WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são
da autoria do CDFF 

Eventos

Mês da mulher 2020:

Debate, workshop, feira, música, desporto, cinema, exposição, poesia, teatro, dança e muito mais

Programa do Mês da Mulher 2020

Campeonato de futebol:

“Unidos Contra a Violência Sexual”

Vamos falar de aborto!

(mesa redonda)

Mulheres Jovens sob Ataque (debate)

V Conferência Nacional da Rapariga

Marcha pela liberdade de expressão

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para descarregar a brochura (em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

 

Breves

Uma reflexão em torno das práticas de luta pela igualdade de género

15
Mai
2020

O autor deste texto de opinião critica as metodologias de “trabalhos femininos” feitos por homens, como perspectiva de desconstrução da desigualdade entre homens e mulheres.

Dentro do campo de luta pela igualdade de género, a desconstrução do “lugar do feminino” e dos papéis sociais entre homens e mulheres, esteve sempre presente nas referências ao patriarcado, enquanto sistema que transforma a desigualdade entre os sexos em factor de discriminação.

É com base nessa lógica que alguns programas pela igualdade de género foram incorporando nas suas legítimas lutas metodologias de trabalho que apregoavam, de forma subjacente, a ideia de que uma mudança na concepção de papéis/funções, leva automaticamente a um maior reconhecimento dos direitos inalienáveis das mulheres.

Baseados nesse princípio, têm sido elaborados programas que têm em vista a inclusão de homens em tarefas tidas tradicionalmente como de mulheres, na perspectiva de que isso levará naturalmente à aceitação da inexistência de lugares/papéis pré-definidos para ambos os sexos.

Segundo esta tese, uma vez quebrada a visão androcrática através do princípio da racionalidade prática, expressa no trabalho feminino feito pelos homens, que quase “sugere”, por analogia, aquela ideia marxista de que o que separa o homem do macaco é o trabalho, enquanto esteio da razão/reflexão; estarão criadas as condições para o surgimento de um homem novo, transformado e que não padece de misoginias, doença infantil dos machistas.

Reforçando esta tese, é comum nos espaços de afirmação digital (Facebook, WhatsApp, Instagram, etc.), encontrar retratos de homens cozinhando com legenda acima “hoje é o meu dia”; “Eu também lavo roupa” ou mesmo com trajes femininos perguntando “o que acham da minha versão feminina?”.

O objectivo deste texto não é questionar a liberdade de quem faz isso e muito menos desencorajar atitudes que propugnam, através destas práticas, a construção de um mundo sem desigualdades entre homens e mulheres. O que se pretende é o oposto, contribuir para o aprofundamento do debate/reflexão da eficácia delas no nosso quotidiano.

Por outro lado, a história já provou que estruturas de dominação podem coexistir com formas aparentemente normais de ser dos sujeitos. Hannah Arendt, proeminente filósofa alemã do século XX, foi boa em demonstrar isso no livro que escreveu sobre o caso Adolf Eichmann, um dos principais organizadores da matança dos judeus no decorrer da II guerra mundial.

Nas suas explanações ela relata que os nazistas não eram, por outras palavras, seres com unhas grandes, dentes afiados, que comiam carne humana e bebiam do seu sangue. Aliás, ficou surpreendida ao constatar, durante o julgamento, que Eichmann era um homem magro, de aparência calma e um rosto nada intimidante. Dizia ela, nas entrevistas, que os nazistas comportavam-se como homens normais, que ao voltarem a casa beijavam as esposas, abraçavam os filhos e brincavam com os seus cães.

De modo algum este retrato pesado simboliza aqueles que com todo gosto participam de programas que visam à desconstrução dos papéis sociais. Ele foi apenas um recurso usado na perspectiva popperiana, com vista a “falsear” as metodologias usadas nesses programas, para argumentar que não é linear que o efeito de “trabalhos femininos” nos homens, produza mudanças repentinas nas formas de pensar os valores sociais androcráticos.

Sebastião Vila Nova (2004), na sua obra Introdução à Sociologia (p. 122) já nos chama à atenção sobre o perigo do ritualismo, que ele define como uma forma de:

Adaptação social na qual o indivíduo reproduz mecanicamente as formas de comportamento socialmente aceitas… sem que os valores subjectivamente significativos sirvam de estímulo ao seu desempenho social”.

Nesta perspectiva, os programas que têm na sua base os “trabalhos femininos” e outros, deparam-se com o desafio da “hidra ritualista” que não morre apenas com o corte de uma de suas cabeças – neste caso, o trabalho. Uma combinação de metodologias afigura-se como uma das opções.

O perigo de uma abordagem unidimensional está em conduzir a uma ideia de reciprocidade/ complementaridade nas relações sociais que não abala os sistemas de pensamento dominantes, como mostraram Conceição Osório e Ernesto Macuacua, na sua recente pesquisa sobre “Mulher e Democracia – Indo para além das quotas, caso das eleições autárquicas de 2018.

Relacionado a isso, a Amnistia Internacional divulgou em 2017 que países escandinavos, como a Dinamarca, que possuem metas de cuidado à infância satisfatórias, níveis de distribuição igualitárias de tarefas domésticas e um parlamento com uma paridade de sexo próxima dos 50:50, possuem números assustadores de casos de violência sexual.

Portanto, é preciso não esquecer o lugar da leitura, da reflexão, do debate e do combate nas abordagens de luta pela igualdade de género. Antes da prática, é preciso ir de encontro aos significados subjectivos, lugar da reprodução dos sujeitos. Afinal, tal como os nazistas esconderam de muitos olhos os seus campos de tortura durante a II guerra mundial, todos possuem um sótão interior (o campo da irracionalidade), igual aos psicopatas dos seriados, em que “escondem”, “julgam” e “matam” os outros. É esse “lugar” interior que deve ser alcançado pela reflexão/razão, nem que para isso seja necessário a ressurreição do pai da psicanálise, Sigmund Freud.

Maio de 2020

Romão Kumenya

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisa

Novidades

Postal da WLSA desejando feliz 2020 Paz, justiça e igualdade! 16 dias de Activismo Contra a Violência do Género 2019

16 dias de Activismo Contra a Violência de Género 2019

Relatório sobre as eleições

Campanha CEDAW

 

Novos livros

Mulher e democracia: indo além das quotas

capa do livro

Silenciando a discriminação

Capa do livro

Corporações económicas e expropriação

Capa do livro  

Chega! - Junt@s Podemos Acabar com a Violência contra Mulheres e Raparigas

Convite para campanha contra a violência sexual

Campanha UDHINDO:

setacinza Moatize: Sociedade Civil lança campanha pelos direitos humanos e meio ambiente

setacinza Manifesto da Campanha

setacinza Comunicado de Imprensa


A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores
Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos publicados em "Outras Vozes" (entre 2002 e 2015).
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique