WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Sem saúde das mulheres não há desenvolvimento

14
Abr
2014

 

Por ocasião do concurso de fotografia sobre “Mulher e Saúde”, a WLSA publicou uma matéria no jornal @ Verdade, no dia 2 de Abril (edição nº 281), com base num relatório da Organização Mundial de Saúde de 2012, que mostra que as mulheres em África carregam “um fardo de doenças e mortes inaceitavelmente pesado”, que atrasa o desenvolvimento.

Um relatório da Organização Mundial de Saúde de 2012 mostra que as mulheres em África carregam “um fardo de doenças e mortes inaceitavelmente pesado”, que atrasa o desenvolvimento.

O tema a “Saúde das mulheres” foi o escolhido para o Concurso de fotografia para amadores que o jornal @ Verdade e a WLSA Moçambique lançaram em parceria, por ocasião do 8 de Março, Dia Internacional das Mulheres.

Quando se fala em saúde, normalmente se pensa em doença ou em ausência de doença. Mas o conceito de saúde tem evoluído e a Organização Mundial de Saúde (OMS) hoje adopta uma definição mais abrangente. Considera que a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças.

De acordo com esta perspectiva, vários factores concorrem para o estado de saúde das mulheres, desde o acesso a serviços de saúde, até o acesso ao emprego, à justiça e ao tipo de normas que regulam o seu lugar na família e na comunidade. Outras condições também têm uma grande influência, como o acesso à água potável, à energia eléctrica e a qualidade das habitações.

Saúde e desenvolvimento

O relatório da OMS indica que se as mulheres no continente africano representam mais de 50% dos recursos humanos, e a sua saúde tem grandes implicações no desenvolvimento da região. Chama à atenção para as várias pressões socioeconómicas que impedem que as mulheres usufruam de um nível aceitável de saúde, incluindo os cuidados de saúde inadequados. Em consequência, as mulheres africanas não conseguem utilizar todo o seu potencial.

Mulher a fazer exercício físico; foto de Bruno MalamugyAlerta que as intervenções destinadas a melhorar a saúde da mulher, que visem unicamente questões de “saúde pública”, pecam por não interligarem a saúde e outros factores sociais, que condicionam o estilo de vida, as opções e os recursos de que dispõem as mulheres para tomar decisões que afectam a sua saúde. Segundo a OMS, reconhecer essa interligação é o ponto de partida para a abordagem multissectorial necessária na Região Africana.

Em Moçambique, as mulheres representam mais de metade (cerca de 52%) da população. O analfabetismo afecta 6 em cada 10 mulheres e 3 em cada 10 homens, faixa entre os 15 e os 49 anos de idade.

Em 2011, no nosso país, somente 1 em cada 5 agregados familiares tinham acesso à energia eléctrica, enquanto cerca de 1 em 2 utilizavam fontes seguras de água para beber. Estas são médias nacionais, mas a situação nas províncias varia muito, assim como há grandes diferenças entre as áreas rurais e urbanas.

Mortalidade Materna e contracepção

O relatório da OMS considera que na África Subsariana existe um nível muito elevado da mortalidade materna. Por isso, recomendam que nas abordagens destinadas a melhorar a saúde das mulheres, se tomem em conta os determinantes socioculturais, que exercem muita influência.

A mortalidade materna é evitável como se pode ver pela disparidade entre as taxas de mortalidade materna na Europa e em África: na Europa morrem apenas vinte por 100 000 nados-vivos, em comparação como 480 por 100 000 na Região Africana, o maior rácio de todas as Regiões do mundo.

O relatório mostra que os sistemas de saúde da maioria dos países africanos não conseguem prestar cuidados acessíveis e de qualidade adequada, o que é um dos principais obstáculos e influenciam os indicadores da saúde da mulher. Essa situação deriva do subinvestimento na saúde da mulher e de outros factores, como a inadequada capacitação das mulheres e a má concepção dos sistemas de saúde.

Em Moçambique, dados de 2011 indicam que a taxa de mortalidade materna é de 408 por 100.000 nados-vivos. O número médio de filhos que as mulheres irão ter durante a sua vida reprodutiva é muito alto: 5.9. Em 2003, era mais baixo: 5.5.

Mas as mulheres moçambicanas não querem ter tantos filhos. Para as mulheres entre os 15 e os 49 anos, a média do número ideal de filhos é 4.8. No entanto, só uma em cada 10 mulheres usa contraceptivos modernos.

As desigualdades de género afectam a saúde das mulheres

O relatório da OMS chama à atenção da necessidade de se lutar contra os estereótipos sociais, que mantêm as raparigas em casa. Defendem que é fulcral uma consulta multissectorial para a mudança de atitude nas famílias e nas comunidades. A título de exemplo, aponta que os rapazes e as raparigas deverão desempenhar o mesmo tipo de tarefas domésticas, as quais não deverão ser deixadas apenas para as raparigas, o que afecta negativamente o seu desenvolvimento e a sua disponibilidade para os estudos.

Mulher a vender no mercado informal; foto de Antoniela R. MartinsAponta-se ainda a discriminação sexual que assume a forma de violência do homem sobre a mulher. A coacção e a violência sexual prevalecem em muitos países africanos e tendem a aumentar em situações de crise, tais como catástrofes naturais e conflitos armados, como se pode ver actualmente nos vários países em situação de guerra. A violência contra as mulheres torna-se particularmente perniciosa em certas práticas tradicionais nocivas.

A melhoria da saúde da mulher resulta em grande benefício socioeconómico. Esse benefício pode traduzir-se numa maior produtividade por parte de uma força de trabalho saudável. As mulheres são a principal fonte de trabalho agrícola na Região e o pilar da economia africana, no seu todo, pelo que investir na sua saúde poderá gerar importantes ganhos económicos. Do mesmo modo, é evidente que melhorar a saúde materna traz igualmente benefícios socioeconómicos. A saúde das mães é vital para a sobrevivência do feto. Investir na saúde materna representa, portanto, um investimento na saúde das futuras gerações.

Em Moçambique, as desigualdades de género na família e na sociedade estão muito presentes e limitam gravemente a situação de saúde das mulheres.

Dados de 2011 mostram que ao nível da tomada de decisão sobre a utilização dos rendimentos, os homens interferem mais na gestão dos rendimentos da mulher, do que o contrário. Para as mulheres entre os 15 e os 49 anos, para cerca de mais de 3 em cada 10 é o esposo que toma decisões relativamente à sua saúde.

Revelador de até que ponto na sociedade é legítima a violência contra as mulheres, quase uma de cada quatro mulheres em idade fértil afirmam que se justifica o esposo bater na esposa. A aceitação da agressão conjugal diminui significativamente com o aumento do nível de escolaridade.

Recomendações

As recomendações do relatório da OMS baseiam-se na ideia de que a falta de saúde das mulheres não é só a causa da sua incapacitação, mas é também resultado da falta de informação, da pobreza económica, e das desigualdades. Este ciclo tem uma dinâmica em que a doença alimenta a falta de condições, que por sua vez alimentam a doença.

Por isso, a principal recomendação é de que os decisores políticos adoptem medidas multissectoriais ao lidarem com problemas relativos à saúde das mulheres. Vários dos principais problemas de saúde que afectam as mulheres em África estão associados às más condições de vida e resolvê-las exige que se resolvam as suas causas de fundo.

O relatório aponta que existem inúmeras provas de que, melhorando as infra-estruturas, tais como as estradas de acesso, e disponibilizando fontes de água seguras e acessíveis, se pode melhorar consideravelmente a saúde da mulher, assim como o seu bem-estar económico. Como principais participantes nestas actividades, as próprias mulheres têm um importante papel a desempenhar na formulação de políticas e na concepção de projectos que melhorem a situação dos combustíveis e da água nos lares africanos, devendo, de modo geral, ser envolvidas nos processos de desenvolvimento a todos os níveis da sociedade.

Este ano em Moçambique, realizar-se-ão eleições presidenciais e legislativas. Que tal se votássemos nos partidos e nos candidatos que nos garantam a paz e o desenvolvimento? Estas são condições indispensáveis para assegurar a saúde das mulheres e o bem-estar de toda a sociedade.

Fontes:

Clique aqui para descarregar o artigo em PDF PDF

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique