram-nos e tiraram-nos do sítio dizendo que só devíamos parar na estrada e que lá seriamos atendidas e assim fizemos.

Companheiras

O que vimos no local é de lamentar. Embora saibamos que o nosso Estado é laico, o que esta Seita está fazendo em relação às meninas e raparigas é desumano para nossa Sociedade.

Ora vejamos:

Estamos em período escolar e no local encontrámos por volta de 1000 e tal meninas e raparigas que tiveram de abandonar as aulas para participar nestas cerimónias, para serem escolhidas e forçadas a casarem-se (casamento prematuro) e abusadas sexualmente entre menores, entre velhos e meninas ou raparigas ou pastores e esposas dos crentes.

A rejeição da escolha do pastor, filho do pastor ou outro crente mais aplicado da Seita religiosa não é aceitável, porque quem se atrever a rejeitar será punido e expulso da Seita ou do convívio familiar.

Aos pais e mães das meninas não é dada a palavra para se pronunciarem, porque a escolha foi inspiração do Espírito Santo e assim devem aceitar a união.

Mesmo com as ameaças tentámos entrevistar algumas meninas e rapazes para nos explicarem os porquês de abandono das aulas para virem assistir às cerimónias.

Foto do encontro da seita Johanne MarangeA explicação que nos deram foi o que esperávamos ouvir: “Estar presente e participar na Pascoa é muito importante, porque cada um de nós saberá o que pode vir a acontecer durante os 12 meses e, para além disso, cada um de nós poderá dizer o que sonhou durante esta concentração e o pastor fará o pedido ao Espírito Santo”. (…)

De entre estas raparigas, com idade compreendidas entre 11 a 16 anos de idade, umas já eram casadas, mães de crianças e outras estavam grávidas dos seus parceiros.

Ao longo da conversa algumas puseram-se a chorar a pedirem ajuda para serem retiradas do sítio, porque o que iria acontecer nas próximas horas seria muito violento para elas, visto que serão obrigadas a casar ou a trocar de marido sem se poderem pronunciar.

Umas delas informou-nos que durante o encontro são obrigadas fazer trabalhos domésticos para agradarem os seus parceiros e familiares. Por exemplo, acordar muito cedo e procurar água para o banho dos futuros maridos e os sogros, bem como da Mama Inculo, que quer dizer a primeira esposa do parceiro.

Depois de toda a conversa despedimo-nos das raparigas sem nenhuma promessa de ajudá-las, mas garantindo-lhes que iríamos denunciar esta situação tão violenta e dando-lhes um valor para se aguentarem até o fim da Pascoa.

E AQUI A LEMUSICA PREOCUPADA PERGUNTA:

Será que a Procuradoria, depois de termos reportado um destes casos da seita Johanne Marange, “O caso Rabeca”, ainda não chegaram à conclusão de é preciso proteger as meninas e raparigas sob sua influência?

Qual foi o fecho? As meninas e raparigas estão sendo obrigadas a uma união forçada, abusadas sexualmente e forçadas a trabalhos infantis.

Nós, como uma organização que luta em prol dos direitos humanos e direitos da mulher e da rapariga, pedimos que esta situação seja revista com máxima urgência.

E o nosso grito de socorro é para salvaguardar a vida destas meninas e raparigas e para fazer cumprir com as leis vigentes deste país. E não só elas mas também os jovens rapazes devem ser protegidos, pois são igualmente obrigados a contrair casamento antes da idade apropriada, uma união conjugal forçada, bem como a poligamia.

Chimoio, 2 de Setembro de 2014

Foto do encontro da seita Johanne Marange

 

LeMuSiCa (Levante-se Mulher e Siga o seu Caminho)

Associação das Mulheres para Mulheres e Crianças
Vila Nova/Tambara 2
Chimoio

Coordenadora: Achia Camal Abubacar Mulima
Tel. escritório: +258 251-23193
Cel. critório: +258 82-8152275
e-mail: lemusica@tdm.co.mz

  • Veja aqui uma denúncia anterior desta seita, feita também pela LeMuSiCa

9 comentários a “Seita Johanne Marange promove casamentos prematuros”

  1. Domingos Joaquim diz:

    bom dia
    chamo-me Domingos Joaquim crente a igreja acima supracitado, o meu comentario é em relaçao alguns aspectos que foram abordados no texto e que nao costitui a verdade
    nasce nesta relegiao eu e mais 8 irmaos meus, a mais velha agora é uma professora e eu terminado a licenciatura na ucm, os outros estao a estudar normalmente.
    esta igreja em nenhum momento proibe as crianças a estudar de tal forma que cunstruio um colegio na sua cede em Zimbabwe de modo a encetivar os seus crentes a progredirem
    o que tem acotencido é falta de cultura por parte de algumas pessoas que frequentam esta relegioa de tal forma que isto também acontece com a sociedade que se encontra nos locais mais remotos da província de Manica mesmo nao sendo desta relegiao.
    deste modo sugiro que continuem a sencibilizar este tipo de família sem manchar a referida relegiao

  2. Judith Christner diz:

    Bom dia Sr. Domingos,
    como o Senhor podia dizer alguns aspectos do texto nao constituiram a verdade ? O Senhor estava la presente quando a LeMuSiCa fez a visita ? O Senhor estava presente quando a menina do 1. caso que chegou a nosso conhecimento contou tudo o que aconteceu ? O Senhor acha que estas historias todas estao sair das nossas cabecas para culpar uma seita inocente ?A LeMuSiCa trabalha em prol da rapariga, mulher e nao contra qualquer religao. Tambem sabemos que a cultura muitas das vezes estraga as meninas. Mas alem disso fica um responsabilidade maior com os adultos, em particular membos de uma comunidade religiosa que se aproveitam nestes habitos e custumes em vez de combater-lhes. E para deixar bem claro: Nao existe um acordo ou uma forma de concordancia entre um homem adulto e uma menina menor. Este tipo de relacao chama-se abuso sexual de menores e e condenavel – pela lei e perante a sociedade que deve proteger o bem estar das raparigas para serem mulheres responsaveis no futuro com visoes diferentes e avancadas em comparacao dos tempos antigos. Tudo que foi falado no artigo corresponde a verdade e achamos que algumas seitas abusam a liberdade de religao dado pela constituicao para fins particulares e obscuros.

  3. Manuel Afonso diz:

    É urgente a intervenção do governo. Abuso da laicidade. Muita força LeMuSica. Abraço!

  4. Lucas David diz:

    Boa noite. Chamo-me Lucas David, licenciado na lingua Inglesa pela UP-beira. Sou filho dessa Igreja. Nasci aqui e estou crescer aqui. Em primeiro lugar agradecer a organizacao pelo jeito e segudo, quando querem reportar coisas nao podem entrevistar criancas. Acho melhor acabar com essa organizacao e irem abrir machambas. Isso que voces estao a falar nao constituem verdade.

  5. Lucas David diz:

    Acho melhor uma pessoa dessa organicao converter-se um pouco nessa igraja para se enterrar-se da situacao. A minha igreja tem melhor colegio da africa no zimbabwe, onde muitas pessoas estao a estudar. Aqui ningeum e obrigado a ser casado cedo nem proibido ir na escola, nem ir tambem nas ceremonias de pascoas. Minha esposa e professora da escola secundaria de Mafambisse-Dondo eu tou aulas na escola Samora Machel na Beira e a orarmos tambem nessa Igreja. Nao ha nada aqui, procurem outras coisas de falar.

  6. LeMuSiCa diz:

    Senhor Lucas nao sei se assim poderemos tratar, esta Organizacao nao esta vocacionada em aberturas de machambas mais, ajudar e apoiar as vitimas que la estiverem, serem abusadas em dois termos:

    1 Aquelas que sao levadas para mao de obra barata pelos pastores e os respectivos filhos, donos das machambas desta seita. Isto vivido e testemunhado imediado no local Chigodole, Cruzamento de Tete.

    2 Abusadas sexualmente as meninas a base dum sonho espiritual dos pastores e dos seus filhos, onde resulta gravidez precose, transmissoes de doencas nas meninas na idade entre 14 a 16 anos. E isso se chama crime publico, abuso sexual de menores.

    3 Para alem das meninas menores as suas repectivas maes tambem correm o risco de serem sonhadas pelos pastores e os parceiros crentes obrigados a fazer a entrega das esposas apos do dito sonho. Isto ocorre no ultimo dia da Pascoa.

    4 A sua expressao de que nao se pode falar com criancas mostra bem claro a falta de respeito pela dignidade e os direitos humanos da crianca.

    5 Aqui nao e Zimbabwe estamos em Mocambique onde existe a Lei de Proteccao das Criancas. Nesta Org. ja tivemos casos de meninas trazidas do Zimbabwe pelos ditos pastores para faze-las vitimas de abuso sexual e casamentos forcadas no terretorio de Mocambique. Neste caso a LeMuSiCa interviu e fez junto com policia, migracao e a procuradoria uma reintegracao no seio familiar no Zimbabwe.

    A nossa luta neste contexto continuara !!

    Achia Camal Mulima, coordenadora
    Judith Christner. assesora

  7. Domingos Joaquim diz:

    Boa noite meus caros,

    apos um ano, eu Domingos convertido nesta igreja á 23 anos, com nome de Samuel Pita, quero mais uma vez manifestar a minha insatisfacao com a forma como a vossa organizacao agi perante algumas investigacaoes descabidas, sem foco e nem evidencias crediveis, pelo que volto a realcar que hoje eu sou Dr, formado em gestao Portuaria numa das melhores faculdades de Mocambique, a minha Irma mais velha foi graduado pela universidade pedagogica em gestao escolar, os meus irmaos encontram-se neste momento a terminar o nivel medio, mas tanto eu como eles somos 100% crentes desta igreja.
    nesta ambito volto a dizer-vos mais uma vez que o problema de casamento precoce nao da nossa relegiao, mais sem do povo inculto que se encontra nas zonas sub urbanas da provincial de Manica, onde presume-se que tenham feita essa vossa tal investigacao sem sucesso, tal que para alem deste grupo de pessoas que voces identificaram como pravecadores destas praticas dentro da nossa igreja tambem ecixtem milhares que se encontram fora desta relegiao e tambem praticam o mesmo acto.

    no acto de publicacao destes artigos POR FAVOR, comentem responsabilizando individualmente as pessoas e nao a igreja no seu todo, nao comentam o mesmo erro dos jornalistas que mancharam a igreja catolica pelo mal entendido nas producias do saudoso Dom Jaime.

    forte abraço

  8. Maria Arthur diz:

    Caro Sr. Domingos Joaquim
    Lamento se a nossa informação o ofendeu como crente, porque não era essa a intenção. Se reparar, os dados que se apresentam não são generalizados, mas dizem respeito a uma intervenção concreta, sem com isso se querer culpabilizar a igreja inteira. O que se pretende é chamar a atenção da Procuradoria para evitar excessos, que, como reconhece no seu comentário, podem acontecer.
    Seria também importante que os crentes desta religião tivessem um papel mais activo para monitorar as práticas das suas comunidades religiosas, para que não hajam violações dos direitos humanos das crianças e das mulheres, e para que todos possam, em paz e prosperidade, viver de acordo com os seus valores e as suas crenças.
    Se por acaso passar em Chimoio, procure aproximar-se das colegas da LeMuSiCa, para ver o trabalho que estão a fazer, que na minha opinião é de muito mérito. Estou certa de que será bem-vindo.
    Por favor, sinta-se à vontade para contactar comigo a qualquer momento.
    Com os melhores cumprimentos,
    Maria José Arthur
    Comunicação, WLSA Moçambique
    maria.arthur@gmail.com

  9. Cidalia mussa diz:

    Boa tarde. A questão abordada é muito séria acho que está na hora de acabar actos desonestos.é muito triste esta situação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique