WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq

Breves

Temporada de caça contra as mulheres em Moçambique

09
Jul
2018

Neste texto de opinião a autora denuncia o problema da violência sexual contra as mulheres, sobretudo na cidade de Maputo, e a impunidade dos agressores, que cria um ambiente perigoso para as mulheres, perante a geral indiferença das instituições de justiça e do Estado.

Enquanto em muitos países a caça contra certas espécies de animais é permitida, se bem que controlada, em geral a caça contra as mulheres é uma temporada sempre aberta, sem lei nem ordem. Portanto, sem limites. Este é o caso de Moçambique, em que se viola, se mata, se mutila e se tortura mulheres e meninas na maior impunidade. Não há investigação, não há patrulhamento nem prevenção. Nem sequer vozes públicas a indignarem-se contra o massacre a que temos assistido.

As mulheres estão a ser caçadas pelos seus parceiros violentos, em casa e na rua se a união tiver terminado. Caçam-se mulheres à noite, em grupo, nas ruas escuras da cidade de Maputo, que a falta de luz torna tenebrosas. Apanham-se crianças do sexo feminino de noite ou de dia, em casa ou na rua e viola-se, mata-se e cometem-se outras formas de violência, indescritíveis de tão infames.

Os grupos de maior risco são as mulheres e raparigas que estudam à noite ou cujos turnos laborais as obrigam a circular depois do anoitecer. Por isso, há muitas que desistem de estudar, condenando-se assim a uma vida sem muitas perspectivas de emprego que lhes permita ultrapassar o ciclo de pobreza. Outras resistem, mas vivem em permanente tensão pelos perigos diários que enfrentam. As que trabalham, e todos sabemos que é uma sorte ter um emprego, não têm outra opção senão adaptarem-se e esperar que nada lhes aconteça.

Para as mulheres e para os homens de consciência que assistem a esta situação, o sentimento é um misto de incompreensão, revolta e dor. Como é possível, perguntam-se, que estes casos aconteçam sem que as instituições de justiça e os dirigentes políticos actuem ou, no mínimo, venham a público denunciar e expressar o seu pesar e indignação?

E os jornais e outros órgãos de informação, embora não saibamos até que ponto a cobertura é completa, têm vindo a informar-nos sobre alguns casos que ilustram à saciedade o massacre que está em curso. Por exemplo, ainda este mês de Julho, uma estudante do Instituto Industrial da Matola, de 23 anos, foi encontrada perto de onde morava, no bairro T3, violada e morta. Vinha das aulas, nunca chegou a casa. Este tipo de caso é recorrente e lembra um que aconteceu o ano anterior, em 2017, quando outra estudante de jornalismo, também de 23 anos, foi violada e morta ao voltar para casa no bairro do Aeroporto A, vinda do centro de saúde.

Ainda um outro caso noticiado em Julho de 2018, mostra que existem menores abandonados no bairro de Maxaquene, sem comida nem condições de vida. Entretanto, uma das crianças de sexo feminino, de 8 anos, já foi violada quatro vezes. Sabemos que a acção social já tomou conta das três crianças, mas temos a certeza de que nenhuma investigação será feita para identificar o/os agressor/es. Soubemos ainda que uma criança de 4 anos do bairro de Chamanculo foi violada pelo tio de 25 anos. Muitas outras meninas estão a ser violadas neste mesmo momento, sem que nada se faça ou se indiciem os seus agressores.

Se as instâncias de justiça fazem alguma coisa para criminalizar os agressores e conter estes crimes, isso não é suficiente. Estamos a enfrentar um ataque sistemático e de grande amplitude, que torna inseguras todas as mulheres. Sobretudo as mais jovens e de menores rendimentos, que não possuem uma viatura e que devem deslocar-se nos transportes públicos e a pé pelas “ruas da morte”, aquelas mais escondidas e escuras onde reinam sem entraves as gangues à solta na cidade.

E isto já sem falar no assédio sexual que grassa como um cancro nos locais de trabalho, criando ambientes de muita hostilidade, ou o assédio e a violência nos transportes colectivos, em que os agressores chegam a ejacular para cima das mulheres que escolhem para se esfregar.

CHEGA! BASTA!

Nós, como mulheres, temos direito à integridade física e à nossa dignidade. Queremos viver uma vida sem violência, em paz, e onde possamos tomar de forma independente as decisões que nos afectam.

Esta masculinidade tóxica e agressiva que converte cada homem num violador potencial tem que ser combatida por todos os meios. É responsabilidade do Estado garantir a defesa de todas e de todos, e não pode continuar a fingir que está tudo bem e que nada se passa. Passa-se sim. As mulheres estão a ser caçadas por todos os lados e uma vida assim não vale a pena ser vivida.

Perante isto, indignamo-nos quando algumas pessoas dizem que nos expressamos de forma radical. Mas, afinal, radical não é matar, violar e torturar? Porque é que quem defende direitos humanos e igualdade é visto como radical?

Cada pessoa deve denunciar, intervir e posicionar-se contra a escalada destes crimes de violência sexual. É hora de pedir responsabilidades às instituições do Estado.

EXIGIMOS MAIS, EXIGIMOS JUSTIÇA!

EXIGIMOS RESPEITO, EXIGIMOS IGUALDADE!

A LUTA CONTINUA! SEMPRE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa

 

Novos livros

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro  

A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique