WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA WLSA

As fotos no cabeçalho são da autoria do CDFF

Eventos

Marcha pela liberdade de expressão:

Liberdade de Expressão

Marcha por Gilles Cistac:

Marcha Gilles Sistac

Marcha pela igualdade

Marcha2014_left

Contra violação dos direitos humanos no Código Penal

Diganao2

Concurso de fotografia

Vencedores da 2ª edição

Concurso2_Fotografia3

Marcha pela paz

manifesto_sq

Desfile do 1º de Maio

1maio07_peq

DSR_small
Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

Anúncio dos vencedores

Conferência Nacional sobre Violência de Género

28 e 29 de Novembro 2012

cartaz_conf_small

setacinzaApresentações e debates

Marcha de Solidariedade

Marcha02_small

Fotos da Marcha de Solidariedade dos Povos da SADC (2012)

Multimedia

As mulheres e a Internet

A importância de as mulheres terem acesso à Internet:

Women and the Web

Não é fácil ser mulher ...

naoehfacil_peq

... em Moçambique

Aborto. Pense nisso...

Aborto_small

(Material usado em acções de formação da WLSA)

Perigo de morte!

perigo_de_morte3

O aborto ilegal em Moçambique

Quem vai querer dar a luz aqui?

Fatima

O estado em que se encontram alguns dos postos de saúde em Cabo Delgado

"Alzira"

Alzira_small

Filme produzido pela WLSA Moçambique sobre sobre uma jovem que, até há pouco tempo, vivia com fístula obstétrica.

"Omitidas"

Brochura elaborada pela WLSA Moçambique sobre o problema da fístula obstétrica - um drama que atinge cerca de 100.000 mulheres em Moçambique.

Omitidas

Clique aqui para ler ou descarregar a brochura (nova edição; em PDF)

Leia mais sobre fístula obstétrica

Contra a violência de género

Jogos05_small

A sociedade civil manifestou-se na inauguração dos X Jogos Africanos

Vovós acusadas de feiticeiras:

Nely_peq setacinzaConheça o Protocolo da SADC sobre Género e Desenvolvimento, 2008

Breves

Violação do direito à informação em Moçambique

Desenho de Malangatane
14
Out
2012

A Radio Macequece acaba de ser fechada por ordens do Presidente do Município de Manica, Sr. Candieiro. Numa clara manifestação de abuso de poder, um dos seus mandatários usou a expressão “A Frelimo é que Fez, a Frelimo é que Faz”. Polícia Municipal e Polícia de Protecção encontram-se no local para impedir o acesso à Rádio. O Fórum Nacional de Rádios Comunitárias (FORCOM) emitiu um comunicado.

 

COMUNICADO DE IMPRENSA SOBRE O FECHO DA RÁDIO MACEQUECE

Os Factos

Logo do FORCOMNos princípios da tarde de ontem, dia 12 de Outubro de 2012, o FORCOM foi informado de que o Presidente do Município de Manica, Sr. Moguem Candieiro, através do uso da força da Polícia Municipal e da Polícia de Protecção, ordenara o encerramento da Rádio Comunitária de Macequece, por sinal propriedade da Associação Comunitária Macequece de Manica (ACOMAM) e membro do Fórum Nacional de Rádios Comunitárias (FORCOM).

Neste contexto, o FORCOM enviou esta manhã uma equipa constituída pelo Presidente desta agremiação, João dos Santos Jerónimo, pelo Oficial de Comunicação e Advocacia, Naldo Chivite e pelo Coordenador e Jornalista da Rádio Comunitária de Catandica em Barué, John Chekwa a fim de averiguar a situação tendo estes constatado no local a presença das forças Policiais do Município e de Protecção, que, por ordens do seu Presidente do Município, mandaram desligar o emissor e encerraram a Rádio, impedindo, também a entrada pessoas, incluindo dos jornalistas da própria rádio.

A Frelimo é que Fez, a Frelimo é que Faz” foram as palavras proferidas por um dos mandatários do Presidente do Município Manuel Tomo, Líder Comunitário do Bairro 4º Congresso, na altura em que se procedia o fecho da Rádio numa clara demonstração de Abuso do Poder. O FORCOM fez tentativas, sem sucesso, contactar o Secretário Distrital do Partido FRELIMO, David Franklim, para confirmar se estas palavras proferidas pelo Sr. Manuel Tomo traduzem o sentimento e a posição do Partido ou se se restringem apenas a sua pessoa.

Por sua vez a Administradora do Distrito, Sra. Filomena Meigos Manhiça disse ao FORCOM que ainda não sabia do assunto, por isso, não podia fazer pronunciamentos. Já o Comandante Distrital da Polícia de Protecção de Moçambique, Sr. Anito Machava disse que recebera ordens do Presidente do Município para enviar a sua força pois havia uma manifestação naquele local. Contudo, este deslocara-se ao local e não presenciara nenhuma manifestação. O FORCOM tentou, sem sucesso, contactar o Presidente do Município.

De destacar que há dois meses quatro jornalistas da Rádio Comunitária foram detidos em situações menos esclarecedoras e um dia antes havia sido convocada uma Assembleia Geral pelo Ex-Presidente da Mesa da Assembleia, Sr. Simão Tomás Soares, (segundo informações fidedignas é uma pessoa próxima e amiga do Presidente do Município e da antiga Coordenadora da Rádio afastada por actos de corrupção e má governação). No entanto, nenhum membro da Associação proprietária da Rádio e nenhum voluntário da Rádio se fizera presente, uma vez que o Sr. Soares não tem mais a legitimidade de convocar uma Assembleia.

Até as 15.00 horas de hoje, dia 13 de Outubro de 2012, a equipa do FORCOM informou que tanto a Polícia Municipal como a Polícia de Protecção continuava no local impedindo a reabertura da Rádio.

Posicionamento do FORCOM

O FORCOM sublinha que o Direito à Informação tutela a faculdade de todo o cidadão informar-se e ser informado por todos os meios legais, e, ao lado da liberdade de expressão, ele constitui uma norma internacional e incondicional de Direitos Humanos. A Liberdade de Imprensa e de Expressão estão consagrados na Constituição da República no seu artigo 48º como um Direito intransponível.

No quadro da classificação dos Direitos Humanos na base de gerações, o Direito à Informação, também consagrado no artigo 19 da Declaração Universal, é qualificado como um direito da primeira geração, pois todos os outros direitos são dele dependentes.

Neste sentido, Toda pessoa ou entidade, incluindo o Estado, o Governo e os Partidos Políticos devem abster-se da prática de actos ou omissões que impeçam o exercício do Direito à Informação e da Liberdade de Imprensa e de Expressão.

É inegável que o livre acesso à informação de domínio público, geradora de conhecimento, representa um dos pilares de um Estado Democrático. O direito de acesso à informação é um elemento incontornável para a garantia da consolidação da Paz e da Democracia. De recordar que há 15 dias (28 de Setembro) comemorou-se o Dia Internacional do Direito à Informação e há 12 dias comemorou-se, também, mais um aniversário do Acordo Geral da Paz.

O FORCOM condena a atitude do Presidente do Município de Manica, Sr. Moguem Candieiro, e considera este acto de repressão um atentado a Paz, a democracia. Neste contexto o FORCOM exige às instituições da Justiça, da Lei e Ordem a reposição da Ordem, do Direito a Informação e do Direito de Liberdade de Expressão e de Imprensa no distrito de Manica.

O FORCOM reitera a sua vontade e a obrigação de colaborar com o Estado e Governo Moçambicano na promoção do Direito a Informação, da preservação da Paz e da consolidação da Democracia moçambicana.

Maputo, 13 de Outubro de 2012

O FORCOM

——

Nota acrescentada a 17 de Outubro:

De acordo com o jornal Canalmoz, o FORCOM vai levar o edil de Manica ao tribunal

Um comentário a “Violação do direito à informação em Moçambique”

  1. O nome fica em OFF RECORDER diz:

    Em primeiro lugar, gostaria de saudar a esta Instituicao O FORCOM.

    O signatario, sente muito pelo o abuso do poder do edil de Manica o sr, Candieiro pelo seu procedimento taoo rediculo.

    E dizer que o Distrito de Manica, existe muita coisa pra se fazer, mas que nao sao feitas. Um dos exemplos: Os porques a emissora da TVM do Distrito de Manica nao trabalha? para ir fechar uma Radio que trabalha e ainda de uma forma indepedente.

    Defacto que o Presidente de Manica e sr, Simao Soares, querem monipolizar a Radio Comunitaria. E ja haviam convocado uma reuniao que a Mesma, deveria ser realizado nas Instalacoes do Municipio de Manica.

    Sugere ao FORCOM, para que o assunto seja levado ate aos TRIBUNAIS. E nao so, devera ser processado os Seguinte individuos: o Presidente do Municipio, o Sr. Simao Soares e a sua esposa sr.Ines. Esses, e q. os problematicos.

    ja houve alguem q havia sido convidado para a mesma reuniao. e ele disse que nao iria a essa reuniao porque era ilegal. e disse que o Sr. Soares, nao tem competencias de Convocar uma Reuniao e muito menos se realizar no Municipio.

    coordiais saudacoes

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Novidades

Novos livros

Entre a denúncia e o silêncio

Capa do livro

Participação política em contexto eleitoral

Capa do livro

Eleições Autárquicas 2013

Capa do livro  

setacinza A repressão policial das feministas e a expulsão de Eva Moreno


Cartazes sobre o Código Penal

Cartaz contra o Artigo 46 do Código Penal  

Tiras da Feminista Durona

A Feminista Durona

setacinza Veja todas as tiras da Feminista Durona


Artigos adicionados recentemente


WLSA / @ Verdade:

Acompanhe a distribuição do jornal A Verdade nos subúrbios de Maputo setacinzaReportagens e artigos da WLSA em parceria com o jornal @ Verdade.

Lista de todas as matérias


A revisão do Código Penal deve respeitar os direitos humanos das mulheres

Clique aqui para ver alguns vídeos sobre a violação sexual de menores e a violação no casamento - dois crimes contra os quais o Código Penal revisto não protege cabalmente.

Campanha "Palavras de Esperança" (El Salvador)


setacinza Em defesa da paz: organizações de mulheres escrevem ao Presidente da República e ao Presidente da Renamo

Novo livroA WLSA lançou um novo livro: "A Lei da Família e a igualdade de direitos - um balanço da sua aplicação"

aCapa do livroRepresentações e práticas da sexualidade dos jovens e a feminização do SIDA em Moçambique (2007); relatório de pesquisa


setacinza Mulheres corajosas

Viagem no mundo das fístulas vesico-vaginais Um depoimento apaixonado e emocionante de um cirurgião que dedicou a sua vida a salvar mulheres que vivem com fístula obstétrica, uma condição incapacitante e que leva à discriminação e ao isolamento social.

setacinza Women and the Web

A importância de as mulheres terem acesso à Internet (em inglês)

Conferência Nacional sobre Violência de Género

Cartaz da Conferência Nacional sobre a Violência de Género
Maputo, 28 a 29 de Novembro 2012

setacinza Apresentações e discussões

setacinza Comunicado final

setacinza Fotos da Conferência

setacinza Documento da Conferência

setacinza Programa da Conferência


Entrega do Prémio da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos 2012

setacinza Veja o anúncio dos vencedores

Código Penal: Graça Machel toma posição

Graça Machel, Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, posicionou-se sobre a revisão do Código Penal, subscrevendo as demandas da sociedade civil. Veja as cartas que ela endereçou a diversas personalidades da Assembleia da República.

Revisão do Código Penal

Direitos iguais no Código PenalA Assembleia da República (AR) está a preparar uma revisão do Código Penal, que data de 1886.

setacinza Nota ao Parlamento

Preocupado com o rumo que está a tomar a revisão do Código Penal, um grupo de organizações da Sociedade Civil diriguiu uma nota à AR. setacinza Carta da Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos
Logo da Rede DSR

Factsheet

Informação sobre os Direitos Sexuais e Reprodutivos das mulheres em Moçambique, recolhida pela Rede de Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos

A Voz de America sobre o caso de violação colectiva em Pemba:

Escute o texto do artigo em português

Os "talibans" de Moçambique...

A violação de uma mulher por 17 homens é justificada em nome do respeito pela tradição...
Clique aqui para ler os artigos já publicados pela WLSA Moçambique.
Mulher e Lei na África Austral - Moçambique